Mudança para pior: Pobreza aumenta na gestão de Flávio Dino

O Maranhão possui o maior número de pessoas vivendo em situação de pobreza, segundo revela a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cerca de 54,1% dos maranhenses vivem com menos de R$ 406 por mês, que é considerado o valor estipulado pela pesquisa.

Ainda segundo o IBGE, mais de 81% dos maranhenses não possui saneamento básico adequado, e a média nacional é de 35,9% da população. Além disso, 32,7% das pessoas não tem acesso à coleta direta ou indireta de lixo e para 29,2% não há abastecimento de água.

Cerca de 3% da população vive sem nenhum tipo de renda no Maranhão, quando a média nacional é de 2,4%. Além disso, 24,3% vive com renda de um quarto a meio salário e outros 27,4 % vive com renda entre meio a um salário-mínimo no estado.

O levantamento que foi realizado em 2017, mostra que a Região Nordeste é a que possui o maior percentual de pessoas nesta condição, com cerca de 14,7% da população. Atrás do Maranhão ficam os estados de Alagoas (48,9%) e Piauí (45,3%).

O estado de Santa Catarina possui o menor percentual de pobres (8,5%) de sua população está abaixo da linha da pobreza. Logo em seguida, aparecem os estados do Rio Grande do Sul (13,5%) e Distrito Federal (13,9%).

O relatório revela que em apenas um ano, o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza. Em 2016, o país tinha 52,8 milhões de pessoas o que representa (26,5%), e atualmente, 54,8 milhões vivem nestas condições, um crescimento de quase (4%).

A Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do IBGE, analisa a qualidade de vida e os níveis de bem-estar das pessoas, famílias e grupos populacionais, a efetivação dos direitos humanos e sociais, bem como o acesso a diferentes serviços, bens e oportunidades.

Do G1

3 thoughts on “Mudança para pior: Pobreza aumenta na gestão de Flávio Dino

  1. para retificar, não só o maranhão aumentou a pobreza como literalmente o brasil, é óbvio se o país vive um dilema em corrupção os políticos tradicionais
    nunca fizeram um bom trabalho só enriqueceram passando de pai para filho. R$ 10,2 bilhões por mês para eliminar a pobreza no Brasil
    O IBGE enfatizou que “a erradicação da pobreza é um dos temas centrais da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável” e que “figura há anos nos esforços analíticos e de políticas públicas no Brasil”. Diante disso, a pesquisa apontou que para o país eliminar a pobreza extrema precisaria investir, por mês, cerca de R$ 1,2 bilhão. Já com R$ 10,2 bilhões mensais seria possível erradicar toda a pobreza do país.

  2. duas coisas muito difícil de ver é uma vaca voar e um jornal ou revista mostrando o maranhão nas melhores posições na economia ou no IDH saúde
    desde 1950 só infelizmente ´só falam em pobreza

  3. engraçado o brasil já passou por bons momento época de vaca gorda vendo a historia do maranhão com o pior Índice em todos segmentos, saúde
    pobreza, IDH,antifanatismo. nesses tempos de vaca gorda, ainda se dizia que os governantes são de família poderosa aliados de todos presidentes

Deixe uma resposta para JOÃO Cancelar resposta