Rafael Leitoa e os efeitos da necessidade de caça aos votos…

Rafael Leitoa e os efeitos da necessidade de caça aos votos…

Esta semana o timonense foi surpreendido com uma postagem, no mínimo diferente, feita pela equipe do deputado Rafael Leitoa.

Em suas redes sociais, o Rafael postou imagens caminhando ao lado de pessoas do povo e, no texto, enalteceu esse gesto (como se fosse algo incrível para um deputado), escrevendo que “nosso mandato é assim: pés no chão e sempre ouvindo o povo”.

Pura balela de quem quer se mostrar próximo do cidadão. Basta dar uma rápida pesquisada nas redes do próprio deputado para constatarmos que a coisa não é assim.

Raramente há postagens dele “ouvindo o povo”, como ele diz. Na maioria das vezes, quando aparece na rua, está acompanhando alguma “autoridade”. Certamente a equipe de marketing começou a trabalhar. Afinal, as eleições estão se aproximando.

A pergunta é será o eleitor vai cair nessa conversa?

Tribunal de Contas emite parecer prévio reprovação das contas do ex-prefeito Américo de Sousa

Tribunal de Contas  emite parecer prévio reprovação das contas do ex-prefeito Américo de Sousa

O Tribunal de Contas do Estado – TCE, decidiu em sessão plenária por unanimidade emitir parecer prévio pela desaprovação das contas anuais do município de Coelho Neto de responsabilidade do prefeito Américo de Sousa, referente ao exercício financeiro de 2017 – inclusive com processo em trânsito e julgado.

A decisão avalia quehouve irregularidades que revelam prejuízos nos resultados gerais da gestão orcamentária, financeira e patrimonial resultantes de falhas do prefeito no exercício das funções políticas de planejamento, organização, direção e controle de atuação governamental, além de inobservância aos prinicípios da legalidade, legimitidade e economicidade.

Diferente do que pregavam seus aliados de primeira hora, o relatório da Corte de Contas também aponta “ausência de transparência da gestão fiscal, mediante a liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas da execução orçamentária e financeira, em meios de acesso público em contraposição a a Lei Complemntar 101/2000.

Também foi detectado distorção relevante (R$ 4.570.103,14 -quatro miçlhões, quinhentos e setenta mil, cento e três reais e catorze centavos), quanto ao total aplicado na manutenção e desenvolvimento do ensino, resultante da contraposição dos valores informados no Relatório Resumido de Execução Orçamentária.

Por que será que o TCE decidiu por desaprovar as contas do “governo mais correto” de toda nossa história?

Após denúncia anônima, Tribunal manda suspender mais uma licitação da Prefeitura de Coelho Neto

Após denúncia anônima, Tribunal manda suspender mais uma licitação da Prefeitura de Coelho Neto

O plenário do Tribunal de Contas do Estado – TCE, apreciou mais um processo de denúncia contra licitações da Prefeitura de Coelho Neto, feitas principalmente para coibir abusos no ano da eleição.

Trata-se de uma denúncia anônima recepcionada pela Ouvidoria contra o prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa dos Santos e o pregoeiro Mauricio Rocha das Chagas relativa a irregularidades no Pregão Eletrônico nº16/20, tendo por objeto a contratação de empresa para o fornecimento de móveis, eletrodomésticos e equipamentos para atender a necessidade do Município de Coelho Neto no valor de R$ 5.798.091,00 (cinco milhões, setecentos e noventa e oito mil e noventa e um reais).

Na decisão, os conselheiros do TCE decidiram por unanimidade em Sessão Plenária acolher parecer do Ministério Público de Contas decidindo por conhecer a denúncia por preencher os requisitos de admissibilidade e deferir a medida cautelar.

Na decisão do Parecer da Corte de Contas foi determinado ao prefeito Américo de Sousa que realize a suspensão do Pregão Eletrônico na fase que se encontre, em função da ausência do Termo de Referência de informações relativas ao quantitativo dos itens a serem adquiridos por cada setor interessado, o que prejudica a adequada caracterização do objeto da licitação.

Também foi determinado ao prefeito que se abstenha de realizar quaisquer medidas administrativas decorrentes desta licitação inclusive firmar contratos e efetuar pagamentos que sejam incompatíveis com a cautelar deferida pela Corte de Contas até que o Tribunal decida sobre o mérito da questão suscitada.

Confira a integra da decisão:

Uma semana “de cão” para Américo esquecer…

Uma semana “de cão” para Américo esquecer…

O prefeito Américo de Sousa (PT), tem todos os motivos para dizer que viveu dias de cão na última semana colhendo apenas aquilo que plantou, ou melhor que deixou de plantar. Comprovadamente desgastado, rejeitado perante a opinião pública e com o governo mal avaliado em todas as pesquisas divulgadas até aqui, o prefeito colhe os dissabores da sua falta de condução e traquejo político amealhado durante seus quase quatro anos de mandato.

Ao invés de centrar fogo na divulgação de suas ações eleitoreiras realizadas de última hora, o que se ver são alguns servidores comissionados do governo passando o dia inteiro atacando seu principal adversário Bruno Silva (PP), nas redes sociais – líder absoluto em todas as pesquisas . No frigir dos ovos, os ataques não tem surtido efeito algum e o prefeito começa a cair a ficha que a coisa saiu do seu controle.

Américo começou a semana tentando se recuperar do sucesso da maior caminhada realizada exatamente por Bruno Silva ainda no sábado (17).  O evento gerou grande repercussão não apenas nas redes sociais da cidade, como em blogs do Estado com a presença do vice-presidente da Assembleia deputaldo Glabert Cutrim e do vice-presidente da Câmara dos Deputados André Fufuca.

No domingo (18), teve que admitir a veracidade da matéria dada em primeira mão por esse blog, ao confirmar a troca da sua companheira de chapa tirando Cristiane Bacelar e colocando em seu lugar a também ex-secretária de Saúde Ravanne Bastos.

Walkmar Neto: homem de confiança do governo decidiu deixar o governo

No decorrer da semana, Américo também viu seu grupo definhar novamente com o seu então homem de confiança Walkmar Neto, anunciando saída do governo para declarar apoio a Bruno Silva. Também teve que engolir o parecer do Ministério Público Eleitoral divulgado em primeira mão por esse blog comprovando irregularidades no processo de substituição de sua vice e exigindo providências.

Williane Caldas e o marido Maxuell também optaram por Bruno Silva

Américo também perdeu de sua base o candidato a vereador Ezequias do Esporte (PCdoB), sua ex-secretária de Educação Williane Caldas com o marido Maxuell Leonardo, a candidata a vereadora Rosângela do Bairro Sarney (PDT) e por último o presidente da Câmara Marcos Tourinho (PCdoB), todas de imediata repercussão nas redes sociais.

Presidente da Câmara Marcos Tourinho também deixou o governo

Há quase 30 dias da eleição, o prefeito de Coelho Neto terá que correr contra o tempo para tentar conter seu grupo político que respira agonizante para tentar minimizar o estrago da repercussão imediata de suas últimas e sucessivas perdas.

Uma semana para ele esquecer…

Tá brabo! Parecer do MPE detecta irregularidades no processo de substituição de Ravanne Bastos como vice de Américo

Tá brabo! Parecer do MPE detecta irregularidades no processo de substituição de Ravanne Bastos como vice de Américo

Ao que parecer a equipe do prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), segue pagando mico e cometendo barbeiragens por não observância da Lei. Não custa lembrar que foi por erro deles próprios – e não por perseguição contra mulher como tentaram fazer parecer para a opinião pública, que uma série de irregularidades no Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários – DRAP da então candidata a vice-prefeita Cristiane Bacelar obteve parecer pelo indeferimento de seu registro de candidatura.

Com receio da questão virar bola de neve e lhe criar problemas futuros, o prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa se apressou para fazer mudanças e indicou a ex-secretária de Saúde Ravanne Bastos como substituta.

Ocorre que na análise do processo ocorrida ontem (21), o Ministério Público Eleitoral verificou que houve flagrante descumprimento da Resolução 23.609/2020 do Tribunal Superior Eleitoral. Em tese a a decisão da escolha da substituta deveria ter sido feita sem respeitar o quorum de votação, sendo colhido os votos apenas dos presidentes de cada partido político coligado que ainda compõe a coligação, mas que não compunham os seus órgãos executivos de direção.

Ao final do parecer, a Promotora Eleitoral é categórica na sua decisão. “Ademais, desde logo, este Órgão Ministerial Eleitoral manifesta-se pelo indeferimento do pedido em tela, caso a Coligação, devidamente intimada, permaneça inerte”.

Enquanto o prefeito utiliza suas redes sociais para atacar seu principal adversário, deveria gastar tempo observando o cumprimento daquilo que é sua obrigação.

Segue a integra do parecer do MP Eleitoral:

Rebeldia: Vereadores da base aliada ignoram mais um evento de Américo

Rebeldia: Vereadores da base aliada ignoram mais um evento de Américo

O prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), não consegue mais esconder que atrás do sorriso amarelo enfrenta a rebeldia da base aliada que até agora decidiu ignorar solenemente seus eventos políticos-partidários.

Mesmo com o contato telefônico disparado para todos os aliados, os vereadores já haviam ignorado na semana passada a mobilização feita para receber a candidata a vice Cristiane Bacelar (Solidariedade).

Na noite do último domingo (27), quando inaugurou um dos comitês partidários como primeiro ato de campanha, Américo também foi ignorado pela maioria da base aliada – incluindo a própria liderança do governo. Dos 07 vereadores que integram a sustentação ao governo na Câmara, apenas Osmar Aguiar, Wilson Vaz e Luiz Ramos se fizeram presente.

Sem se envolver na articulação política de forma direta (coisa que nunca foi seu forte), Américo indicou dois interlocutores mais próximos que na prática não tem conseguido avançar no diálogo com os membros insatisfeitos do governo – gerando inclusive perdas como a do ex-secretário de Esportes Eduardo Penha como o caso mais recente.

A própria Cristiane Bacelar já teria sinalizado desejo de entrar no circuito para tentar contornar a situação, mas já teria sido desaconselhada inclusive por próprios parlamentares para evitar dissabores e um aumento no clima de animosidade.

A tentativa do governo de mostrar unidade já não cola e a insatisfação da própria base aliada é o reflexo dos inúmeros erros do governo.

Que só se avolumam a cada dia…

Base aliada do prefeito Américo ignora recepção a Cristiane Bacelar

Base aliada do prefeito Américo ignora recepção a Cristiane Bacelar

Apesar do clima de festa criado para recepcionar a candidata a vice-prefeita Cristiane Bacelar ontem (23), no seu regresso a Coelho Neto, o prefeito Américo de Sousa (PT), se mostrou inquieto e incomodado pela ausência da base aliada que daria musculatura política ao encontro.

Nos últimos dias, o petista aconselhado pelo candidato a deputado estadual derrotado Luis Henrique tem feito um esforço para vender a imagem de grupo unido, mas nos bastidores a coisa não é bem assim e o fato não deixou de ser observado pelos próprios aliados presentes no evento.

Dos 07 vereadores que compõe a base aliada do governo, apenas Osmar Aguiar (PT), participou do ato, além de Wilson Vaz (PCdoB), que teria chegado ao final, já na hora dos comes e bebes.

Como o próprio Américo fez questão de admitir, a vaga de vice seria do PCdoB e a imposição do nome de alguém do Solidariedade não teria deixado alguns dos aliados nada satisfeitos.

O certo é que sem o aparente controle da própria base para prestigiar um evento que o grupo considerava tão importante, não deixa de ser um sinal claro de que a coisa não anda tão bem no ninho petista.

O que deverá ficar ainda mais evidente nos próximos dias.

É aguardar e conferir!

 

A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

A convenção bufônica do PT em Coelho Neto

O prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), optou por fazer sua convenção ontem (16), exatamente no último dia do calendário estipulado pela Justiça Eleitoral. A estrutura milionária criticada por ele no passado, foi exatamente a escolhida para tentar impressionar e contrariar os números que o colocam na traseira da disputa e na dianteira absoluta de rejeição popular. O cenário da campanha do tostão do ex-vendedor de picolé pregado por ele há quatro anos teve mudança radical nesse período no comando do município e o que se viu foi uma estrutura aparentemente do milhão. Que mudança não?

Cerca de 2.500 cadeiras foram dispostas no Estádio Tancredo Neves. Para ocupá-las uma força tarefa montada para cooptar contratados com familiares e ônibus da zona rural foram mobilizados para garantir o público, já que na cidade a rejeição é praticamente absoluta conforme as pesquisas de opinião pública divulgadas até aqui. Os aliados chiliquentos que cobravam o distanciamento das cadeiras nas convenções dos adversários, deram de ombros para as regras e fizeram vista grossa no evento do patrão.

A estrutura faraônica contou ainda com inúmeros seguranças, carro oficial transitando, ameaças a opositores que filmavam o ocorrido e pasmem, até uma ambulância foi disposta para ficar no local a disposição – privilégio que muitos usuários do SUS do município não tem quando precisam do serviço.

Sem popularidade o suficiente, apelou para o uso da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) e do ex-presidente presidiário Lula da Silva para ver se cola. Para o prestigiar nenhuma autoridade senão o próprio deputado estadual Rafael Leitoa (PDT) e o candidato a deputado derrotado Luis Henrique – visivelmente descontrolado durante o discurso, diga-se passagem. Apesar do apoio anunciado do governador Flávio Dino e do senador Weverton Rocha, nenhum dos dois gravaram mensagens referendando tais falas. Aliados como o presidente da Câmara Marcos Tourinho (PCdoB), a ex-secretária de Educação Williane Caldas e o advogado Walkmar Neto também não foram vistos por lá.

A programação foi exatamente uma colcha de retalhos imitando a feita pelo pré-candidato adversário e líder nas pesquisas Bruno Silva (PP), com direito a uso da bandeira da cidade e música gospel – o curioso aqui é que foi exatamente no governo petista que os evangélicos foram punidos com o sepultamento do Dia do Evangélico.

É preciso lembrar que Bruno não colocou nenhum ônibus na zona rural e nem precisou impor que os convidados fossem intimidados a trazerem outra pessoa, logo porporcionalmente não deixou nada a desejar. Da convenção adversária apenas uma coisa não pôde ser copiada: a emoção. As pessoas pareciam entediadas, destacando como os mais afoitos apenas os para choques do primeiro e segundo escalão.

Para fechar a convenção, o suspense do vice foi revelado e Américo teve que que engolir o nome  da ex-vereadora Cristiane Bacelar – que não pôde está presente em razão do falecimento de sua mãe.

No frigir dos ovos, a montanha pariu um rato. Sobre a escolha da vice que desceu na goela sem água, essa é uma outra longa história….

Avanço de Ravanne Bastos no seio do governo, também incomoda aliados de Américo

Ravanne Bastos: proximidade e favoritismo que incomoda

A guerra por atenção nos bastidores do governo municipal em Coelho Neto segue a todo vapor e a olho nu para quem quiser ver. Aliados reclamam da falta de atenção do prefeito Américo de Sousa (PT), com as pré-candidaturas dos partidos aliados, com favorecimento explícito de uns em detrimento de outros.

Além do ex-secretário de Agricultura Albertino Verissimo, aliados reclamam que a ex-secretária de Saúde Ravanne Bastos passou a receber atenção privilegiada do governo. É como se esta tivesse debaixo da aba do petista e avançando com toda força no seio governo para abocanhar um naco grande de apoiadores.

O espaço de Ravanne no governo sempre incomodou aliados históricos que não tiveram dele a mesma atenção. De um tímido cargo na Secretaria de Assistência Social, ela foi alçada em um curto espaço de tempo ao comando da pasta com toda pompa e circunstância da ocasião. Logo após “subiu pra cima” ao assumir a Secretaria de Saúde.

A ex-chefe de gabinete Fernanda Magalhães – sua prima, que também “subiu pra cima” ao assumir a Secretaria de Comunicação também é vista como quadro da sua cota pessoal. Toda essa visibilidade lhe dada foi tamanha, que ela foi intimada pelo próprio chefe a participar nas Eleições Municipais como pré-candidata a vereadora.

A ciumeira ocorre porque Américo não estaria disfarçando suas preferências, apoiando em demasia alguns – com Ravanne incluida na linha de frente, e os outros ficando a ver navios.

Com essa preferência escancarada, já há pré-candidatos ameaçando desistir da pré-candidatura porque estão se vendo apenas como bucha para eleger os preferidos.

Ao invés de apagar incêndio, Américo segue jogando mais lenha na fogueira e deixando aliados num verdadeiro pé de guerra…

Américo e a super proteção a Albertino…

Américo e a super proteção a Albertino…

O clima amanheceu azedo entre aliados do prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), prinicpalmente os pré-candidatos a vereadores e o motivo é apenas um: a super proteção do chefe ao ex-secretário Albertino Veríssimo.

Albertino passou a ser homem forte no governo, desde que decidiu ficar ao lado do prefeito no rompimento deste com o vice-prefeito Antônio Pires (PL) de quem este era aliado. Foi secretário de Agricultura e tempos depois alçado ao cargo de secretário de Esportes sempre visado como um dos nomes do governo cotado para disputar vaga na Câmara.

Pré-candidato a vereador, Albertino estava entre os aliados do primeiro escalão que foram obrigados a sair do cargo ainda no início do ano. Mesmo de saída, conseguiu emplacar na época a esposa na Chefia do Cerimonial do governo.

Pois bem, o Diário Oficial de ontem (14), trouxe todas as exonerações de pessoas que disputarão eleição e para surpresa dos aliados eis que surge o nome de Albertino entre os exonerados, que mesmo tendo saído da secretaria, conseguiu uma sinecura na Secretaria de Agricultura.

A revolta nos bastidores é que outros aliados que sairam não obtiveram o mesmo arranjo por parte do prefeito, deixando claro seu favoritismo pelo nome de Albertino que passou a ser figura quase onipresente nas ações do governo.

Seja em inaugurações, seja no tocante a ações que não deveriam sequer ter sua participação – pelo menos em tese, já que deixou de ser chefe, Albertino passou a ser uma espécie de sombra do prefeito, incomodando aliados históricos e que não tiveram do chefe a mesma atenção.

A descoberta de que Albertino estava nomeado é mais um desconforto no já combalido grupo do prefeito.

E mais uma fogueira acesa que ele mesmo terá que apagar…