Levi Pontes diz que o povo foi o grande vencedor em Chapadinha

levi

O deputado Levi Pontes (PCdoB) declarou, na tarde desta segunda-feira (3), que o povo foi o grande vencedor das eleições no município de Chapadinha. Ele analisou a vitória do candidato Magno Bacelar (PV), que derrotou a prefeita Ducilene Belezinha (PRB), que disputava a reeleição.

“A vitória do Doutor Magno em Chapadinha foi a vitória do povo, a libertação do povo. Portanto será um governo que também será do povo, governado em seu nome”, afirmou o deputado.

Ele frisou que o eleitor maranhense, principalmente da região do Baixo Parnaíba, mostrou que sabe votar: “O resultado das urnas não foi fruto de dinheiro, fruto de organização de comitês de campanhas, de carreatas, dos veículos de comunicação, mas, sim, da vontade do povo, que foi exercida em pleno direito democrático. O povo foi superior a tudo e mudou o curso daquela eleição. Não aceitando calúnias, perseguições e tudo que foi inventado para tentar desestabilizar o nosso candidato a prefeito em Chapadinha.”

Para o deputado Levi Pontes, a prefeita Ducilene Belezinha foi derrotada porque “sempre se mostrou autoritária, prepotente, arrogante, com um alto espírito de vingança, de perseguição e, sobretudo, o hábito de trair os seus correligionários. Ninguém mais do que ela própria, Belezinha, derrotou a senhora Ducilene, que é o nome verdadeiro.”

Levi Pontes destacou que a prefeita de Chapadinha exerceu, durante a campanha, uma forte pressão sobre os servidores públicos, principalmente os contratados e comissionados. “Ela os colocou em pânico, obrigando, retirando deles o direito de ir e vir. Obrigando a frequentar carreatas, comícios, reuniões, pressionando, nomeando, fazendo tudo o que um bom gestor não deve fazer. Criando, portanto, um alto sentimento de rejeição. E fez com que o altruísmo desses funcionários, até mesmo com a ameaça de perder o seu emprego, mas assim mesmo eles foram às ruas e transmitiram um recado muito claro para o povo do Maranhão, a mudança da ótica daquela política de interior em que os coronéis mandavam, e em que o dinheiro falava mais alto”, ressaltou o deputado, ao encerrar seu pronunciamento.

One thought on “Levi Pontes diz que o povo foi o grande vencedor em Chapadinha

  1. MPF/MA move ação civil pública contra ex-prefeito e gestores de Chapadinha por improbidade administrativa
    (09/07/2012)Os gestores desviaram recursos federais, causando um dano de R$ 1.232.437,95 aos cofres públicos

    O Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) propôs ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Chapadinha e atual Deputado Estadual do Maranhão, Magno Augusto Bacelar Nunes, o secretário Municipal de Saúde e Saneamento de Chapadinha, Levi Pontes de Aguiar, o e os ex-presidentes da Comissão de Licitação de Chapadinha, Jorge Carvalho Miranda e Magnólia Caldas Veras, por irregularidades na aplicação de recursos repassados pelos Ministérios da Saúde e da educação.

    A fiscalização realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU) constatou a aplicação de forma indevida dos recursos federais, como autorização de pagamento de despesas não vinculadas à execução de ações e serviços de atenção básica à saúde, pagamento de obras inacabadas em escolas e dispensa indevida de licitações.

    O ex-prefeito e o secretário de Saúde do município usaram os recursos advindos do Ministério da Saúde para o pagamento de impostos e de contas de energia elétrica de unidades não pertencentes à rede de atenção básica. O dinheiro deveria ter sido aplicado na execução de ações e serviços de atenção básica à saúde do município.

    Em 2004, o Ministério da Educação repassou à prefeitura recursos para serem utilizados em ações dos programas Brasil Escolarizado, Toda Criança na Escola e Fundef, como construção de escolas e compras de merenda e material escolar. Foram constatadas irregularidades em vários processos licitatórios para aplicação destes recursos, assim como pagamentos indevidos de obras e reformas inacabas em escolas.

    Na ação, O MPF/MA requer a condenação de Magno Augusto Bacelar Nunes, Levi Pontes de Aguiar, Jorge Carvalho Miranda e Magnólia Caldas Veras, nas penas previstas na Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/82), e a devolução de R$ 1.232.437,95 ao erário.

    Assessoria de Comunicação

    Procuradoria da República no Maranhão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *