A CLASSE POLÍTICA E O RISCO DA VIDA NA ESTRADA…

A CLASSE POLÍTICA E O RISCO DA VIDA NA ESTRADA…
Em menos de dois meses, três representantes da classe política maranhense envolveram-se em acidentes graves nas estradas do Maranhão – um deles morreu, ontem: o deputado federal Luciano Moreira (PMDB).

Os outros dois – senador Edison Lobão Filho (PMDB) e o ex-prefeito e ex-senador Magno Bacelar (PV) – conseguiram escapar com vida. Os três acidentes revelam traços de uma soma de fatores perigosos.

A correria da vida pública para atender a inúmeros compromissos em longínquas localidades, somada ao cansaço natural de quem dirige por horas a fio, e à incompreensível mania dos políticos de viajar sem cinto de segurança, leva quase sempre a tragédias nas estradas.

Em pelo menos um dos casos já está confirmada a ausência do cinto. Luciano Moreira foi o único dos três ocupantes de sua caminhonete que sacou do veículo na estrada de Morros, ontem à noite.

Um dos carros envolvidos no acidente de Edinho Lobão

Cruzar as estradas maranhenses de carro é uma rotina para políticos. Rotina estafante e perigosa. O deputado federal e atual secretário de Cidades, Pedro Fernandes (PTB), certa vez comentou ao titular do blog o cansaço de ter que passar a semana em Brasília para, nos fins de semana, se desdobrar em compromissos nas bases políticas.

O próprio Luciano Moreira só não ficou ontem em Barrerinhas por que precisava voltar a São Luís, já que tinha compromisso hoje cedo na cidade de Viana, no outro lado do estado.

Geralmente são muitas localidades a serem visitadas em um único final de semana. Em época de eleições, a correria triplica de tamanho.

Ontem, o deputado César Pires (DEM) informava, em conversa com jornalistas, que participaria de casamentos e formaturas no interior do estado – viagens feitas de carro – neste sábado e domingo.

Neste estilo de vida, as estradas maranhenses já levaram muitos prefeitos, deputados e vereadores; centenas de vidas perdidas entre ferragens de automóveis.

Numa rotina que, infelizmente, não tem como parar…

Do Blog do Marco d´Eça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *