“PT NÃO PODIA USAR BANCOS PORQUE O DINHEIRO ERA ILÍCITO MESMO”, AFIRMA ADVOGADO DE DELÚBIO

“PT NÃO PODIA USAR BANCOS PORQUE O DINHEIRO ERA ILÍCITO MESMO”, AFIRMA ADVOGADO DE DELÚBIO

O advogado Arnaldo Malheiros Filho, que representa o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, um dos réus no julgamento do mensalão, admitiu que o PT fez “caixa dois” durante a campanha eleitoral de 2002. O defensor, no entanto, diz que os recursos auferidos ilegalmente pela legenda não serviram para comprar parlamentares, negando, dessa maneira, a existência do mensalão. 

“O PT não podia fazer transferência bancária porque o dinheiro era ilícito mesmo”, afirmou. “Delubio não se furta a responder ao que é responsável. Ele operou caixa dois? Operou. É ilícito? é? Ele não nega. Mas ele não corrompeu ninguém”, disse o defensor durante sustentação apresentada no STF (Supremo Tribunal Federal) nesta segunda-feira (6). 
Malheiros Filho desqualificou as provas apresentadas pela Procuradoria Geral da República contra o seu cliente e que, segundo a acusação, provam a existência do esquema. “A prova é pífia, é esgarçada, é rala”, disse.
Segundo ele, durante a campanha eleitoral de 2002, os partidos da coligação que elegeu Lula se reuniram para estabelecer como seria a divisão dos recursos da campanha.
Posteriormente, diz Malheiros Filho, Delúbio foi incumbido de captar recursos para saldar as dívidas provenientes da disputa eleitoral. “O diretório nacional do PT deliberou que iria arcar com as despesas da base aliada”, disse.
O advogado negou que o ex-tesoureiro do PT tenha buscado recursos de maneira ilegal para comprar parlamentares. “O governo conquista sua base com a partilha do poder, não é com dinheiro.”
Da UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *