Relatório aponta irregularidades em aeronave que caiu e matou médicos no Maranhão

G1 Maranhão

O relatório da investigação da queda do helicóptero Robson 44 apontou que o piloto não estava habilitado, que não haviam condições meteorológicas para o voo, além de problemas em peças. A aeronave caiu em uma fazenda no dia 1º de abril de 2018 em Rosário, a 75 km da capital São Luís. Três médicos e um policial civil morreram.

De acordo com informações do G1 que teve acesso a íntegra do relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. O documento aponta que o piloto, o policial civil Alfredo Oliveira Barbosa Neto, estava com o Certificado Médico Aeronáutico vencido desde 19/01/2018. A habilitação do helicóptero também estava vencida desde junho de 2012.

As investigações também apontaram a existência de corrosão entre o núcleo e o revestimento de uma pá do rotor principal [a parte central entre as hélices, próximo do motor], o que teria causado um ‘descolamento’. Esse problema, segundo o documento, torna o voo impróprio e inseguro. O correto, segundo o relatório, seria a substituição das pás antes da decolagem.

Por fim, o relatório indicou que o parecer meteorológico no horário do voo apontava condições meteorológicas adversas próximas ao Aeródromo Internacional de São Luís, distante alguns quilômetros do local do acidente.

A rota do voo

O helicóptero modelo Robson 44, prefixo PP- WRV, decolou por volta das 18h15 do município de Lima Campos com destino a um heliponto em Paço do Lumiar para realizar um voo de transporte com um piloto e três passageiros.

Durante o voo foi realizado contato com o Controle de Aproximação de São Luís às 18h40 e estimava pouso às 19h15. Entretanto, 45 minutos após a decolagem, a aeronave caiu próximo à Vila Nambuaçú, em Rosário.

O helicóptero ficou destruído e todos os tripulantes sofreram lesões fatais. Eles foram identificados como Rodrigo Capobiango Braga, Jonas Eloi da Luz e José Kleber Luz Araújo, que eram médicos. A outra vítima foi o policial civil Alfredo Oliveira Barbosa Neto, que pilotava o helicóptero no momento do acidente. Jonas Eloi e José Kléber eram naturais do Piauí.

Deixe uma resposta