A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

O prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), optou por fazer sua convenção ontem (16), exatamente no último dia do calendário estipulado pela Justiça Eleitoral. A estrutura milionária criticada por ele no passado, foi exatamente a escolhida para tentar impressionar e contrariar os números que o colocam na traseira da disputa e na dianteira absoluta de rejeição popular. O cenário da campanha do tostão do ex-vendedor de picolé pregado por ele há quatro anos teve mudança radical nesse período no comando do município e o que se viu foi uma estrutura aparentemente do milhão. Que mudança não?

Cerca de 2.500 cadeiras foram dispostas no Estádio Tancredo Neves. Para ocupá-las uma força tarefa montada para cooptar contratados com familiares e ônibus da zona rural foram mobilizados para garantir o público, já que na cidade a rejeição é praticamente absoluta conforme as pesquisas de opinião pública divulgadas até aqui. Os aliados chiliquentos que cobravam o distanciamento das cadeiras nas convenções dos adversários, deram de ombros para as regras e fizeram vista grossa no evento do patrão.

A estrutura faraônica contou ainda com inúmeros seguranças, carro oficial transitando, ameaças a opositores que filmavam o ocorrido e pasmem, até uma ambulância foi disposta para ficar no local a disposição – privilégio que muitos usuários do SUS do município não tem quando precisam do serviço.

Sem popularidade o suficiente, apelou para o uso da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) e do ex-presidente presidiário Lula da Silva para ver se cola. Para o prestigiar nenhuma autoridade senão o próprio deputado estadual Rafael Leitoa (PDT) e o candidato a deputado derrotado Luis Henrique – visivelmente descontrolado durante o discurso, diga-se passagem. Apesar do apoio anunciado do governador Flávio Dino e do senador Weverton Rocha, nenhum dos dois gravaram mensagens referendando tais falas. Aliados como o presidente da Câmara Marcos Tourinho (PCdoB), a ex-secretária de Educação Williane Caldas e o advogado Walkmar Neto também não foram vistos por lá.

A programação foi exatamente uma colcha de retalhos imitando a feita pelo pré-candidato adversário e líder nas pesquisas Bruno Silva (PP), com direito a uso da bandeira da cidade e música gospel – o curioso aqui é que foi exatamente no governo petista que os evangélicos foram punidos com o sepultamento do Dia do Evangélico.

É preciso lembrar que Bruno não colocou nenhum ônibus na zona rural e nem precisou impor que os convidados fossem intimidados a trazerem outra pessoa, logo porporcionalmente não deixou nada a desejar. Da convenção adversária apenas uma coisa não pôde ser copiada: a emoção. As pessoas pareciam entediadas, destacando como os mais afoitos apenas os para choques do primeiro e segundo escalão.

Para fechar a convenção, o suspense do vice foi revelado e Américo teve que que engolir o nome  da ex-vereadora Cristiane Bacelar – que não pôde está presente em razão do falecimento de sua mãe.

No frigir dos ovos, a montanha pariu um rato. Sobre a escolha da vice que desceu na goela sem água, essa é uma outra longa história….

One thought on “A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

  1. Se até uma surda fez o sinal aprontando para o adesivo do 11, sinalizando que não votaria nele, por que ele tá dando dinheiro para votar nele, eu no digo é mais nada. Por isso que eu acredito nas crianças e nos surdos, por que eles são sinceros!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *