Metido a coronel, secretário de Meio Ambiente de Coelho Neto volta a atacar…

Metido a coronel, secretário de Meio Ambiente de Coelho Neto volta a atacar…

Conhecido antigo da população pelas operações truculentas que comanda desde que assumiu a Secretaria de Meio Ambiente de Coelho Neto, Gabriel Delano voltou a protagonizar nesta segunda (29), mais uma espetáculo dos horrores que só serviram para reforçar mais uma vez seu despreparo para o cargo que ocupa.

Odiento e seguindo à risca as ordens do prefeito Américo de Sousa – PT (que mais uma vez deu uma de João sem braço e não deu um pio sobre o ocorrido), o secretário quis usar da força bruta para fechar a Rádio Meio Norte FM baseado num papel assinado por uma de suas funcionárias. Isso mesmo, numa atitude de clara perseguição política, Delano cumpriu as ordens do governo para tentar lacrar “na marra” pela segunda vez a rádio que tece críticas ao prefeito e ao governo municipal.

Américo e seu projeto de “capitão do mato”, só esqueceram que os tempos são outros, que ninguém vai aceitar que eles tentem “no grito” amordaçar quem quer que seja, usar o aparato policial para tentar intimidar, querer com isso invadir a propriedade alheia e achar que vai ficar por isso mesmo. Além da invasão na rádio, o “todo poderoso” ainda mandou desligar o fornecimento de energia.

A patacoada é mais um espetáculo triste do governo de um prefeito que passou 20 anos falando de tudo e de todos, mas que hoje se acha no direito de calar quem não reza na sua cartilha, nem que para isso seja preciso usar o aparato da máquina para conseguir seu intento.

O vereador Rafael Cruz (MDB), que é acadêmico de Direito estava lá e reagiu aos abusos do secretário tirano. Não aceitou suas imposições e barrou que o lacre na rádio fosse colocado sem que o secretário apresentasse qualquer decisão judicial.

O prefeito de Coelho Neto através de seu auxiliar deseja ressuscitar as épocas obscuras do coronelismo, onde imperava a força bruta, o grito, o cabresto e o chicote.

Felizmente não há mais espaço.

Nem para o coronelzão e muito menos para o projeto de “capitão do mato”….

Deixe uma resposta