ERA SÓ O QUE FALTAVA: DEPUTADO NATURAL DO MATO GROSSO QUER MUDAR CAPITAL DO MARANHÃO PARA GRAJAÚ

ERA SÓ O QUE FALTAVA: DEPUTADO NATURAL DO MATO GROSSO QUER MUDAR CAPITAL DO MARANHÃO PARA GRAJAÚ

Natural de Nova Xavantina (MT) e eleito pela região de Imperatriz onde mora há 22 anos, o deputado Doutor Pádua (PSD) promete apresentar em 2012 um projeto que vai gerar muita discussão no Maranhão.

Deputado Doutor Pádua, do PSD

Ele quer transferir a capital de São Luís para Grajaú, região Central do Estado. O parlamentar diz que se inspirou no ex-presidente Juscelino Kubistchek, que mudou a capital do país do Rio de Janeiro para Brasília.

“Não sou muito a favor desses projetos que desintegram o Maranhão. Acho que temos de melhorar nosso interior. Como São Luís vai crescer independente de ser capital ou não, estou pensando que nem Juscelino Kubistchek. Nossa perspectiva é que essa mudança dinamize a economia do estado”, pregou Doutor Pádua.

O deputado admite que sua ideia surgiu após a derrota do plebiscito que queria criar mais dois estados a partir do Pará: Tapajós e Carajás. Políticos do sul do Maranhão sonham em transformar aquela região em uma nova unidade federativa do país.

Doutor Pádua disse ainda não saber quanto uma mudança desse porte custaria aos cofres públicos. No entanto, diz que seria muito menor que a criação de um novo estado.

“Não vai deixar de ter custos, mas gastaria muito menos que um novo estado. Não teríamos em Grajaú uma nova Assembleia, por exemplo, mas apenas os setores administrativos”, explicou.

Ele disse que a mudança se faz necessária porque, apesar do esforço dos governadores, “o interior está abandonado e até os gestores não conhecem direito os secretários”.

O parlamentar contou ter convivido com a experiência da divisão de sua terra natal. “Com a criação do Mato Grosso do Sul, o Mato Grosso hoje é outro. É um estado sui generis porque até o governador (Sinval Barbosa, do PMDB) é natural de Borrazópolis (PR)”, concluiu.

Do Blog do Décio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *