PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR…

PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR…

Depois do sucesso que se tornou a charge do Loko do $indicato, nos reportamos à postagem do blogueiro oficial do $intasp, do dia 30 de maio sobre a manifestação de servidores do município. Sobre a matéria destacamos alguns pontos/questionamentos que ficaram pendentes:

  • Implantar o Piso Salarial Nacional do Magistério em Coelho Neto não ocasionaria perdas aos professores haja visto que o que está regulamentado é para 40 horas e no município tudo é baseado em 20 horas?
  • Que avaliação, que elementos, que dados, que provas documentais, que estatísticas do Ministério da Saúde o $intasp utilizou para classificar a saúde do município como péssima? A reclamação foi feita baseada em dados, numa avaliação concreta ou em achismo e denuncismo barato?
  • O blogueiro que faz parte da diretoria do $intasp escreveu na sua matéria: “Governos anteriores duvidaram disso e tiveram que pagar um preço alto e no final reconheceram como justas e possíveis as reivindicações desses servidores”. Essa fala é direcionada aos ex-prefeitos Márcia e Magno Bacelar? Que preço foi esse? Quer dizer que os ex-administradores só reconheceram as “justas e possíveis” reivindicações no final?
  • Nos governos da ex-prefeita Márcia Bacelar e do ex-prefeito Magno Bacelar houveram sucessivas greves. Naquela época com Américo a frente, a entidade espraquejava os dois mandatários como perseguidores e tal. Notícias recente já dão conta de que os dois ex-mandatários poderão se juntar ao vereador petista visando as próximas eleições. O que mudou? Os ex-prefeitos foram péssimos e naquela época o $indicato estava cobrando direitos que não estavam sendo cumpridos ou os ex-prefeitos fizeram muito pela educação e o $indicato não quis reconhecer isso?
  • Em números, o que o $intasp classifica como “multidão” de servidores que estava em caminhada pelas ruas de Coelho Neto?
  • Se houve tanta gente assim, cadê as fotos da “multidão” presente da dita manifestação?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *