De volta a normalidade: Governo do Estado anuncia datas para retorno de shoppings, academias, bares e restaurantes

De volta a normalidade: Governo do Estado anuncia datas para retorno de shoppings, academias, bares e restaurantes

O Governo do Maranhão anunciou por meio de portaria que a partir do dia 15 de junho voltam a funcionar lojas de rua, tais como sapatarias, lojas de roupas, presentes e congêneres;, assim como lojas situadas em shopping centers (vedadas praças de alimentação, cinemas, áreas infantis, restaurantes e a realização de eventos).

No dia 22 de junho, voltam as academias de ginástica e esportes. E no dia 29 de junho Bares e Restaurantes e Praças de alimentação em shopping centers, voltam a ser abertos.

Vale lembrar que as datas elaboradas pelo Governo do Maranhão são baseadas em previsões de acordo com as condições do novo coronavírus.

Confira o documento na íntegra

Do Blog do Diego Emir

Bolsonaro sanciona lei que garante ajuda de R$ 982 milhões ao governo Dino

Bolsonaro sanciona lei que garante ajuda de R$ 982 milhões ao governo Dino

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou hoje (28), com vetos, o projeto que prevê ajuda financeira de R$ 60 bilhões a estados e municípios. O texto foi publicado na edição desta quinta-feira do Diário Oficial da União.

Pelo texto sancionado, o governo Flávio Dino (PCdoB) terá direito a R$ 982 milhões.

Segundo dados da Agência Senado, o chamado “socorro emergencial” garantirá R$ 250 milhões para aplicação exclusiva na saúde pública, e outros R$ 732 milhões para investimentos a serem decididos pelo chefe do Executivo (saiba mais).

O mesmo levantamento aponta, ainda, que caberá aos prefeitos algo em torno de R$ 597 milhões (veja aqui a lista).

Vetos

Bolsonaro acolheu os quatro vetos sugeridos pela equipe econômica do governo. Veja quais os trechos vetados e as justificativas apresentadas pelo governo:

  • Aumento a servidores: abertura de exceção para que servidores da saúde e segurança pública pudessem ter os salários reajustados. Com o veto, não haverá reajustes para nenhuma categoria do serviço público até o final do ano que vem. Segundo o governo, a manutenção do dispositivo retiraria quase 2/3 do impacto esperado para a restrição de crescimento de despesa com o pessoal;
  • Concursos públicos: vetada suspensão dos prazos de validade de concursos públicos homologados até 20 de março.Segundo o governo, o dispositivo fere o pacto federativo e a autonomia dos entes da federação;
  • Garantias e contragarantias: trecho proibia a União de executar garantias e contragarantias em caso de inadimplência em 2020. De acordo com o governo, se a proibição permanecesse, haveria o risco de o Brasil se tornar inadimplente perante o mercado doméstico e internacional;
  • Previdência: trecho previa a suspensão das parcelas relativas aos pagamentos dos financiamentos de dívidas dos Municípios com a Previdência. Governo afirma que o parágrafo é inconstitucional, porque o prazo suspenderia o limite de 60 meses.

Com informações do Globo.com

Reinício das aulas no MA deve ser adiado mais uma vez

Reinício das aulas no MA deve ser adiado mais uma vez

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), admitiu nesta quinta-feira, 21, durante coletiva à imprensa, que deve adiar mais uma vez o reinício das aulas na rede estadual de ensino.

A retomada havia sido inicialmente marcada para o dia 1º de junho, segundo declarou o comunista no início do mês de maio. Mas, “muito provavelmente”, segundo o chefe do Executivo, será adiada novamente.

“Muito provavelmente haverá adiamento dessa data. Vamos, quase que certamente, editar um novo decreto, adianto isto por mais duas ou três semanas”, declarou, citando exemplos de países que tentaram retomar as atividades escolares, mas recuaram.

As aulas na rede pública estão suspensas desde março.

Do Blog do Gilberto Leda

Decreto com reabertura de setores do comércio no Maranhão deve sair hoje

Decreto com reabertura de setores do comércio no Maranhão deve sair hoje

O governador Flávio Dino (PCdoB) deve editar nesta quarta-feira (20) decreto com novas regras para o funcionamento de atividades comerciais e industriais no Maranhão, após o fim do lockdown, no fim de semana.

Segundo o que anunciou o comunista em entrevista à TV Mirante no início da semana, será autorizada apenas uma “abertura progressiva”, em virtude da luta contra o novo coronavírus (Covid-19). O ato, contudo, só terá validade a partir do dia 25 de maio.

“Vou editar o decreto no dia 20 (quarta-feira), com diretrizes para uma abertura progressiva, mediante protocolos que estão sendo negociados setorialmente. Vamos manter medidas de caráter geral, ou seja, haverá regras sanitárias em todo o estado. Haverá possibilidade de flexibilização por segmento econômico e por região. É o início de um processo de abertura do setor de comércio e serviços. Provavelmente no dia 25 já teremos alguns segmentos que voltarão a funcionar e a cada semana outro segmento. Poderemos ter medidas mais rígidas em algumas regiões, se notarmos uma sobrecarga no sistema hospitalar. No Brasil inteiro, no Maranhão também, temos que observar semana a semana”, disse.

É provável que, mais uma vez, haja diferenciação entre a Região Metropolitana de São Luís, na Ilha, e o continente, com regras mais brandas na primeira, em virtude da explosão de novos casos da doença no interior do Estado.

70% dos novos casos de Covid-19 no MA são registrados no interior

70% dos novos casos de Covid-19 no MA são registrados no interior

Os novos dados divulgados, dia a dia, pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmam uma tendência: o novo coronavírus já se espalhou pelo interior do Maranhão.

O boletim epidemiológico divulgado ontem (18), por exemplo, aponta que, enquanto na Ilha de São Luís foram registrados 276 novos casos, no continente, 708.

De acordo com esses dados, o interior já representa algo em torno de 70% das novas infecções por Covid-19.

Uma mudança de paradigma que precisa de resposta rápida do Estado.

Do Blog do Gilberto Leda

‘Não adiantou a bronca’: prefeito polêmico do Maranhão que defendeu isolamento lamenta 7 mortes

‘Não adiantou a bronca’: prefeito polêmico do Maranhão que defendeu isolamento lamenta 7 mortes

Do UOL – De chapéu, bermuda e bota, o prefeito de Trizidela do Vale (MA), Fred Maia (MDB), viralizou em março em um vídeo compartilhado nas redes sociais. Revoltado, ele deu bronca na população que não aderiu ao isolamento social como prevenção ao novo coronavírus. Quase dois meses depois, o político agora lamenta mais de cem casos da covid-19 na cidade e uma fila de pacientes à espera de leitos. Sete óbitos já foram registrados.

“Não adiantou [a bronca], porque ninguém quis acreditar que o vírus chegaria”, afirmou Maia, em entrevista ao UOL. No vídeo que repercutiu na internet, Maia concedia entrevista ao programa “J9”, do jornalista Coutinho Neto, na TV Ouro Vivo, retransmissora do SBT, em Trizidela do Vale, a 335 quilômetros de São Luís.

Aos gritos, o prefeito deu uma bronca na população por desobedecer a recomendação de isolamento social como estratégia para a prevenção ao novo coronavírus.

“Lá na China, sabe por que controlam? Porque lá se o ‘cabra’ não respeitar, vai para o cacete, vai para o pau. Aqui no Brasil, com a ‘sem-vergonhice’ dessas leis vagabundas, o vagabundo quer estar no meio da rua. […] Isolamento é para estar dentro de casa. Não é na calçada, não. A coisa está séria”, revoltou-se o prefeito, entre vários palavrões.

“Tem uns filhos de umas éguas que estão fazendo visita. Vai fazer visita na casa da sua mãe, p…rra. Não vai para dentro de abrigo, não. […] As coisas agora vão ser assim. No grito, na porrada e no spray de pimenta para aprender. O brasileiro quer ser diferente de todo o mundo e não quer respeitar as coisas? Está vendo nos outros países, todo o mundo respeitando? As Olimpíadas agora mesmo foram canceladas”, complementou Maia, bastante irritado.

“Eu sou meio bruto, mesmo”

O prefeito —que está seu segundo mandato— afirmou que naquele dia estava “cheio de coisas” por causa da enchente que atingia a cidade em paralelo com as ações de combate ao novo coronavírus.

O rio Mearin invadiu a cidade, causando a pior cheia desde 2009. A situação provocou o fechamento do comércio por 30 dias, e a retirada de mais de 1.700 pessoas de suas casas para abrigos. Apesar do estresse, ele garante que esse é seu jeito, mesmo.

“Eu sou meio bruto, está entendendo? Hoje em dia, quem diz a verdade é tratado como bruto, doido ou ignorante. Então, eu falo a verdade para qualquer um, pode ser para o governador, presidente ou deputado. Disse umas verdades para o governador [Flávio Dino], e ele até ficou enfezado comigo. Meu irmão, não tem conversa mole comigo, não. Falo duro mesmo, e a realidade era aquela. Estávamos em uma enchente, e o povo todo na rua, como se nada estivesse acontecendo?”

Não há leitos de UTI

Maia se diz aflito porque a população não entendeu a bronca na TV. Trizidela do Vale tem atualmente 109 casos confirmados, com sete mortes.

A preocupação externada na TV tinha relação com a própria estrutura de saúde do município. Com o avanço da covid-19 na cidade, os pacientes diagnosticados passaram a ficar em um hospital de campanha improvisado em uma escola municipal após a UBS (Unidade de Básica de Saúde) alagar com a enchente.

Além disso, a cidade mais próxima com um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) fica a mais de 100 quilômetros — trata-se de Coroatá, mas lá também não há mais vagas. Dois pacientes de Trizidela do Vale aguardavam hoje por transferência.

A previsão do prefeito é que o problema amenize a partir de segunda-feira (18), quando está marcada a abertura de um hospital com 25 leitos e três respiradores. Dois deles são alugados.

“A gente brigou para o pessoal não ir para a rua, mas não teve jeito. O hospital está lotado e não tem leito para botar o povo. Está muito difícil”, criticou Maia.

Circulação entre cidades é desafio contra a doença
Fred Maia afirma que é a favor do isolamento rígido, o “lockdown”, mas pondera que a medida seria viável somente se a cidade vizinha, Pedreira, também decretasse o fechamento total, pois é no outro município que a população de Trizidela do Vale busca atendimento bancário e faz compras em lojas de departamento.

O fluxo entre as duas cidades —separadas por uma ponte— aumentou em razão do pagamento do auxílio emergencial, segundo o prefeito.

Trizidela do Vale tem pouco mais de 5.000 famílias inscritas no CadÚnico (Cadastro Único) do Governo Federal, o que representa quase o total da população, se for considerada a média de quatro pessoas por família, conforme estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em abril, eram 3.338 beneficiários no Bolsa Família. Com a população dependente de auxílios, fica inviável controlar o fluxo entre as cidades.

“Se a gente contar os 15 dias antes do primeiro caso, vai dar certinho com o pagamento do auxílio emergencial. O isolamento só resolve agora se for de maneira universal, fechando tudo. As pessoas são teimosas demais. Fecha tudo ou não adianta”, afirma o prefeito, que, em meio à pandemia na cidade, diz tomar todos os cuidados por ser hipertenso.

“Só estou me salvando porque ando com duas máscaras, luva, tomo banho de álcool e uso azitromicina a cada 15 dias.”

Com Covid-19 se alastrando, interior sofrerá sem hospitais de 20 leitos

Com Covid-19 se alastrando, interior sofrerá sem hospitais de 20 leitos

O novo coronavírus, como era de se esperar, começa a se alastrar pelo interior do Maranhão. Dados dos últimos boletins epidemiológicos da Secretaria de Estado da Saúde (SES) não deixam dúvidas: na quarta-feira, 13, houve 138 registros da Covid-19 nos quatro municípios da Ilha de São Luís, contra 551 no continente. Um dia antes, na terça-feira, 12, os números já haviam sido parecidos: 166 novos casos em São Luís e entorno, contra 420 do interior.

Ontem (14), novo recorde: 570 casos confirmados.

E, se já fez estrago na capital – com ampla cobertura hospitalar e de leitos -, nos municípios do interior a doença deve chegar com ainda mais força.

Algo que se pode atribuir, em larga escala, à política de Saúde do governo Flávio Dino (PCdoB).

Desde que assumiu o governo, em 2015, o comunista empenhou-se em desmontar uma rede de pequenos hospitais que havia começado a ser entregue na gestão Roseana Sarney (MDB). O governo Dino preferiu não ajudar as prefeituras a bancar os pequenos hospitais de 20 leitos que a gestão anterior entregou (saiba mais aqui e aqui), e não concluiu muitos que estavam pela metade.

Eram “pouco resolutivos”, segundo afirmou em janeiro de 2016 o então secretário de Estado da Saúde (SES), Marcos Pacheco (reveja).

Em um dos casos, em Bernardo do Mearim, o Estado chegou a travar uma verdadeira batalha judicial contra o Ministério Público para não ser obrigado a repassar R$ 100 mil por mês ao hospital local (relembre).

Além disso, em meio à pandemia surgem relatos de moradores do interior com reclamações por conta de hospitais que estão prontos, mas fechados, como em Viana (veja imagem acima) e Pedreiras, por exemplo.

Na lógica do atual governo, “resolutivos” são apenas os hospitais macrorregionais – no caso de Viana e entorno, por exemplo, os moradores precisam se deslocar a Pinheiro.

Mas, com o alastramento do novo vírus pelas cidades, é de se imaginar o bem que fariam à população dezenas de hospitais de 20 leitos espalhados pelo estado.

E como será a vida de quem precisará viajar quilômetros – por estradas que o governo também não deu conta de manter em bom estado -, com problemas respiratórios graves, até chegar a um grande hospital regional de referência.

Do Blog do Gilberto Leda

MA tem quase 200 mil testes, mas só realizou 19 mil

MA tem quase 200 mil testes, mas só realizou 19 mil

Dados do governo federal apontam uma grande defasagem entre a quantidade de testes à disposição do Governo do Maranhão e aqueles efetivamente realizados na população.

De acordo com “Mapa dos insumos estratégicos”, do Ministério da Saúde, já chegaram ao estado nada menos que 51,6 mil dos testes chamados PCR, e outros 146,3 mil testes rápidos – dados levantados até a manhã de hoje (14).

São 197 mil testes.

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SES) emitido nesta quarta-feira (13), no entanto, apenas 19,1 mil testes foram realizados.

Com um detalhe: 5,9 mil foram feitos pela rede privada de saúde. Na rede pública foram aplicados apenas 13,2 mil.

Do Blog do GGilberto Leda

Governo Flávio Dino recebe mais R$ 43 milhões para combate à Covid-19

O Governo do Maranhão acaba de receber mais R$ 43 milhões para ações de combate ao novo coronavírus (Covid-19) em todo o estado.

O recurso é oriundo de emenda da bancada de parlamentares maranhenses em Brasília e reforçará o caixa estadual na pandemia.

A informação foi confirmada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) em sua conta no Twitter.

O comunista também aumentou o valor que diz gastar mensalmente após o início das ações contra o vírus: eram R$ 50 milhões, segundo ele próprio (reveja).

Agora são R$ 170 milhões…

Do Blog do Gilberto Leda

Governador Flávio Dino confirma volta progressiva do comércio para o dia 21 de maio

Governador Flávio Dino confirma volta progressiva do comércio para o dia 21 de maio

O governador Flávio Dino (PCdoB), confirmou nesta segunda-feira (11), que a partir do dia 21 de maio vai ter uma volta progressiva do comércio e do setor de serviços. No entanto, o chefe do Palácio dos Leões, lembrou que a população precisa ajudar para que essa volta possa ocorrer de fato na quinta-feira da próxima semana.

Flávio Dino ainda lembrou que irá liberar a funcionamento do comércio por etapas, ou seja, nem todos os serviços vão voltar ao mesmo tempo e ainda vão ter que obedecer protocolos que serão repassadas pela Secretaria estadual de Saúde.

Atualmente, só estão funcionando supermercados, farmácias, deliveries, assim como a indústria e o Porto.

Do Blog do Diego Emir