No auge da campanha política, Belezinha ressuscita sua postura de perseguidora

No auge da campanha política, Belezinha ressuscita sua postura de perseguidora

A candidata a prefeita Ducilene Belezinha (PL), decidiu ressucitar no auge da campanha política o perfil de perseguidora que lhe fez ser escorraçada da Prefeitura de Chapadinha em 2016.

Na última semana, a ex-prefeita colocou seu corpo jurídico para trabalhar  numa clara tentativa de tumultuar o processo e consequentemente judicializar  a campanha para coagir a atuação daqueles que tem pensamento contrário ao seu. Ela não suporta o contraditório.

Belezinha não deveria se incomodar de ser chamada de perseguidora, afinal o seu mandato depõe contra si. Quem foi a prefeita que por exemplo, deixou de asfaltar meio metro de rua porque na via morava o então vereador Eduardo Sá, seu ferrenho adversário na Câmara?

Uma pesquisa rápida entre servidores que não militavam no seu grupo político para ter certeza dos relatos que muitos desses sofreram o pão que o diabo amassou literalmente, por não rezarem em sua cartilha e fazerem oposição ao seu governo.

Belezinha tem dificuldade de conviver com a democracia, pois para ela o que vale é apenas a claque de aliados  com acesso a sua camarilha. Age como uma coronela. A perseguição a Alexandre Pinheiro e Eduardo Braga também é um reflexo do perfil odiento da ex-gestora com dois dos principais críticos do seu governo medíocre, afinal foram eles que ajudaram a tornar público por exemplo, a farra da ex-prefeita com suas filhas recebendo na folha de pagamento.

Disso tudo até aqui nada de novo.

Muito mais do filme velho cuja personagem principal Chapadinha já conhece muito bem….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *