Magno x Belezinha: a diferença entre quem abre e fecha hospitais…

O prefeito de Chapadinha Magno Bacelar contabiliza quase 05 meses de gestão e em meio a esse curto espaço de tempo o governo alcança avanços, tenta driblar os desafios e esbanja vontade em imprimir uma gestão diferenciada daquela feita por sua antecessora.

Movidos pela labareda que mantém acesa a chama do ranço provocado pela derrota eleitoral, a oposição esquece de usar do bom senso para nesse momento avaliar e medir a realidade do cenário vivido pela cidade em todas as áreas, sobretudo na saúde. A recente entrega da Maternidade por exemplo, deixou em polvorosa a turma do “quanto pior melhor”, que no fundo torcia para que sua operacionalização não se concretizasse.

Se é necessário comparar os perfis, pois que assim seja. Para quem não se lembra, foi no início do seu governo em 2013, que a ex-prefeita Ducilene Belezinha fechou de uma só vez dois hospitais: o Hospital das Clínicas de Chapadinha e o Hospital São Francisco. Naquele período foram 80 leitos perdidos e uma promessa de revolução no Hospital Antônio Pontes de Aguiar – HAPA que nunca se concretizou.

Em 06 de maio de 2014, Belezinha assinava com festa a ordem de serviço para a construção da UPA no bairro Areal que deveria durar 07 (sete) meses. Derrotada na eleição, a ex-prefeita deixou o governo no dia 31 de dezembro de 2016 (31 meses depois), deixando a obra inacabada e com todas as chances que o prédio se tornasse um grande elefante branco, por colocar em primeiro plano suas querelas políticos-partidárias.

Magno Bacelar assumiu o governo pregando mudanças na saúde e paulatinamente vem conseguindo avançar. Diferentemente da ex-prefeita que esculhambava o governador Flávio Dino dia e noite, Magno iniciou sua gestão propondo através do deputado Levi Pontes o diálogo com o Governo do Estado e requerendo como prioridade a abertura da UPA. Foi atrás dos recursos para a compra dos equipamentos, garantiu a viabilidade financeira para seu funcionamento e em pouco mais de 02 meses, a unidade foi inaugurada e hoje permanece funcionando.

UPA encontrada paralisada foi entregue em tempo recorde: capacidade administrativa e articulação política do prefeito Magno Bacelar foram decisivas para que a parceria com o Governo do Estado fosse efetivada

No mesmo intervalo de tempo, Bacelar envidou esforços no sentido de dotar o município de uma Maternidade que possibilitasse um tratamento diferenciado e humanizado para as mães da cidade. Ao invés de reclamar da crise, o prefeito arregaçou as mangas e no aniversário da cidade o prédio foi entregue. No último sábado (13), véspera do Dia das Mães, a unidade iniciou o seu funcionamento com recursos próprios, contrariando as previsões daqueles que duvidavam que isso seria possível.

Mágno e a primeira dama Danúbia: Maternidade já é uma realidade

As desculpas esfarradas do governo anterior deram lugar ao trabalho. Enquanto o governo se esforça para alcançar resultados, partidários da ex-prefeita se corroem diariamente para criar factóides, causar tumulto e confundir a opinião pública. Sem sucesso!

Estamos tratando de casos e situações opostas: uma ex-prefeita que fechou hospitais e um prefeito que hoje faz o caminho inverso, abrindo hospitais.

Os desafios estão sendo vencidos e a cidade alcançando resultados que de fato beneficiam a população.

É uma mudança real que se estabelece na saúde de Chapadinha.

Queiram ou não os adversários…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *