Após limitação da atividade do comércio, casos confirmados de coronavírus aumentam 220,3% em Coelho Neto; Lista de espera para exames saltam de 0 para 320

Com decreto, aumento do fluxo de pessoas nas ruas é visível

Na última terça (09), completou-se exatamente duas semanas de vigência do Decreto Municipal 477/2020 expedido pelo prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), limitando a atuação do comércio em decorrência do coronavírus. A idéia do governo municipal era diminuir o fluxo de pessoas e consequentemente garantir uma queda no número de casos confirmado na cidade.

Passados 14 dias, o balanço que se faz é que o casos aumentaram saltando de 202 para 647 confirmados, contabilizando um aumento de 220,3%. Os ativos que no primeiro dia da nova medida eram apenas 132 saltaram para 434 representando um crescimento de 228,7%. O número de recuperados também teve aumento expressivo ampliando de 67 para 204 casos, ou seja 204,5%. Mesmo estabilizado nos últimos dias, o número de óbitos saltou de 03 para 09, representando uma ampliação de 200%.

O caso mais alarmante nos últimos dias, no entanto, diz respeito ao aumento na lista de pacientes aguardando a testagem: no início do decreto eram 0 e esse número saltou para 329. Esse fator mostra outra deficiência do governo, que antes fazia testagem a conta gotas, mas os casos se avolumaram de tal forma que a Secretaria de Saúde precisou recorrer a mutirão para minimizar a quantidade de pessoas na lista de espera.

A medida antipatizada pela população serviu não apenas para aumentar o fluxo de pessoas nas ruas como abriu uma fissura entre o governo e a classe de empresários, gerando constrangimentos e reclamações das mais diversas.

Como nesta quarta (10), expira o famigerado decreto, há uma grande expectativa em torno da nova tomada de decisões: a dúvida é se haverá a retomada gradual ou prorrogação do decreto, haja visto que de um lado o prefeito se recusou receber os empresários para abrir diálogo e do outro lado o decreto não surtiu impacto positivo algum na diminuição dos casos, ao contrário, aumentaram substancialmente.

Vale aguardar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *