A QUEDA? QUE NADA, PURO DESPEITO! FICA SARNEY!

A QUEDA? QUE NADA, PURO DESPEITO! FICA SARNEY!

Conforme o noticiário dá conta, aumentam as pressões para que o presidente do Senado, José Sarney, se afaste do cargo. Ontem, o DEM, o PSDB e o PDT exprimiram a mesma coisa: Sarney deveria afastar-se até que as investigações sobre os atos secretos se concluam.

Evidentemente, trata-se conversa fiada. Dados os tentáculos que Sarney mantém no Senado, afastá-lo “temporariamente” não teria nenhum efeito sobre as “investigações”. Na escassa medida em que se possa interpretar o que se passa nas maquinações partidárias, a idéia desses três partidos nada tem a ver com “investigações”, mas parece ser afastar Sarney “temporariamente” para em seguida afastá-lo em definitivo.

Assumiria então o primeiro vice-presidente, o senador Marconi Perillo, o qual vem a pertencer ao… PSDB.

Evidentemente, tal possibilidade horroriza o PT e o governo, embora se diga que dois dos principais senadores do partido, Tião Vianna e Aloizio Mercadante, gostariam de ver Sarney pelas costas.

Já a senadora Ideli Salvatti exprimiu ontem a posição de que as suspeitas não incidem apenas sobre Sarney, mas sobre todo o Senado, e que portanto não cabe afastá-lo. É claro que essa posição tem origem nos interesses do Palácio do Planalto, mas nem por isso deixa de fazer sentido.

Mas os petistas também parecem pender para a solução peessedebista, conforme se informa.

Politicamente, portanto, o imbroglio não é pequeno.

Este espaço, porém, não é dedicado à política e seus mistérios. Só se aborda esse tipo de coisa para procurar algum semblante de sentido no pano de fundo das ilicitudes de que são suspeitos funcionários, senadores, cupinchas e parentes dos dois grupos.

O mais importante nessa história de Sarney sai-não-sai nada tem a ver com Sarney em si, mas com a pretensão de que, defenestrado o presidente da Casa, o assunto todo das nomeações secretas desapareça.

Essa tem sido a tática habitual usada pelos membros do Congresso: arranja-se uma punição (quanto mais branda, melhor) para um ou dois e o resto se escafede numa boa.

Assim, sob o ponto de vista da galera que paga a conta, quanto mais a situação se complicar em termos dessa politiquinha de quinta categoria a que se dedicam os senadores, e quanto mais impasses surgirem no que tange o presidente do Senado, melhor.

Por mais incrível que possa parecer face aos anseios de qualquer pessoa minimamente informada a respeito da biografia do sátrapa do Maranhão, quanto mais tempo este permanecer na Presidência do Senado melhor será, pois mais provável se tornará que novos fatos se revelem, mais funcionários e senadores se vinguem uns dos outros e com isso mais conheçamos sobre os porões da Casa.

A démise de Sarney traria aquela “normalidade” institucional tão ansiada por tantos senadores — leia-se fazer o escândalo sumir, as malfeitorias serem esquecidas e as “investigações” tomarem seu curso (de novo a palavra) “normal”.

Assim, em vez de “Fora Sarney”, é melhor o “Fica, Sarney”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *