Morre aos 69 anos o jornalista Fernando Vanucci

Morre aos 69 anos o jornalista Fernando Vanucci

Globo.com

Morreu nesta terça-feira em São Paulo, aos 69 anos, o jornalista Fernando Vanucci. Locutor, apresentador e comentarista esportivo, Vanucci deixa quatro filhos. A causa da morte não foi divulgada. Velório e sepultamento devem ocorrer no Rio de Janeiro.

O jornalista passou mal pela manhã, socorrido pela empregada e levado ao Pronto Socorro Central de Barueri, na Grande São Paulo. No entanto, não resistiu.

Vanucci havia sofrido um infarto em 2019 e colocado um marca-passo. Desde então, tinha a saúde comprometida.

Fernando Vanucci trabalhou na Globo Minas entre 1973 e 1977. Em seguida, passou a trabalhar no Rio de Janeiro, apresentando diversos programas, como Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Jornal Nacional, Jornal Hoje e Fantástico.

Na passagem pela Globo, Fernando Vanucci cobriu seis Copas do Mundo: 1978, 1982, 1986, 1990, 1994 e 1998. Ainda ficou marcado pela criação do bordão “Alô, você!”.

Ele também trabalhou em TV Bandeirantes, TV Record, Rede TV e Rede Brasil de Televisão.

Jornalista consegue habeas corpus preventivo para não ser preso no Piauí

O jornalista Arimateia Azevedo, colunista do Portal AZ de Teresina, no Piauí, está munido de Habeas Corpus Preventivo para não ser preso em eventual decisão do juiz da 8a Vara Criminal de Teresina. O pedido de prisão preventiva contra Arimatéia Azevedo foi feito pelo desembargador Erivan José Lopes, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Piaui.

O desembargador ingressou na Justiça com ação por crime contra a honra, por conta de matérias jornalísticas publicadas por Arimatéia. Até já ocorreu a audiência de instrução do caso, mas vai ser refeita, remarcada para março, porque a defesa do desembargador denunciou falhas no sistema de som do tribunal. O jornalista pede perícia no sistema.

Arimatéia Azevedo e parte da mídia piauiense, publicaram notícias sobre a denúncia do promotor da cidade de Luis Correia, Galeno Aristoteles, sobre suposto envolvimento do desembargador Erivan Loes com a grilarem de terras no litoral. Galeno divulgou áudios e textos de conversas do magistrado com pessoas supostamente envolvidas no que o promotor denominou ‘organização criminosa’, entre os Manoel Barbosa, titular do cartório da cidade.

Concomitantemente à ação que move contra o jornalista Arimatéia Azevedo, o desembargador Erivan, sentindo-se incomodado com as publicações, conseguiu uma liminar junto ao juiz da 8ª Vara Criminal para proibir o jornalista de citar o seu nome. Semana passada, os advogados de Erivan pediram a prisão preventiva de Arimatéia Azevedo.

A defesa do jornalista se antecipou à decisão do juiz e ingressou com Habeas Corpus preventivo no Tribunal do PIAUÍ e conseguiu o chamado Salvo-Conduto, que impede Azevedo de ser preso.

Arimatéia Azevedo insiste que não pode ser responsabilizado criminalmente por seus textos, que somente relatam fatos públicos, e que também foram objeto de comentário em outros portais e órgãos da imprensa. Para ele, Erivan se defende procurando calar a imprensa do Piauí.

O primeiro e único profissional da imprensa piauiense a denunciar o crime organizado no Piauí, nos anos 80, que resultou na prisão do chefe da organização criminosa, o coronel PM Correia Lima e seu bando, o jornalista Arimateia Azevedo coleciona mais de uma centena de processos por denuncia supostas ilegalidades cometidas principalmente por agentes públicos.

Do Blog do Gilberto Leda

“Não cabe ouvir o jornalista em relação a quem lhe passou a informação”, diz procurador-chefe da Lava Jato

Deltan Dallagnol, procurador-chefe da força-tarefa da operação Lava Jato

 

 

Ricardo Senra
Da BBC Brasil em Washington

Em entrevista concedida à BBC Brasil na última sexta-feira, na Harvard Law School, nos Estados Unidos, Deltan Dallagnol, procurador-chefe da força-tarefa da operação Lava Jato, disse que agentes públicos não vazam informações – a brecha estaria no acesso inevitável a dados secretos por réus e seus defensores.

“É muito difícil identificar qual é o ponto (de origem do vazamento), porque se você ouvir essas pessoas, elas vão negar”, afirmou.

“E não cabe ouvir o jornalista em relação a quem lhe passou a informação porque existe, no Brasil, e deve existir, o direito ao sigilo de fonte”, afirmou, um dia antes do juiz Sérgio Moro dizer à BBC Brasil que “identificar vazamentos é quase como uma caça a fantasmas”.

Os vazamentos ganharam ainda mais destaque, quando trechos do primeiro depoimento do empreiteiro Marcelo Odebrecht a Moro foram divulgados pela imprensa ainda enquanto Odebrecht estava na sala do juiz federal.

04 anos sem Décio Sá…

181115___capa_urbano____jornalista_decio_sa-169034

Para lembrar o 4º aniversário de morte do jornalista e blogueiro, Décio Sá, neste sábado, 23 de abril, será realizada uma missa no santuário nossa senhora da conceição do bairro do Monte Castelo em São Luís, a partir das 5:30 da tarde.

Décio Sá, foi assassinado na avenida litorânea na capital maranhense no dia 23 de abril de 2012. Dos 11 indiciados, apenas dois foram condenados até agora, Jhonatan Sousa Silva, assassino confesso e o piloto de fuga do pistoleiro, Marcos Bruno.

Os outros suspeitos aguardam julgamento, alguns presos e vários em liberdade. Décio, foi assassinado porque denunciou no seu blog, um esquema pesado de agiotagem com participação de muita gente com apoio de vários prefeitos e ex-prefeitos maranhenses.

Jhonatan foi condenado a 25 anos e três meses, Marcos Bruno, cumpre pena de aproximadamente 18 anos de reclusão.

Blog do Marcial Lima