PT não chega a 10% na maioria das capitais

PT não chega a 10% na maioria das capitais

No início da última semana, Jilmar Tatto (PT) foi a uma igreja na zona sul de São Paulo, seu reduto eleitoral. Era um ato de campanha, mas não apareceram eleitores nem militantes na saída da missa. Horas depois, os dirigentes da sigla reclamaram da falta de apoio da base petista ao candidato, segundo relato da repórter Catia Seabra.

A vida não anda fácil para o PT a menos de um mês das eleições municipais. Em 16 das 21 capitais em que tem candidato, a legenda não chegou a 10% das intenções de voto nas últimas pesquisas. Só dois nomes disputam a liderança —Luizianne Lins (Fortaleza) e João Coser (Vitória).

Os dados do Ibope sugerem que o partido enfrenta uma barreira inicial naquela que havia se tornado uma das principais bases políticas da sigla: o eleitorado de baixa renda. Nesse grupo, a corrida começou marcada pelo desinteresse e pela ascensão de outras candidaturas.

Na disputa paulistana, Tatto subiu na última pesquisa, mas só marca 6% entre os eleitores mais pobres. Seu rival ali não está na esquerda, com Guilherme Boulos (PSOL). Quem lidera é Celso Russomanno (Republicanos), que anota 33% naquela faixa.

Nessas eleições, não são raros os petistas que largaram com desempenho melhor entre os mais ricos. No Recife, Marília Arraes marca 18% no topo da pirâmide e 12% na base. O mesmo acontece em Manaus, onde Zé Ricardo aparece com 17% no primeiro grupo e 8% no segundo. Em Salvador, Major Denice tem o triplo de intenções de voto na alta renda.

A situação é diferente em Fortaleza. Luizianne Lins aparece com 30% entre eleitores com renda de até um salário mínimo. Mas na faixa seguinte, de um a dois salários, a petista cai para 17% e é superada pelo bolsonarista Capitão Wagner (Pros).

O desgaste do PT e a memória distante dos governos do partido explicam parte dos números. A apatia é outro fator relevante. No Rio, Benedita da Silva tem 9% entre os mais pobres, empatada com Marcelo Crivella (Republicanos). Outros 28% declaram voto em branco ou nulo.

Folha de SP

Lula em entrevista: ‘Não vou enganar o povo mais uma vez’

Lula em entrevista: ‘Não vou enganar o povo mais uma vez’

O ex-presidente Lula (PT) cometeu ontem (7), durante entrevista ao jornal El País, um ato de sincericídio.

Disse em determinado trecho da conversa que não tem mais idade para enganar o povo… “mais uma vez”.

“Eu já tenho idade demais, eu já vivi demais, eu já tenho experiência demais, e eu não vou enganar o povo mais uma vez”, disse.

Veja:

Quanta sinceridade…

Do Blog do Gilberto Leda

‘É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência’, diz Lula

‘É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência’, diz Lula

O ex-presidente Lula afirmou nesta quinta-feira que é “plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência” em 2022. Ele fez o comentário ao ser indagado sobre a situação da Argentina, na qual a ex-presidente Cristina Kirchner aceitou ser vice na chapa de Alberto Fernández e venceu as eleições. A entrevista foi concedida ao canal da TV Democracia na internet.

— É plenamente possível que o PT não tenha candidato à Presidência. O PT pode ter candidato a vice. O PT pode ser candidato a outra coisa. Isso é plenamente possível — afirmou.

Lula, contudo, afirmou que o PT é “o maior partido de esquerda da América Latina”.

— É preciso ter um candidato (de esquerda) que tenha habilidade de tratar os partidos com o respeito que os partidos merecem. Não adianta querer brigar com o PT. Não podem querer que o PT abra mão dessa grandeza que o povo lhe deu (nas urnas) a troco de nada. Ou apresenta um candidato maior do que o PT ou não tem chance. As pessoas falam: “Olha, eu tenho uma pesquisa que mostra que no segundo turno tem (candidato com) mais voto que o Lula”. Ok, mas, para passar para o segundo turno, tem que passar antes pelo primeiro — disse Lula.

“Tem que passar no primeiro turno, tem que passar no Enem. Não pode um partido que tem, no começo de uma campanha, 30% [de intenção de votos], abrir mão [de candidatura] a troco de quê?”, questionou.

Lula também evitou responder diretamente se pretende candidatar-se à presidência novamente em 2022.

“Não sei. Nunca vou dizer que sou ou o que não sou. Vou deixar chegar 2022, saber como estou, como está meu joelho, se não estou impedido de fazer alguma coisa. A única coisa que posso dizer com toda a força do meu coração, é que estou disposto a lutar, não sei não lutar, não sei ficar parado, não me conformo com o Brasil estar onde estar.”

O petista também criticou Ciro Gomes, candidato do PDT na eleição de 2018.

— Tenho mais carinho pelo Ciro do que ele tem demonstrado ter por mim. O companheiro Ciro deveria ter ficado no Brasil e ter declarado apoio ao Fernando Haddad (no segundo turno contra Jair Bolsonaro). Mas ele preferiu um gesto de rebeldia. O Globo

Com bens bloqueados, Lula passará a receber salário do PT

Com bens bloqueados, Lula passará a receber salário do PT

O PT começou a pagar neste ano um salário para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O valor exato da remuneração dada pelo partido ao seu principal líder não foi revelado pela direção da sigla.

Além da remuneração da legenda, Lula recebe apenas uma aposentadoria como anistiado político, de pouco mais de R$ 6 mil, por ter sido perseguido pela ditadura militar. Antes de começar a ser alvo de processos da Lava-Jato, o ex-presidente complementava a renda com retiradas mensais da sua empresa de palestras, mas seus bens foram bloqueados. O interesse pelas palestras do petista também desapareceu depois que ele passou a ser investigado.

Em discurso na frente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no dia 9 de novembro, após ser solto depois de 580 dias na prisão, Lula se queixou de sua situação financeira:

— Se me virarem com a bunda pra baixo não vai cair uma moeda do meu bolso.

Não é a primeira vez que Lula recebe salário do PT. Antes de ser eleito presidente da República em 2002, ele era remunerado pelo partido com direito a carteira de trabalho assinada.

Agora, o salário do ex-presidente será equivalente ao de outros dirigentes da sigla. Lula é presidente de honra do PT. Petistas sem mandato parlamentar com cargo na executiva e dedicação exclusiva à legenda recebem salário mensalmente. Diante da falta de recursos em caixa, as quantias vêm sendo reduzidas nos últimos anos.

No ano passado, as remunerações chegavam a R$ 20 mil. Em 2017, eram de até R$ 26 mil. Para conter custos, os dirigentes deixaram de ter registro em carteira e passaram a receber como pessoa jurídica.

A presidência do PT pretende impor uma redução aos valores que vinham sendo pagos em 2019. O salário de Lula seria enquadrado nesse novo patamar. Além da remuneração, a sigla continuará, como já faz, bancando viagens do ex-presidente para atividades políticas no Brasil e no exterior. Desde dezembro, o ex-presidente tem despachado pelo menos uma vez por semana na sede do partido no centro de São Paulo.

O PT, assim com a maioria das legendas brasileiras, se mantém majoritariamente com recursos do fundo partidário. Neste ano, a sigla deve receber cerca de R$ 100 milhões, sendo a segunda maior beneficiada com recursos, atrás apenas do PSL, que ficará com R$ 110 milhões. Além disso, o partido também conta com contribuições de filiados e uma taxa mensal paga por políticos com mandato.

Com o salário que receberá do PT, Lula deve alugar uma casa em São Paulo para viver com a namorada, Rosângela Silva, conhecida como Janja. O ex-presidente não pretende mais morar em São Bernardo do Campo, onde possui apartamento.

O acerto sobre a remuneração esteve na pauta das primeiras conversas entre Lula e a direção do PT neste ano. Além disso, nesses encontros, foi acertado o calendário de atividades do ex-presidente neste começo de 2020. No final de semana, ele irá ao Rio para a celebração dos 40 anos do PT. O partido pretende priorizar atividades no estado para se contrapor à popularidade do presidente Jair Bolsonaro por lá. Na semana que vem, Lula viajará à Europa para uma audiência com o Papa Francisco, no Vaticano.

O Globo

Mico do dia: Márcio Jerry convida Lula para morar no Maranhão

O deputado federal Márcio Jerry fez hoje um convite público ao ex-presidente Lula.

“Venha para o Maranhão! O Maranhão te receberá de coração, mentes e braços abertos e calorosos. Venha pra cá, Presidente!”, postou o comunista, no Twitter.

A declaração veio depois de o petista admitir que pensa em voltar a morar no Nordeste.

“Fico sonhando em sair daqui, decidir onde vou morar. Quando deixei a Presidência, tinha vontade de morar no Nordeste, vontade de voltar para meu Pernambuco, vontade de morar não perto da praia, mas num lugar em que pudesse ir à praia. Pensava em ir para Bahia, Rio Grande do Norte, mas a Marisa não quis ir porque ela nasceu em São Bernardo, e o mundo dela era São Bernardo. Eu não tenho mais o que fazer em São Bernardo. Não sei para onde ir, mas quero me mudar para outro lugar”, disse Lula ao Brasil de Fato.

do Blog do Gilberto Leda

COMNTÁRIO DO BLOG –  O deputado federal Márcio Jerry é daqueles que não perde a oportunidade de aparecer, mesmo que para isso tenha que pagar mico. A o invés de buscar meios para tirar o Maranhão da liderança dos Estados mais pobres da Federação, prefere pagar mico.

Coisa que qualquer parlamentar com um pouco de senso do rídiculo evitaria…

Dodge questiona vazamentos e se manifesta contra soltura de Lula

Folha de S. Paulo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, encaminhou nesta sexta-feira (21) ao STF (Supremo Tribunal Federal) parecer contrário ao pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para anular sua condenação no caso do tríplex de Guarujá.

Diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil envolvendo a atuação do ex-juiz e hoje ministro Sergio Moro (Justiça) fizeram a Segunda Turma do Supremo desengavetar um pedido de Lula pela anulação do processo que levou o petista à prisão em abril do ano passado.

A solicitação foi feita sob o argumento de que Moro não foi imparcial na análise do caso. O pedido foi reforçado por petição apresentada no dia 13 pela defesa de Lula. Eles dizem que as conversas de Moro e Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, revelam “completo rompimento da imparcialidade” do ex-juiz.

A ação está na pauta do STF de terça-feira (25), mas, conforme informou a coluna de Mônica Bergamo, na Folha, há possibilidade de adiamento. A decisão deve ser tomada durante a sessão.

Do Blog do Gilberto Leda

Vazamento não afeta popularidade de Moro e Lava Jato, diz pesquisa

Reuters

A avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro segue praticamente inalterada e o apoio popular segue forte à Lava Jato, apesar dos recentes vazamentos envolvendo o ministro Sergio Moro e procuradores da operação.

Pesquisa XP/Ipespe mostrou que a avaliação ótima/boa do governo permaneceu em 34%, enquanto a ruim/péssima passou a 35%, ante 36% em maio, oscilando dentro da margem de erro de 3,2 pontos percentuais. Já 28% consideram o governo regular, ante 26% no levantamento anterior.

A sondagem apontou ainda que 77% dos entrevistados tomaram conhecimento da divulgação pelo site Intercept Brasil das supostas mensagens trocadas entre Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol.

Além disso, 47% afirmaram que o vazamento das mensagens não alteraria sua opinião sobre a Lava Jato, ao passo que 11% disseram que poderia alterar para melhor. A pesquisa indicou ainda que 31% apontaram que a notícia pioraria sua avaliação sobre a operação e 12% não souberam responder.

A boa avaliação da Lava Jato também se reflete nos 44% que avaliam que a operação não cometeu excessos e nos 14% que entendem que excessos foram cometidos, mas o resultado valeu pena. Por outro lado, 30% avaliaram que excessos foram cometidos e que algumas decisões devem ser revistas e 12% não souberam responder.

A pesquisa também colocou Moro com a maior nota média entre as personalidades políticas pesquisadas. O ministro da Justiça ficou com nota 6,2, uma queda ante os 6,5 registrados na pesquisa anterior e ante os 7,3 que recebeu em janeiro. Ainda assim, foi melhor avaliado que Bolsonaro, que vem a seguir, com 5,7, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o vice-presidente, Hamilton Mourão, com 5,5.

Mais, 56% expressaram opinião positiva sobre Moro, a melhor avaliação entre os pesquisados, enquanto 26% manifestaram opinião negativa, 15% regular e 3% não souberam responder.

Em segundo lugar aparece Bolsonaro, que teve 51% de opinião positiva, 26% de negativa, 21% de regular e 2% não souberam responder.

Vídeo – Ciro Gomes repete irmão: “Lula tá preso, babaca!”

Vídeo – Ciro Gomes repete irmão: “Lula tá preso, babaca!”

Ciro Gomes repetiu durante a Bienal da UNE, em Salvador, o que seu irmão, o senador Cid Gomes, disse em evento no Ceará durante o segundo turno das eleições de 2018.

“O jovem no bar é obrigado a defender corrupção, aparelhamento do Estado, formação de quadrilha. Isso não é para vocês. Vocês não têm nada a ver com isso”, discursava Ciro, quando alguém da plateia gritou:

“Corrupto!”

“Não sou, não”, respondeu o pedetista. “Eu estou solto. Eu sou limpo, eu sou limpo. Olhe: o Lula tá preso, babaca!”

Ciro repetiu duas vezes a frase.

Parte da plateia aplaudiu, mas a militância petista vaiou e gritou “Lula livre”.

Ciro disse então que ajudou Lula em todas as eleições dele e que foi contra o que chamou de “prisão arbitrária”.

“Ele aceitou os recursos. Desculpa, não sou eu que condenei o Lula. Não está na minha mão liberar Lula. Eu avisei que, se a direita ganhasse as eleições, o Lula ia ficar encarcerado por muito mais tempo. Avisei na campanha. Todo mundo pode vomitar paixão que quiser, mas enquanto a gente ficar assim, acreditando em minorias ínfimas, esmagadoramente derrotados que fomos… Companheiros, nós fomos humilhantemente derrotados por essa estratégia. Insistir nela afunda o Brasil!”

O Antagonista

Urgente: Lula é condenado a mais 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro

Urgente: Lula é condenado a mais 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva foi condenado a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem de dinheiro nesta quarta-feira (6), no processo da Lava Jato que apura se ele recebeu propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP).

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva foi condenado a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem de dinheiro nesta quarta-feira (6), no processo da Lava Jato que apura se ele recebeu propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP).

A sentença da juíza substituta Gabriela Hardt, da primeira instância, é a segunda que condena Lula na Operação Lava Jato no Paraná. Cabe recurso. Outras doze pessoas foram denunciadas no processo.

O ex-presidente está preso em Curitiba desde abril de 2018, cumprindo a pena de 12 anos e 1 mês determinada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), na primeira condenação dele na segunda instância pela Lava Jato.

A denúncia

Conforme o Ministério Público Federal (MPF), o ex-presidente Lula recebeu propina do Grupo Schain, de José Carlos Bumlai, da OAS a da Odebrecht por meio da reforma e decoração no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), que frequentava com a família. Outras 12 pessoas foram denunciadas no processo.

A acusação trata do pagamento de propina de pelo menos R$ 128 milhões pela Odebrecht e de outros R$ 27 milhões por parte da OAS.

Para os procuradores, parte desse dinheiro foi usado para adequar o sítio às necessidades de Lula. Segundo a denúncia, as melhorias na propriedade totalizaram R$ 1,02 milhão.

O MPF afirma que a Odebrecht e a OAS custearam R$ 850 mil em reformas na propriedade. Já Bumlai fez o repasse de propina ao ex-presidente no valor de R$ 150 mil, ainda conforme o MPF.

Segundo o MPF, Lula ajudou as empreiteiras ao manter nos cargos os ex-executivos da Petrobras Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, que comandaram boa parte dos esquemas fraudulentos entre empreiteiras e a estatal, descobertos pela Lava Jato.

Outra condenação

O ex-presidente já havia sido condenado a nove anos e seis meses de prisão, na primeira instância da Lava Jato, pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, em julho de 2018, no processo referente ao triplex de Guarujá (SP).

Em 24 de janeiro, por unanimidade, a 8ª Turma do TRF4 manteve a condenação e aumentou a pena de prisão do ex-presidente de 9 para 12 anos e 1 mês. Ele recorreu e, com todos os recursos esgotados, começou a cumprir a pena em abril de 2018.

Desde então, o petista está preso uma sala especial na PF, na capital paranaense.

Do G1

Juíza endurece prisão de Lula e reduz visitas de Haddad e de religiosos

Juíza endurece prisão de Lula e reduz visitas de Haddad e de religiosos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não pode mais receber visitas de Fernando Haddad – seu substituto na disputa ao pleito de 2018 – em qualquer dia da semana, nem mais receber visitas de lideres religiosos toda tarde de segunda-feira, em sua cela especial na sede da Polícia Federal, em Curitiba. Em decisão desta sexta-feira, 25, a juíza federal Carolina Lebbos Moura endureceu as condições de Lula no cárcere. O petista está preso desde 7 de abril de 2018, no berço da Operação Lava Jato, condenado a 12 anos e um mês de prisão.

O documento afirma que “claramente não se vislumbram indicativos da necessidade e utilidade na defesa dos interesses do executado na condição de pré-candidato. Como visto, a sua candidatura foi substituída pelo próprio partido. As eleições, ademais, já se findaram, não tendo a defesa comprovado nos autos a existência de processo ou qualquer medida concreta impugnativa que efetivamente conte com a atuação do procurador em questão”.

Responsável pela execução da pena de Lula, a juíza substituto da 12.ª Vara Federal, acolheu parecer do Ministério Público Federal (MPF) e caçou os dois “benefícios” que o petista gozava na prisão. Ela cancelou o direito especial para que Haddad fosse nomeado como defensor jurídico do ex-presidente – o ex-prefeito de São Paulo é bacharel em Direito – e ainda determinou que as visitas todas as segundas-feiras fossem suspensas. Agora, o petista terá direito a um visita religiosa por mês, como os demais encarcerados que estão na PF.

A juíza registra que a “procuração outorgada a Fernando Haddad” data de 3 de julho de 2018 e confere poderes “amplos para atuação em juízo ou fora dele (extensão)” do ex-prefeito de São Paulo “especialmente para a adoção das medidas necessárias para assegurar os direitos do outorgante na condição de pré-candidato à Presidência (finalidade)”.

E que a decisão desta sexta-feira “se restringe à impossibilidade” de Fernando Haddad de visitar Lula “na qualidade de procurador” – o que lhe permitia ir até a carceragem todos os dias úteis da semana. “Efetivamente se vislumbra o término da eficácia do mandato outorgado. Logo, não se pode autorizar a visitação do outorgado na condição de representante do ora apenado”, decidiu a juíza.

“Ainda que se mantivesse a eficácia do mandato – o que se cogita exclusivamente para fins argumentativos – não se identificou qual seria a necessidade e utilidade jurídicas de contato direto e constante de Fernando Haddad com o apenado.”

A magistrada voltou a destacar que “as prerrogativas da advocacia, que se destinam à efetiva proteção do cidadão, não podem nem devem ser invocadas e/ou utilizadas em abuso de direito, com o propósito de burlar as regras e controles da unidade prisional”.

(Com Estadão Conteúdo)