Tema da Coluna do Magno já havia sido assunto de reportagem do G1

O leitor José Diêgo alertou nesta quarta (18), ao Blog que o tema da Coluna do Magno da última segunda (16), havia sido tema de uma reportagem do Portal G1 ainda em 2011.

A crônica Guerra dos Mundos made in São Luís trata da façanha de um programa da rádio Difusora que causou alvoroço no Maranhão na década de 70.

A seguir a íntegra da matéria do G1:

guerradosmundos_manoelpereira_ilhadeedicao_versao1_300x400
Manoel Pereira dos Santos foi o diretor técnico do programa da rádio Difusora (Foto:Douglas Junior/G1)

Não é difícil entender por que a versão maranhense da ficção “A Guerra dos Mundos” provocou tanto rebuliço em São Luís no dia 30 de outubro de 1971.

A própria tradição do Estado, dono de uma mitologia própria, ajudou a espalhar o pânico. Numa terra em que histórias de gigantescas serpentes adormecidas ou damas sem cabeça que vagam de carruagem se misturam no imaginário popular,  as más notícias que vinham do rádio pareciam apenas confirmar a narrativa pessimista dos bisavós.

Além disso, o programa abusou de efeitos sonoros e ainda se apropriou da linguagem jornalística – isso, aliado ao fato de que a Difusora tinha muita credibilidade, fez com que os ouvintes tivessem certeza de que o estado estava sendo invadido por naves tripuladas por extraterrestres.

Um repórter “de verdade” da emissora, Jota Alves, participou da encenação com flashes ao vivo. Foi ele quem estava no aeroporto quando aviões comerciais avisaram a torre de comando que estavam sendo perseguidos por naves voadoras e avistou um “estranho objeto” no Campo de Perizes, na saída da ilha de São Luís.

O momento é o mais dramático da representação, pois ao relatar o incêndio do objeto enquanto entrevistava um suposto cientista, Alves sai do ar e, apesar dos inúmeros apelos do locutor no estúdio, não dá mais sinal de vida – o que foi interpretado como a sua morte.

Tudo isso ao som da vinheta que a Difusora usava normalmente quando interrompia a programação normal. “O fato aconteceu, é notícia na Difusora. A mais poderosa emissora do norte do Brasil” era o prefixo que, naquele sábado, fez São Luís tremer de pavor.

Enquanto a emissão ia se desenrolando, vários ouvintes ligaram para a Difusora com a intenção de checar a veracidade dos fatos. “A telefonista estava instruída a dizer que se tratava de uma ficção, mas as pessoas simplesmente não acreditavam”, relata Sérgio Brito, roteirista da adaptação.

Trilha sonora

Com a ajuda do sonoplasta José Ribamar Elvas Ribeiro, o Parafuso (que hoje tem 80 anos), Manoel Pereira dos Santos conseguiu dar ao programa o ritmo dramático que ele requeria. “Eu virava pro Parafuso e pedia ‘agora me traz uma música para deixar as pessoas deprimidas’ ou ‘agora vamos fazer as pessoas chorarem’, e funcionava”, recorda Pereirinha.

Guerra dos Mundos - Jornal Pequeno - 300x400 (Foto: Reprodução)
Com o título “Fim do Mundo de Bacelar”, o Jornal Pequeno criticou o programa – a rádio Difusora era propriedade de Magno Bacelar (Foto: Reprodução)

O programa já havia começado com o música-título da novela “O homem que deve morrer”, que tinha temática mística (tudo começava com uma estranha luz vinda do céu) e fazia muito sucesso.

Com o passar da encenação, e as notícias cada vez mais graves sobre a situação da Terra diante de uma iminente invasão alienígena, a trilha sonora usada por Pereirinha mudou para música clássica.

“Naquele tempo, o rádio só tocava música clássica em datas como o Dia de Finados ou se algo muito triste tivesse acontecido”, relembra o diretor técnico da versão maranhense de “A Guerra dos Mundos”.

Organizador do livro “Outubro de 1971”, que reconstitui a história do programa com base em entrevistas de seus protagonistas, o professor Francisco Gonçalves da Conceição acredita que o pânico gerado pela emissão tenha relação com a chegada do homem à Lua, dois anos antes.

“A Lua é a morada de São Jorge, e o céu, a casa de Deus. De alguma maneira as pessoas vincularam a invasão de extraterrestres como uma reação ao fato de o homem invadir o espaço divino”, afirma.

Guerra dos Mundos - Francisco Gonçalves da Conceição - 300x220 (Foto: Arquivo Pessoal)
O professor Francisco da Conceição, organizador do livro “Outubro de 1971” (Foto: Arquivo Pessoal)

A interpretação de que se tratava do fim do mundo ajuda explicar também por que não houve fuga em massa de São Luís. Apesar de a única saída terrestre estar “ocupada” por um nave espacial colocada pelo roteirista da adaptação, a cidade é uma ilha – há, portanto, diversos pequenos portos que poderiam propiciar uma fuga pelo mar.

Trancados dentro do estúdio, os protagonistas da histórica narração não tinham noção do que ocorria na cidade. Só mesmo após a chegada de uma patrulha do Exército – e a posterior lacração por três dias da rádio – é que eles tiveram noção do poder que tinham nas mãos. “É, provavelmente, o último indício do rádio como ordenador do tempo numa época em que a TV, cuja transmissão ainda não era em tempo integral, viria a se consolidar como o centro das atenções nos lares”, explica Francisco.