SAÚDE PÚBLICA É DEBATIDA POR DEPUTADOS DO PIAUÍ E MARANHÃO

SAÚDE PÚBLICA É DEBATIDA POR DEPUTADOS DO PIAUÍ E MARANHÃO
Atendendo requerimentos dos deputados Firmino Filho(PSDB-PI) e Luciano Leitoa(PSB-MA), as Assembleias Legislativas do Piauí e do Maranhão promoveram nesta quinta-feira(25) pela manhã uma intensa rodada de debate e negociação em torno dos recursos destinados aos sistemas de saúde dos dois Estados.

Compareceram 16 deputados do Maranhão e oito do Piauí, além da secretária estadual de saúde do Piauí, deputada Lílian Martins; o subsecretário de Saúde do Maranhão, José Márcio; o presidente da Fundação Municipal de Saúde de Teresina, Pedro Leopoldino; vereadores e secretários municipais de Saúde das cidades maranhenses vizinhas a Timon como Matões e Caxias. A prefeita de Matões, Suely Pereira(PDT), foi a única que compareceu. A Secretária de Saúde de Coelho Neto Rosângela Curado representou o Prefeito Soliney Silva.

Os debates giraram em torno da pactuação entre os dois Estados para que haja o ressarcimento para os hospitais públicos do Piauí, especialmente de Teresina, em razão do atendimento dos pacientes maranhenses.

A reunião, que aconteceu na sala da Comissão de Constituição e Justiça, foi aberta pelo presidente da Assembleia piauiense, deputado Themísotocles Filho(PMDB), que deu as boas vindas aos colegas maranhenses, desejou êxito nos debates e passou a direção dos trabalhos para o deputado Firmino Filho.

O deputado tucano disse que Maranhão e Piauí são “Estados Unidos” pelo rio Parnaíba e por relações históricas e culturais e defendeu a necesdade de celebração de uma solidariedade entre os dois estados por que suas populações não podem ser prejudicado no direito de todos à saúde. Para Firmino, Teresina não tem condições de continuar atendendo os pacientes maranhenses sem a devida compensação financeira.

Autor do requerimento que convocou a reunião da Assembleia maranhense, Luciano Leitoa(PSB), que mostrou prestígio entre os colegas ao trazer para Teresina mais de um terço dos membros da Casa, lembrou que ao fazer o convite ao deputado Firmino Filho para a reunião conjunta não estava pensando em posição política, de quem é contra ou a favor do Governo, “mas sim procurando soluções para um problema que afeta diretamente a população pobre de municípios maranhenses, que é a questão do direito de todos à saúde’.

Para Luciano, a dependência dos timonenses para com o sistema de saúde de Teresina extrapolou a questão histórica e cultural. Ele sugeriu que esta reunião não fique só na discussão mas que tenha um encaminhamento político e que, numa segunda reunião que pode acontecer em São Luís, sejam envolvidos também deputados federais e senadores dos dois Estados, além dos prefeitos e representante do Ministério da Saúde.

MUITOS DISCURSOS

O Presidente da Fundação Municipal de Saúde de Teresina, o médico Pedro Leopoldino – que já foi reitor da Universidade Federal do Piauí – informou que 85% dos pacientes de fora atendidos em Teresina são do Maranhão e pregou uma forma de atendimento civilizado, solidário e interestadual, garantindo o ressarcimento para o Estado que atender os pacientes do outro.

Em seguida falou a secretária de Saúde do Piaui, deputada Lilian Martins(PSB), afirmando que não fica só em Teresina a dependência dos municípios maranhenses que se limitam com os piauienses, ao longo do rio Parnaiba. Em Parnaíba são mais de mil maranhenses atendidos mensalmente, em Floriano são 600, Uruçui 400, dentre outros. Lilian também informou que o Governo federal criou uma nova forma de compensação, que é o Programa Geral de Contrato – PGC, que substituirá o PPI, que é o Programa Interestadual citado pelo doutor Leopoldino.

Em seguida falaram o subsecretário de Saúde do Maranhão, José Márcio, que fez um histórico das tentativas de negociação entre os dos Estados e o governo federal, reconheceu a dependência do atendimento médico não só pelas qualidades dos serviços oferecidos em Teresina, mas também por questões histórico-culturais e geográficas – um paciente de Caxias prefere vir a Teresina que a São Luis – e concluiu defendendo a realização de uma reunião ampliada, agora em São Luis, para que os dois Estados encontrem soluções conjuntas.

Também falaram os seguintes deputados: Doutor Pádua (PP-MA), presidente da Comissão de Saúde; Alexandre Almeida(PTdoB-MA); Cleide Coutinho(PSB-MA); Rubens Júnior(PCdoB-MA); Hélio Soares(PMDB-MA); e João de Deus(PT-PI); e os vereadores Tales Waquim(PMDB), Jaconias Moraes(PDT), Zé Carlos Assunção(PP), de Timon; e Capilé, de Caxias; além do secretário municipal de Saúde de Timon, advogado Raimundo Moreira Neiva Neto, todos culpando o governo do Maranhão.

PRESENTES

Maranhão – Deputados Luciano Leitoa, Marcelo Tavares e Cleide Coutinho, do PSB; Valéia Macedo(PDT), Antônio Pereira(PMDB); Vianey Brungel, Gardênia Gonçalves(PSDB), Carlinhos Florêncio, Alexandre Almeida(PTdoB), Rubens Júnior (PCdoB), Hélio Soares(PMDB), Edilásio Júnior(PV), André Fufuca, Doutor Pádua (PP),dentre outros.

Piaui – Deputados Firmino Filho(PSDB), Themístocles Filho(PMDB), João de Deus(PT),Margarete Coelho (PP), Flora isabel(PT), Rejane Dias(PT) e Kléber Eulálio(PMDB).

Timon – Vereadores Tales Waquim, presidente da Câmara, Zé Carlos Assunção, Kennedy Gedseon, Jaconias Morais, Wuilma Resende, Chagas Cigarreiro, Tuá e Biu. (Do Blog do Elias Lacerda)



COMENTÁRIO DO BLOG – Fora as bobagens que foram ditas por vereadores e deputados que puxavam brasa para sua sardinha e demonstravam a todo instante não conhecer buiufas de saúde, a reunião foi apenas um blá-blá sem fim. Da mesma forma que tinha deputado falando bobagem pelos cotovelos, teve deputados que entraram mudos e saíram calados, não dando qualquer contribuição para o evento. Enquanto o Secretário de Saúde Ricardo Murad, que realmente tem poder de fogo e é a parte interessada no assunto se ausentar da discussão, ficará impossível o Maranhão dizer a que veio e assumir suas responsabilidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *