Coluna De bem com a Língua Portuguesa: Como sofre esta nossa Língua!

 *Por Professor Toinho Araújo

Um dia desses, numa das aulas que ministro em um curso chamado de “Preparatório para Concursos”, eu disse aos meus alunos que, do ponto de vista da Norma Culta e Padrão da Língua Portuguesa, o correto é “Amo-te”, e não “Te amo”, pois nunca podemos começar orações com Pronomes Átonos, a exemplo do “Te”, “Se”, “Me”, “Lhe”, entre outros.

Um dos meus alunos mais surpresos com esse exemplo disse-me que isso era Português de Camões ou de Machado de Assis. Educadamente, como deve ser um professor, principalmente de Língua Portuguesa, respondi ao meu ilustre aprendiz que não existe Português de determinado escritor, poeta ou intelectual, mas sim, o recomendado pelas normas que regem a nossa Língua.

Tenho andado preocupado com o nível de domínio dos Fundamentos Básicos da Língua Portuguesa apresentado atualmente, principalmente nas redes sociais, o que retrata uma realidade em que teremos de escolher entre os menos ruins, que, por sua vez, tornar-se-ão profissionais mais ou menos em todas as áreas.

Resolvi, hoje, neste primeiro encontro, em vez de deixar apenas dicas e exemplos como foi proposto, dar uma miniaula gratuitamente. Depois, cobrarei a conta, que é não ver mais tanta gente escrevendo e falando errado. Nem vou enveredar pelos erros mais comuns, pois eu precisaria de umas dez laudas (páginas) para escrever este texto e, certamente, pouca gente leria até o final.

A nossa aula vai ser acerca de Tautologia e Pleonasmo, que são erros por repetição de sentido, redundâncias, a exemplo de “subir pra cima” e “entrar pra dentro”, intencionais ou não, que cometemos diariamente. Vamos a eles:

1 – Estou com uma dor de cólica. (Cólica já é uma dor. Ou se diz cólica ou dor, viu, meninas?!).

2 – Sua ideia era o elo de ligação que faltava. (Se é elo, é de ligação. Senão, não é elo, é argola. Elo sempre liga uma coisa à outra).

3 – Estou fazendo o acabamento final da reforma da minha casa. (Todo acabamento é final, pois não existe acabamento semifinal, por exemplo).

4 – Tenho certeza absoluta de que vocês estão aprendendo. (Ainda não existe certeza duvidosa, toda certeza é mesmo absoluta).

5 – A minha casa tem várias goteiras no teto. (Toda goteira é no teto. Na parede escorre, e no chão é poça).

6 – Divida a laranja em duas metades iguais. (Se são metades, são iguais).

7 – Você não tem outra alternativa a não ser estudar. (Se é alternativa, é outra. Se Não é outra, é a mesma. Se é a mesma, não é alternativa).

8 – Você precisa comparecer pessoalmente à entrevista de emprego. (Não se pode comparecer de outra forma que não seja pessoalmente. Ninguém comparece por e-mail, por exemplo).

9 – Não consigo mais conviver junto com você. (Conviver já dá ideia de “junto com”).

10 – Todos foram unânimes em querer sair mais cedo. (A unanimidade só acontece com todos).

11 – Estamos sem dinheiro, é preciso encarar de frente esse problema. (Encarar é de frente. Ninguém consegue encarar alguém de lados. Tampouco de costas; se pudesse, talvez fosse “embundar”).

12 – Uma multidão de pessoas sairá nos blocos de carnaval. (Multidão é mesmo de pessoas, não existe multidão de vacas, por exemplo).

13 – É fato real que estudar Língua Portuguesa é importante. (Todo fato é uma realidade, não existe, ainda, um fato mentiroso).

14 – Trouxe uma surpresa inesperada para vocês. (Toda surpresa é inesperada. Se é esperada, deixa de ser surpresa).

15 – Venha quando amanhecer o dia. (Não existe amanhecer da tarde ou da noite, todo amanhecer é mesmo do dia).

16 – Vou gritar alto e dizer que a amo. (Ninguém consegue gritar baixo, grito é um aumento do som).

17 – O Vasco ser derrotado é uma rara exceção. (Algo que é raro também é uma exceção. Usa-se tão-somente um dos dois).

Também não digam “Nasceu, é um menino-homem!” nem “Comi uma comida”. Agora, chega, né?! Já estou ficando chato. Espero que tenham gostado da miniaula.

* Antônio Ferreira de Araújo (Toinho Araújo), é Teólogo, Pedagogo, Letrólogo, Especialista em Docência Superior e Mestre em Ciências da Educação.

One thought on “Coluna De bem com a Língua Portuguesa: Como sofre esta nossa Língua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *