A arapuca dos 200 empregos “vendidos” pelo prefeito de Coelho Neto…

Trabalhadores na frente da Secretaria de Obras na última terça (20): esperança de emprego frustrada pelas  condições humilhantes de trabalho escondidas na propaganda oficial

Na última semana, a cidade de Coelho Neto foi surpreendida com a notícia dada pelo prefeito Américo de Sousa (PT), que estava autorizado os reparos em todas as escolas da rede municipal de ensino.

Para as obras seriam necessários cerca de 200 trabalhadores que se revezariam entre as unidades da zona urbana e zona rural. Além da decisão tardia (três meses depois da antecipação do término do ano letivo feito pela secretaria de Educação) e da ausência de informações no portal da transparência sobre o processo licitatório, a “bondade” vendida pelo governo trata-se de uma arapuca e segundo denúncias a que o blog teve acesso, concebida em situação humilhante para muito destes trabalhadores.

Na tarde da última terça (20), diversos destes se aglomeraram na frente da Secretaria de Obras para aguardar informações sobre os tais empregos. Documentos dos mais diversos foram solicitados para que depois da análise houvesse a confirmação ou não da contratação.

Pois bem, segundo trabalhadores ouvidos pelo blog, o trabalho que seria feito por uma empresa deverá ser executado na verdade pela própria Prefeitura, com a contratação em regime de diária. O pedreiro que vai para a zona rural no entanto, terá que se virar para providenciar o transporte, combustível e alimentação.

No caso de um pedreiro por exemplo, que receberá a diária de R$ 80,00 (oitenta reais) para gastar com transporte e alimentação o que sobrará? Tem casos que o trabalho será feito em apenas 01 (um) dia de serviço e o trabalhador fará a obra em apenas uma escola e sem chance de nova oportunidade. Após tomar conhecimento do “tratamento”, alguns desistiram da empreitada antes mesmo de começar.

As denúncias acendem o sinal vermelho das condições a que serão submetidos estes trabalhadores e portanto carente da fiscalização do Ministério Público. O governo do PT em Coelho Neto tem marca conhecida de calote e maus tratos a servidores: se tiraram os incentivos de zona rural dos professores contratados e fazem vista grossa dos maus tratos da empresa que executa a limpeza pública, não poderíamos esperar tratamento diferenciado aos trabalhadores da construção civil.

Américo disse que empregaria quase 200 trabalhadores.

Só ainda não havia dito a situação humilhante a que estes estariam submetidos…

2 thoughts on “A arapuca dos 200 empregos “vendidos” pelo prefeito de Coelho Neto…

  1. Você poderia começar citando tais maus tratos feito pela empresa que presta serviços a limpeza pública, pois até então, o que vemos são cauções sem provas e sem sentido. Aguardo resposta, grato!

    1. Pagamento em formato de diárias, perseguição com demissão a trabalhadores que reclamaram de atraso, atraso dos rendimentos, jornada ampliada de trabalho… quer mais ou estes bastam? Aqui não tem nada de acusações sem provas, todas as matérias que fazemos são baseadas em depoismento dos trabalhadores. Se você tiver algo que comprove o contrário nos passe que a gente corrije a informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *