PT não chega a 10% na maioria das capitais

PT não chega a 10% na maioria das capitais

No início da última semana, Jilmar Tatto (PT) foi a uma igreja na zona sul de São Paulo, seu reduto eleitoral. Era um ato de campanha, mas não apareceram eleitores nem militantes na saída da missa. Horas depois, os dirigentes da sigla reclamaram da falta de apoio da base petista ao candidato, segundo relato da repórter Catia Seabra.

A vida não anda fácil para o PT a menos de um mês das eleições municipais. Em 16 das 21 capitais em que tem candidato, a legenda não chegou a 10% das intenções de voto nas últimas pesquisas. Só dois nomes disputam a liderança —Luizianne Lins (Fortaleza) e João Coser (Vitória).

Os dados do Ibope sugerem que o partido enfrenta uma barreira inicial naquela que havia se tornado uma das principais bases políticas da sigla: o eleitorado de baixa renda. Nesse grupo, a corrida começou marcada pelo desinteresse e pela ascensão de outras candidaturas.

Na disputa paulistana, Tatto subiu na última pesquisa, mas só marca 6% entre os eleitores mais pobres. Seu rival ali não está na esquerda, com Guilherme Boulos (PSOL). Quem lidera é Celso Russomanno (Republicanos), que anota 33% naquela faixa.

Nessas eleições, não são raros os petistas que largaram com desempenho melhor entre os mais ricos. No Recife, Marília Arraes marca 18% no topo da pirâmide e 12% na base. O mesmo acontece em Manaus, onde Zé Ricardo aparece com 17% no primeiro grupo e 8% no segundo. Em Salvador, Major Denice tem o triplo de intenções de voto na alta renda.

A situação é diferente em Fortaleza. Luizianne Lins aparece com 30% entre eleitores com renda de até um salário mínimo. Mas na faixa seguinte, de um a dois salários, a petista cai para 17% e é superada pelo bolsonarista Capitão Wagner (Pros).

O desgaste do PT e a memória distante dos governos do partido explicam parte dos números. A apatia é outro fator relevante. No Rio, Benedita da Silva tem 9% entre os mais pobres, empatada com Marcelo Crivella (Republicanos). Outros 28% declaram voto em branco ou nulo.

Folha de SP

‘Fake SMS’: PF investiga governo do PT no PI por mensagens com fins eleitorais

‘Fake SMS’: PF investiga governo do PT no PI por mensagens com fins eleitorais

De O Antagonista

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (16) a Operação “Fake SMS”, com o objetivo de investigar a contratação, pelo governo do Piauí, de serviços de disparo automático de mensagens via aplicativo com fins eleitorais.

Foram cumpridos dois mandados de busca, expedidos pelo juízo da 98ª Zona Eleitoral, em Teresina.

Policias apreenderam documentos, celulares e mídias de armazenamento.

O material apreendido agora será analisado pela PF. com o objetivo de comprovar se o serviço contratado era utilizado com a finalidade específica de emitir mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato, partido ou coligação, o que constitui crime eleitoral.

Base aliada do prefeito Américo ignora recepção a Cristiane Bacelar

Base aliada do prefeito Américo ignora recepção a Cristiane Bacelar

Apesar do clima de festa criado para recepcionar a candidata a vice-prefeita Cristiane Bacelar ontem (23), no seu regresso a Coelho Neto, o prefeito Américo de Sousa (PT), se mostrou inquieto e incomodado pela ausência da base aliada que daria musculatura política ao encontro.

Nos últimos dias, o petista aconselhado pelo candidato a deputado estadual derrotado Luis Henrique tem feito um esforço para vender a imagem de grupo unido, mas nos bastidores a coisa não é bem assim e o fato não deixou de ser observado pelos próprios aliados presentes no evento.

Dos 07 vereadores que compõe a base aliada do governo, apenas Osmar Aguiar (PT), participou do ato, além de Wilson Vaz (PCdoB), que teria chegado ao final, já na hora dos comes e bebes.

Como o próprio Américo fez questão de admitir, a vaga de vice seria do PCdoB e a imposição do nome de alguém do Solidariedade não teria deixado alguns dos aliados nada satisfeitos.

O certo é que sem o aparente controle da própria base para prestigiar um evento que o grupo considerava tão importante, não deixa de ser um sinal claro de que a coisa não anda tão bem no ninho petista.

O que deverá ficar ainda mais evidente nos próximos dias.

É aguardar e conferir!

 

A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

O prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), optou por fazer sua convenção ontem (16), exatamente no último dia do calendário estipulado pela Justiça Eleitoral. A estrutura milionária criticada por ele no passado, foi exatamente a escolhida para tentar impressionar e contrariar os números que o colocam na traseira da disputa e na dianteira absoluta de rejeição popular. O cenário da campanha do tostão do ex-vendedor de picolé pregado por ele há quatro anos teve mudança radical nesse período no comando do município e o que se viu foi uma estrutura aparentemente do milhão. Que mudança não?

Cerca de 2.500 cadeiras foram dispostas no Estádio Tancredo Neves. Para ocupá-las uma força tarefa montada para cooptar contratados com familiares e ônibus da zona rural foram mobilizados para garantir o público, já que na cidade a rejeição é praticamente absoluta conforme as pesquisas de opinião pública divulgadas até aqui. Os aliados chiliquentos que cobravam o distanciamento das cadeiras nas convenções dos adversários, deram de ombros para as regras e fizeram vista grossa no evento do patrão.

A estrutura faraônica contou ainda com inúmeros seguranças, carro oficial transitando, ameaças a opositores que filmavam o ocorrido e pasmem, até uma ambulância foi disposta para ficar no local a disposição – privilégio que muitos usuários do SUS do município não tem quando precisam do serviço.

Sem popularidade o suficiente, apelou para o uso da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) e do ex-presidente presidiário Lula da Silva para ver se cola. Para o prestigiar nenhuma autoridade senão o próprio deputado estadual Rafael Leitoa (PDT) e o candidato a deputado derrotado Luis Henrique – visivelmente descontrolado durante o discurso, diga-se passagem. Apesar do apoio anunciado do governador Flávio Dino e do senador Weverton Rocha, nenhum dos dois gravaram mensagens referendando tais falas. Aliados como o presidente da Câmara Marcos Tourinho (PCdoB), a ex-secretária de Educação Williane Caldas e o advogado Walkmar Neto também não foram vistos por lá.

A programação foi exatamente uma colcha de retalhos imitando a feita pelo pré-candidato adversário e líder nas pesquisas Bruno Silva (PP), com direito a uso da bandeira da cidade e música gospel – o curioso aqui é que foi exatamente no governo petista que os evangélicos foram punidos com o sepultamento do Dia do Evangélico.

É preciso lembrar que Bruno não colocou nenhum ônibus na zona rural e nem precisou impor que os convidados fossem intimidados a trazerem outra pessoa, logo porporcionalmente não deixou nada a desejar. Da convenção adversária apenas uma coisa não pôde ser copiada: a emoção. As pessoas pareciam entediadas, destacando como os mais afoitos apenas os para choques do primeiro e segundo escalão.

Para fechar a convenção, o suspense do vice foi revelado e Américo teve que que engolir o nome  da ex-vereadora Cristiane Bacelar – que não pôde está presente em razão do falecimento de sua mãe.

No frigir dos ovos, a montanha pariu um rato. Sobre a escolha da vice que desceu na goela sem água, essa é uma outra longa história….

Williane Caldas anuncia desistência da pré-candidatura a vereadora e implode o PT em Coelho Neto

Williane Caldas anuncia desistência da pré-candidatura a vereadora e implode o PT em Coelho Neto

Às 19h:02

A ex-secretária de Educação Williane Caldas utilizou sua rede social agora pouco para anunciar sua desistência da pré-candidatura a vereadora.

A decisão dela que era tida como uma das principais expoentes da sigla, cai como um banho de água fria no grupo do prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT) e implode diretamente a chapa proporcional do PT, dificultando a briga por representação na Câmara de Vereadores.

Uma verdadeira crise ocorre nos bastidores do governo e não é segredo. A própria Williane já havia se queixado de boicote e assim como ela, outros tem feito questão de demonstrar insatisfação com a forma como o prefeito tem conduzido o tratamento com aliados.

Com o anúncio de Williane, o PT se apequena diante do pleito eleitoral, comprometendo sobremaneira sua performance nas urnas, conforma já antecipado pelo blog.

A seguir o anúncio da ex-secretária:

O fator Williane Caldas na chapa proporcional do PT em Coelho Neto

O fator Williane Caldas na chapa proporcional do PT em Coelho Neto

Com o fim das coligações proporcionais, o Partido dos Trabalhadores – PT em Coelho Neto está diante de um cenário preocupante e desafiador. Ao longo de sua história na cidade, a sigla nunca foi referência em potencial de votos, tanto que nunca passou de 01 (uma) cadeira na Câmara de Vereadores, como acontece atualmente, onde é representado apenas pelo vereador Osmar Aguiar (PT).

O PT iniciou o governo em 2017 bastante forte, com seus principais nomes na cadeira do Executivo e Legislativo, mas começou perder essa força quando a oposição se uniu e derrotou Osmar Aguiar na reeleição da Mesa Diretora em 2018.

Nas eleições de 2016, o PT obteve apenas 1.327 votos no total  e mesmo com Américo de Sousa (PT) sentado na cadeira de prefeito, o partido foi solenemente ignorado. Apesar da festa em torno de filiações ocorrida na eleição de 2018, seu componentes não tiveram qualquer destaque em posições estratégicas do governo, ao contrário, alguns dos pouquissimos nomes que de alguma forma ganharam notoriedade foram acomodados em outras siglas partidárias.

Fora Osmar, a única petista com visibilidade e potencial de votos que poderia surpreender é exatamente a ex-secretária de Educação Williane Caldas. Ela e Osmar quer queira, quer não, disputam o mesmo eleitorado da educação: para Osmar pesa ter o mandato e para Williane conta a militância também no segmento evangélico.

Na configuração atual, a chapa do PT é vista com expectativa exatamente pelas novas regras impostas sem as coligações. Nesse quebra cabeça, Williane passa a ser então figura de proa e extremamente necessária para influir no resultado da sigla no pleito eleitoral.

Acontece que segundo fontes do blog, a petista não anda lá muito satisfeita. De personalidade forte e avessa a subserviência, chegou inclusive a manifestar em sua rede social um possível boicote que estaria sofrendo no próprio grupo e isso acabou acendendo a luz vermelha nas hostes petistas. E se Williane não for candidata, como fica o PT? Ela não é obrigada e como tantos outros aliados do governo tem lá seus motivos para cultivar essa insatisfação.

Até a realização das convenções, essa dúvida não tem como ser respondida, mas uma negativa dela a esta altura do campeonato compromete sobremaneira o resultado final da performance dos petistas nas urnas.

É aguardar e conferir!

‘É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência’, diz Lula

‘É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência’, diz Lula

O ex-presidente Lula afirmou nesta quinta-feira que é “plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência” em 2022. Ele fez o comentário ao ser indagado sobre a situação da Argentina, na qual a ex-presidente Cristina Kirchner aceitou ser vice na chapa de Alberto Fernández e venceu as eleições. A entrevista foi concedida ao canal da TV Democracia na internet.

— É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência. O PT pode ter candidato a vice. O PT pode ser candidato a outra coisa. Isso é plenamente possível — afirmou.

Lula, contudo, afirmou que o PT é “o maior partido de esquerda da América Latina”.

— É preciso ter um candidato (de esquerda) que tenha habilidade de tratar os partidos com o respeito que os partidos merecem. Não adianta querer brigar com o PT. Não podem querer que o PT abra mão dessa grandeza que o povo lhe deu (nas urnas) a troco de nada. Ou apresenta um candidato maior do que o PT ou não tem chance. As pessoas falam: “Olha, eu tenho uma pesquisa que mostra que no segundo turno tem (candidato com) mais voto que o Lula”. Ok, mas, para passar para o segundo turno, tem que passar antes pelo primeiro — disse Lula.

“Tem que passar no primeiro turno, tem que passar no Enem. Não pode um partido que tem, no começo de uma campanha, 30% [de intenção de votos], abrir mão [de candidatura] a troco de quê?”, questionou.

Lula também evitou responder diretamente se pretende candidatar-se à presidência novamente em 2022.

“Não sei. Nunca vou dizer que sou ou o que não sou. Vou deixar chegar 2022, saber como estou, como está meu joelho, se não estou impedido de fazer alguma coisa. A única coisa que posso dizer com toda a força do meu coração, é que estou disposto a lutar, não sei não lutar, não sei ficar parado, não me conformo com o Brasil estar onde estar.”

O petista também criticou Ciro Gomes, candidato do PDT na eleição de 2018.

— Tenho mais carinho pelo Ciro do que ele tem demonstrado ter por mim. O companheiro Ciro deveria ter ficado no Brasil e ter declarado apoio ao Fernando Haddad (no segundo turno contra Jair Bolsonaro). Mas ele preferiu um gesto de rebeldia. O Globo

Desespero: Por conta do avanço de Bolsonaro, PT chama na chincha governadores do Nordeste

Desespero: Por conta do avanço de Bolsonaro, PT chama na chincha governadores do Nordeste

O Diretório Nacional do PT decidiu chamar na chincha os quatro governadores do partido, todos do Nordeste: Rui Costa (BA), Camilo Santana (CE), Wellington Dias (PI) e Fátima Bezerra (RN).

A cúpula da legenda comandada por Gleisi Hoffmann exigirá que eles arregacem as mangas e apresentem propostas de estratégias para conter o avanço de Jair Bolsonaro nos estados da região.

O Globo

Américo e a super proteção a Albertino…

Américo e a super proteção a Albertino…

O clima amanheceu azedo entre aliados do prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), prinicpalmente os pré-candidatos a vereadores e o motivo é apenas um: a super proteção do chefe ao ex-secretário Albertino Veríssimo.

Albertino passou a ser homem forte no governo, desde que decidiu ficar ao lado do prefeito no rompimento deste com o vice-prefeito Antônio Pires (PL) de quem este era aliado. Foi secretário de Agricultura e tempos depois alçado ao cargo de secretário de Esportes sempre visado como um dos nomes do governo cotado para disputar vaga na Câmara.

Pré-candidato a vereador, Albertino estava entre os aliados do primeiro escalão que foram obrigados a sair do cargo ainda no início do ano. Mesmo de saída, conseguiu emplacar na época a esposa na Chefia do Cerimonial do governo.

Pois bem, o Diário Oficial de ontem (14), trouxe todas as exonerações de pessoas que disputarão eleição e para surpresa dos aliados eis que surge o nome de Albertino entre os exonerados, que mesmo tendo saído da secretaria, conseguiu uma sinecura na Secretaria de Agricultura.

A revolta nos bastidores é que outros aliados que sairam não obtiveram o mesmo arranjo por parte do prefeito, deixando claro seu favoritismo pelo nome de Albertino que passou a ser figura quase onipresente nas ações do governo.

Seja em inaugurações, seja no tocante a ações que não deveriam sequer ter sua participação – pelo menos em tese, já que deixou de ser chefe, Albertino passou a ser uma espécie de sombra do prefeito, incomodando aliados históricos e que não tiveram do chefe a mesma atenção.

A descoberta de que Albertino estava nomeado é mais um desconforto no já combalido grupo do prefeito.

E mais uma fogueira acesa que ele mesmo terá que apagar…

Com pacote de bondades relâmpago e sem controle da própria base aliada, Américo sofre derrota na Câmara

Com pacote de bondades relâmpago e sem controle da própria base aliada, Américo sofre derrota na Câmara

O prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), sentiu na pele nesta sexta (14), a humilhação de está sentado na cadeira de Chefe do Executivo e tendo que carregar o fardo de não ter mais o controle do próprio governo.

Com as regras impostas pelo período eleitoral, o petista resolveu sair da toca com inúmeros projetos polítiqueiros, com a desculpa de beneficiar servidores, mas com o visível objetivo de tentar ganhar dividendos políticos em decorrência da  proximidade da eleição.

Após quase quatro anos sem iniciativas que beneficiassem os servidores, o prefeito passou por cima do prazo regimental e entregou para a Câmara na noite de ontem (13), de uma só vez vários projetos para apreciação relâmpago que aconteceria de forma simultânea apenas numa tarde. O Regimento Interno é claro que convocação para Sessão Extraordinária se dá no prazo de 48 horas – fato ignorado inclusive por quem gosta de cobrar o cumprimento deste.

Ao contrário do que dizem os frustrados em operar a malfadada articulação – alguns já caleijados em derrota no atual governo, a culpa do fracasso do prefeito a respeito da sessão que sequer chegou a ocorrer não se deu por conta da oposição, se deu em decorrência da incompetência do próprio governo em dialogar com sua base aliada – já que apenas estes aprovariam as matérias sem qualquer problema.

O governo tinha tanta ciência da “operação bufa” que comandou no apagar das luzes, que se prestou ao papel humilhante de está adulando um e outro para conseguir quem validasse o “pacote de bondades” de quem ignorou os servidores e suas demandas desque que assumiu.

Um governo que não consegue articular os próprios aliados naquilo que consideram importante, só consegue mostrar desarticulação, incompetência e muito despreparo.

Estão apenas colhendo o que plantaram. E os aliados sabem disso…