DEUS MI POTREJA

DEUS MI POTREJA
Nada misturada com coisa nenhuma. é assim que qualquer leitor se sente ao tentar ler uma das postagens redigidas pelo Portal Coelho Neto. Não sei quem é o redator do site, o que sei é que o dito cujo necessita urgentemente voltar à sala-de-aula. De preferência numa turma da Educação de Jovens e Adultos – EJA.
De acordo com postagem já divulgada aqui questionando o Portal sobre a intenção de atingir o atual governo em matéria que tratou da Auditoria do DENASUS, o site aponta a matéria apenas baseando-se no extrato do Diário Oficial da União e sem sequer conhecer detalhes do que foi auditado. Ora, como vou falar de um Relatório sem tomar conhecimento do teor e dos pontos levantados pelos Auditores? Em outras palavras é falar do que não sabe…
Fazendo um jornalismo digno de um pasquim de quinta categoria, o Portal inicia a matéria questionando nosso compromisso com a população… Ora me comprem um bode e uma cabra! Responder ao Portal é mais difícil do que qualquer coisa, pois desde o último domingo (08) tentamos entender o texto que foi redigido. Letra maiúscula no meio de minúscula, erro de grafia, de ortografia e de concordância transformam o texto numa verdadeira salada podre digna de fazer o Aurélio se revirar no túmulo. Um Portal de noticias que escreve: “só pensam no dinheiro que vai Pará” (acho que ele estava se referindo ao Estado do Pará) não tem crédito pra apontar o dedo na cara de quem quer que seja e muito menos saber o significado do jornalismo com responsabilidade.
Ao citar meus “poucos acessos”, o dito cujo esqueceu que fomos nós os primeiros a entrar na blogosfera e a noticiar a cidade, que as visitas de um site nunca poderão ser comparadas com a de um blog, que não cultivamos o hábito de todo dia colar a matéria de outros sites e que aqui os leitores não são bombardeados com o que há de pior na escrita.
Enfim, aqui estamos muito satisfeitos com nossas 30 mil visitas/mês e ao contrário do Portal, aqui preferimos a qualidade ao invés da quantidade. Em resumo: se o Portal não consegue escrever corretamente palavras básicas da nossa velha Língua Portuguesa, imagine entender o Relatório complexo de uma Auditoria. Tá brabo o negócio lá pelas bandas do pasquim balaio…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *