UM TIRO NO PÉ: A VERDADE QUE O PORTAL COELHO NETO NÃO CONTOU

UM TIRO NO PÉ: A VERDADE QUE O PORTAL COELHO NETO NÃO CONTOU
Em primeira mão às 14h:34
No afã de querer atingir o atual governo, o Portal Coelho Neto (foto) em postagem veiculada no último dia 06 (sexta-feira), sob o título SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE COELHO NETO-MA NA MIRA DA AUDITORIA DO SUS, foi apresentado cópia de uma Portaria do Ministério Público Federal através do Diário Oficial da União citando o município. Coincidência ou não, a matéria foi veiculada após a repercussão positiva da entrevista da Secretária de Saúde Dra. Rosângela Curado dada no mesmo dia sobre o balanço da pasta no ano de 2011 e as perspectivas da Secretaria no ano de 2012.
Fazendo um jornalismo tendencioso e descompromissado, o Portal Coelho Neto não procurou a versão da Secretaria de Saúde e sequer teve acesso ao Relatório Preliminar da Auditoria, prova disso é a tendência de focar a postagem apenas para o atual governo.
Segundo a Secretária de Saúde Dra. Rosângela Curado, o documento citado na matéria trata do Relatório de Auditoria nº. 10793 do Departamento Nacional de Auditoria do SUS, que versa sobre possíveis irregularidades na aplicação de recursos da saúde do município de Coelho Neto – MA.
De acordo com dados do Relatório que o blog teve acesso com exclusividade, a Auditoria realizada na Secretaria Municipal de Coelho Neto foi feita para atender demanda proveniente do Ministério Público Federal – Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, através do Procedimento Administrativo nº. 1.19.000.0007152008-81 – PRDC, tendo em vista supostas irregularidades na utilização dos recursos da Média e Alta Complexidade em Municípios do Maranhão. O que o Portal não atentou é que tal Auditoria conforme acordado com a Procuradoria da República é que as ações teriam a abrangência nos exercícios 2006, 2008 e 2009, ou seja, dois anos do governo anterior e apenas o primeiro ano do atual governo.
Segundo o Relatório, cada gestão é responsável pelo seu tempo auditado, onde no governo anterior de 2006 e 2008 foi apontando obrigatoriedade na devolução de recursos aos cofres públicos no valor de R$ 8.607.289,51 (oito milhões, seiscentos e sete mil, duzentos e oitenta e nove reais e cinquenta e um centavos), embora os citados estejam em período de defesa. Já em 2009 foi identificada uma troca na execução de dois blocos de financiamento que não se permutava que para correção foi feito pelo atual governo um Termo de Ajuste Sanitário – TAS para remanejamento de recursos de um bloco de financiamento para outro.
O direito de noticiar é de todos, principalmente se a notícia estiver fundamentada e imparcial, dando espaço para os dois lados da história. Simples assim…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *