PROFESSORES DO PROJOVEM URBANO SEM NADA PARA COMEMORAR

PROFESSORES DO PROJOVEM URBANO SEM NADA PARA COMEMORAR

Hoje, dia 15 de outubro é o Dia dos Professores, uma data simbólica que foi feita para reverenciar a imagem daquele profissional que perpassa por todas as outras profissões. Desde a sua concepção, a figura do Professor está marcada por lutas que com o passar dos anos, tem sido motivo de constante de reflexão.

O Programa Projovem Urbano do Governo Federal, implantado em março deste ano em diversos municípios do Maranhão, concentra uma quantidade significativa de professores, que hoje no dia 15, nada tem a comemorar. Infelizmente temos convivido nos últimos meses com a pior chaga que assola a vida de um trabalhador: o atraso de salários. Na minha concepção é inaceitável que em pleno século XXI tenhamos que conviver com esse mal desgraçado que ofende, massacra e dificulta a relação cordial que deveria haver entre empregador x empregado.

De uma hora para outra o IMAM – Instituto Maranhense de Administração Municipal, entidade executora do programa no Estado, resolveu atrasar o salário dos educadores e o que é pior sem justificativas plausíveis. Causou espanto e revolta ao mesmo tempo, o atraso dos salários que até pouco tempo atrás era pago religiosamente até o sexto dia útil como manda o contrato de trabalho. Os patrões quebraram o contrato e temos que ser tolerantes, mas e se fosse o contrário, seriamos tratados da mesma forma? São constantes os depoimentos de colegas que a todo instante se deslocam ao caixa eletrônico mais próximo para tentar receber seus honorários e quando chega lá da de cara com a conta vazia.

No programa, além de professores agimos como coordenadores, amigos, conselheiros, agentes da Caixa para resolver pagamento atrasado de aluno, enfim, uma série de demandas e regras a nós é exigida. A mobilização para a Avaliação Externa, pelo menos em Coelho Neto onde trabalho, foi um sucesso, tudo isso para cumprir com dedicação a nossa parte e a nossa obrigação esperando o mínimo de respeito do outro lado. A Bíblia diz que “todo trabalhador é digno do seu salário”, mas do que isso, é digno de receber seu salário em dia. Como justificar aos cobradores o atraso? E a alimentação, as contas, e os compromissos quem paga? E os juros, será que são retirados? Ligar para a entidade para saber quando o dinheiro vai sair? Não adianta, nunca ninguém sabe de nada, até dá para imaginar que tiveram aulas com o professor Paulo Maluf!!

Enfim hoje é o Dia dos Professores, mas os professores do Projovem Urbano do Maranhão nada tem a comemorar, ao contrário, nos resta apenas lamentar o descaso com que estamos sendo tratados e torcer para que amanhã o dia seja diferente, ou melhor, que possamos ter nossos salários nas contas para podermos honrar com os compromissos como manda o figurino.

Por Samuel Bastos
Professor de Participação do PROJOVEM URBANO
Pólo de Coelho Neto-MA

One thought on “PROFESSORES DO PROJOVEM URBANO SEM NADA PARA COMEMORAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *