Senado: Zé Reinaldo convida membro da família Macedo para a primeira suplência

Durante almoço realizado nesta segunda-feira (11), em Teresina, o ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares convidou a Família Macedo para compor seu projeto político para 2018, assumindo a primeira suplência de sua pré-candidatura ao senado.

No encontro político estiveram presentes o empresário Dedé Macedo, o ex-prefeito Hernando Macedo e o deputado estadual Fábio Macedo (PDT). Além disso, também contou com a presença do ex-prefeito de Timon Chico Leitoa e o deputado estadual, Rafael Leitoa.

Ficou acertado que um membro da família Macedo participará da composição da candidatura ao senado de Zé Reinaldo, indicando um nome para a primeira suplência.

O deputado Fábio Macedo falou da importância de Zé Reinaldo no cenário maranhense e da honra do receber o convite do ex-governador. “ É gratificante receber tamanha honraria do ex-governador para participar de seu projeto político em 2018, a família Macedo se sente muito orgulhosa em poder somar com este homem que tanto fez pelo Maranhão”, disse o parlamentar pedetista.

Do Blog do John Cutrim

“Não tenho idade para odiar”, diz Zé Reinaldo sobre encontro com Roseana

O deputado federal e ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB) comentou, em entrevista a O Imparcial, o encontro que manteve na sexta-feira (2) com a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

O caso foi divulgado em primeira mão pelo Blog do Gilberto Léda (reveja).

Ao falar sobre os rápidos cumprimentos entre os dois ele explicou porque, desta vez, trocou alguma palavras com a peemedebista.

“Roseana foi gentil e nos cumprimentamos. Eu não tenho mais idade para odiar. As pessoas não conhecem minha cabeça, mas ela está voltada para o Maranhão. Nada mais que isso. Com Roseana, foi uma coisa normal, um gesto de simpatia. Não falamos nada de política”, disse.

Este é o segundo encontro casual entre Zé Reinaldo e Roseana em São Luís. Em dezembro de 2013 eles já haviam se esbarrado na Fribal da Ponta d’Areia. Naquela ocasião, diferentemente da semana passada, eles não trocaram uma palavra.

Do Blog do Gilberto Leda

Tema realiza grande evento em Tuntum e lança pré-candidatura de Zé Reinaldo ao senado

Em um grande evento que contou com mais de 2 mil pessoas, entre eles mais de 50 prefeitos de todas as regiões do Estado, deputados federais, estaduais, secretários de governo, vice-prefeitos, presidentes de partidos, vereadores e lideranças politicas o presidente da FAMEM e prefeito de Tuntum Tema Cunha lançou em sua residencia a pre-candidatura do deputado federal e ex-governador José Reinaldo Tavares ao Senado da República.

“O ex-governador Jose Reinaldo deu fim a política do chicote, a política da perseguição, e iniciou a verdadeira mudação do Maranhão”, disse o  secretário Estadual de Comunicação e Articulação Politica Márcio Jerry.

Vários discusos enalteceram o politico municipalista e homem público de vida simples José Reinaldo, que sem duvida é o pai do fim da olirgaquia.

Márcio Jerry dicursou no evento

“Tenho com José Reinaldo uma ligação familiar, de amizade a muitos e muitos anos e garanto meu apoio a ele, por minha querida Presidente Dutra, onde ele tem grandes serviços prestados”, disse o prefeito Juran Carvalho de Presidente Dutra.

O deputado Rafael Leitoa disse que seu partido tem um pré-candidato no qual ele apoia que é o Werverton Rocha, porém seu grupo politico em Timon e região também apoia a pré-candidatura de José Reinaldo ao Senado.

“Tenho apenas o nome do ex-governador José Reinaldo como meu pré-candidato ao Senado”, disse o deputado federal Aluisio Mendes.

Discurso do pré-candidato a senador Zé Reinaldo

O anfitrião Tema Cunha mostrou várias qualidades de José Reinaldo, uma delas o municipalismo, que o tornou um politico admirado pelos prefeitos maranhense, Tema ressaltou ainda a coragem de Zé em lutar e ser o grande mentor da mudança no Estado, onde foi dele e do presidente da Assembleia deputado Humberto Coutinho a responsabilidade de trazer o jovem Flávio Dino para a politica maranhense em 2006 e de acabar com a oligarquia em 2014.

Todos saíram satisfeito com o resultado do evento que mostrou a popularidade deste que hoje vem se confirmando como uma grande referencia no Estado que é o prefeito de Tuntum Tema Cunha.

Do Blog Tuntum News

A disputa agora é entre Weverton Rocha e José Reinaldo

O deputado federal Waldir Maranhão (PP) realmente conta com um apoio de peso à sua candidatura ao Senado no próximo ano: a do ex-presidente Lula. A demonstração ficou clara durante o ato de “Inauguração Popular da Transposição do São Francisco” neste domingo na cidade de Monteiro, no Cariri paraibano.

Waldir esteve ao lado de Lula em quase todos os momentos do evento, demonstrando força e prestígio.

Com o apoio explícito de Lula e do PT, Waldir deve usar essa carta na manga para assegurar o apoio do grupo do governador Flávio Dino. Dino, para tirar Lula e o PT do palanque da família Sarney e tê-los pela primeira vez o apoiando, deve aceitar a candidatura de Walldir. Ainda que desgastado por conta das denúncias de corrupção, Lula tem no Maranhão o seu maior eleitorado.

Sendo assim, a outra vaga no grupo dinista deve ser disputada entre os deputados Weverton Rocha e José Reinaldo.

Do Blog do John Cutrim

“O problema do Maranhão não é o Sarney”, avalia Zé Reinaldo

O deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) voltou a mencionar, em entrevista ao jornal O Imparcial, a proposta de “pacto” feita por ele em julho de 2015 (reveja) e que foi motivo de tantas críticas por parte do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB).

Perguntado sobre se ainda tinha alguma relação com o grupo do ex-presidente José Sarney (PMDB), o socialista citou o artigo em que propôs a pacificação da classe politica e comentou as reações de aliados e adversários.

“O governador [Flávio Dino] não deu muita trela, e acabamos não fazendo o pacto. Eu acho que o Sarney não quer prejudicar o Maranhão. Quando eu falo isso, fica todo mundo brabo comigo. O governo não gosta que eu fale isso. O Sarney está numa idade hoje que quer ser reconhecido. O problema do Maranhão não é o Sarney. O problema do Maranhão é a pobreza. São as dificuldades e os problemas que todos nós já conhecemos e que não adianta a gente estar repetindo aqui. Essa é a agenda que temos que enfrentar. Se nós nos uníssimos, pacificaríamos o estado. Eu fui para o Congresso e disse: ‘Eu vou unir a bancada’. Pela primeira vez unimos os 18 deputados federais. A bancada unida pode trabalhar e ajudar o Maranhão”, disse.

O deputado também confirmou que agora chegou sua vez de disputar uma vaga no Senado.

“Eu acredito que esteja fazendo um trabalho razoável como deputado federal e estou honrando os votos que eu tive. A força que o Senado dá a cada senador é desproporcional aos deputados. Eu acredito que como senador, posso ajudar muito o Maranhão. Eu acho que o Senado ainda não deu a contribuição que deveria dar ao estado, mais ainda há tempo. E é por isso que eu vou disputar uma cadeira do Senado que eu já abri mão várias vezes. A primeira foi em 2006. Na eleição do Jackson Lago eu tive uma votação garantida para o Senado. E depois na composição partidária em torno da campanha do governador Flávio Dino eu tive que abrir mão de novo para não desmanchar o grupo. Agora chegou a minha vez de pleitear uma vaga”, destacou.

Do Blog do Gilberto Leda

José Reinaldo anuncia que deseja concorrer ao Senado

jose-reinaldo

O deputado federal José Reinaldo Tavares externou sua vontade de disputar uma das vagas ao Senado, em 2018. Atualmente filiado ao PSB, Reinaldo pode mudar de partido para concorrer ao cargo por conta de divergências com o senador Roberto Rocha, colega de legenda.

Eu tenho dito aos que me perguntam que prefiro ir para o Senado, onde acho que poderei fazer um trabalho ainda melhor. Por esse motivo, sei que muitos outros também pretendem e noto que existe montado, articulado, um trabalho para tentar destruir minha imagem e minha credibilidade“, afirma o ex-governador.

Além de Zé Reinaldo, da base do governador Flávio Dino já anunciaram o desejo de concorrer ao Senado o deputado federal Weverton Rocha e o presidente da Assembleia Legislativa Humberto Coutinho, ambos do PDT. Correm por fora o prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), o ex-prefeito de Timon, Chico Leitoa (PDT), e os deputados federais Waldir Maranhão (PP), João Castelo (PSDB) e Eliziane Gama (PPS).

No chamado grupo Sarney, além de João Alberto, também podem ser candidatos a senador a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), o ex-candidato a governador Lobão Filho (PMDB), o ministro do Meio Ambiente Sarney Filho (PV) e o ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS).

Do Blog do John Cutrim

Em artigo, Zé Reinaldo justifica voto a favor do impeachment

13043532_975303052545666_4338938415031474855_n

Em artigo publicado no Jornal Pequeno desta terça (19), o deputado federal José Reinaldo (PSB), explicou detalhes dos motivos que o levaram a contrariar o governador Flávio Dino (PCdoB) e votar a favor do processo de impeachment da presidente Dilma.

A seguir a integra do artigo:

A meus limites

A declaração do meu voto na tensa sessão da Câmara que autorizou o impeachment da presidente Dilma foi um desabafo há muito aguardado contra as sujeiras e perseguições acontecidas contra mim e contra Jackson Lago pelo governo de Lula.

Prezo muito o governador Flávio Dino, que de mim merece todo o acatamento e respeito pela sua honestidade e caráter. Mas há coisas que a um homem como eu não é permitido fazer. Flávio, quando começou na política, me encontrou lá onde já estava há muito tempo. Ele não participou das lutas daquele tempo, lutas muito duras que tivemos que enfrentar quase sempre com muito sofrimento e incompreensões.

Essas incompreensões vieram até do próprio Jackson Lago, quando, ao não concordar com o caminho que eu lhe apresentava, o único possível para vencer a candidata poderosa e que contava inclusive com o apoio de Lula, não compreendeu e falou muito irritado com vários políticos, entre os quais Paulo Matos, que eu seria um agente infiltrado pelo Sarney para derrotar a oposição. Mesmo assim continuei. Tempos depois ele mesmo reconheceu a injustiça que cometeu e me procurou para reconhecer o seu erro, fato testemunhado por Ney Bello.

Durante o seu governo, eu fui várias vezes, apreensivo, procurá-lo para alertar que o processo de cassação armado contra ele era perigoso. Mas ele, homem muito bom, parece não ter acreditado e, com a ajuda de Lula, então presidente e a quem Jackson tinha apoiado e defendido, acabou cassado. Nunca me conformei, escrevi vários artigos
sobre isso.

Isso, claro, sem contar que meu governo foi boicotado duramente por Lula, que proibiu que ministros viessem aqui, e cortou toda a possibilidade de qualquer ajuda financeira. Não fosse minha excelente equipe, melhor que muitas equipes ministeriais -e digo isso sem o menor pudor – eu jamais teria conseguido aguentar o cerco.

Mais tarde fui perseguido impiedosamente, preso, humilhado. Tudo sob os olhares de Lula.

Para Flávio Dino, falei tudo isso. Falei-lhe que tinha uma imensa dificuldade de votar em Lula e Dilma e cheguei a ir a um encontro com Temer, que conheço de longas datas, para lhe comunicar que não iria votar nele por injunções da política maranhense.

Mas, repito, há coisas que uma pessoa de caráter não tem condições de fazer. Tentei, sinceramente, atender o governador. Mas, enfim, não tive estômago para votar pela permanência desse grupo no poder. Eu já os conheço muito bem depois de tanto sofrimento.

Assim, não votei contra Flávio, mesmo porque o governo Dilma nada fez pelo Maranhão e tampouco esse motivo eu tinha para me convencer a votar. Quero que o governo de Flávio Dino dê certo, mas, me desculpe, governador, era demais para mim.

O Brasil está em um buraco enorme. Tudo desmorona e Dilma, estou convencido, não tem as mínimas condições de governar. Creio que Temer está preparado e convencido de que essa é a grande chance da vida dele. Ao que parece, está se cercando de uma grande equipe para poder fazer isso. Só com gente muito preparada, ele poderá ter essa chance de corrigir os rumos da economia brasileira. Itamar conseguiu, creio que ele também conseguirá.

Por fim, quero agradecer à excelente receptividade ao meu voto entre os maranhenses de todos os municípios. Creio que consegui ser compreendido e aceito. Falei com o coração e só tenho um propósito na política: ajudar a mudar o Maranhão.

Muito obrigado a todos.

Zé Reinaldo assegura Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) para o Maranhão

rosangela

O ex-governador José Reinaldo Tavares, deputado federal pelo PSB, praticamente assegurou, com o apoio dos demais membros da bancada maranhense, a instalação de uma avançada unidade do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) no Maranhão. O ITA é considerado uma das mais respeitadas escolas de engenharia do mundo.

“A instalação do ITA no Maranhão representa uma grande conquista e enorme avanço tecnológico para nosso Estado. É um investimento que pode revolucionar a nossa educação, com a qualificação, principalmente, dos nossos jovens, que terão a oportunidade de estudar em uma escola que é referência mundial na área de engenharia”, destaca o parlamentar.

Esta semana Zé Reinaldo foi recebido pelo Comandante Nacional da Aeronáutica, Brigadeiro Rossato, que confirmou o início da instalação do Instituto no Maranhão com o curso de engenharia aeroespacial. “Este será o primeiro curso, que deve começar já em 2017. Nos primeiros anos o curso acontecerá na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e os últimos no Centro de Lançamento de Alcântara”, explicou Zé Reinaldo.

FLÁVIO DINO

“Além do governo federal, o projeto também teve apoio importantíssimo do governador Flávio Dino, junto ao Ministro da Defesa, Aldo Rebelo. O governador entende que a instalação do ITA no Maranhão representa uma grande conquista e um avanço tecnológico para o Estado”, disse Reinaldo.

UFMA

Determinado a avançar nas etapas para a instalação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, Zé Reinaldo se encontra hoje com a reitora da UFMA, professora Nair Portela, quando começarão a definir a atuação da Universidade. “Neste primeiro momento o brigadeiro nos pediu a indicação de dois professores da universidade maranhense para conhecer as instalações e a dinâmica do curso de engenharia aeroespacial da unidade do ITA em São José dos Campos”, explica. “Temos que trabalhar com o objetivo de termos um Instituto com professores e principalmente, estudantes do nosso Estado. Um empreendimento deste tem como principal objetivo elevar a educação da nossa gente para um posto de alto nível. É um marco em nossa educação”, acrescenta Zé Reinaldo.

Do Blog do John Cutrim

Zé Reinaldo pede mudanças na Articulação Política de Flávio Dino

IMG-20160110-WA0014-1-e1452434313471

Em seu segundo mandato como deputado federal, o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB) falou em entrevista exclusiva ao Jornal Pequeno sobre as suas preocupações e expectativas com os rumos do Brasil e do Maranhão neste ano .Afirmou que o governador Flávio Dino (PCdoB) faz uma grande gestão na área administrativa, mas comete erros na articulação com a classe política.

“Vejo com muita preocupação esse quadro político. Já o quadro administrativo tem muita qualidade”, declarou o parlamentar socialista. Sobre o governo Dilma Rousseff, o ex-governador defende que a presidenta deixe o governo e que o ano de 2016“será completamente perdido para o desenvolvimento do país”.

Sobre as eleições municipais falou das razões que levaram a apoiar o ex-prefeito João Castelo na última eleição em São Luís e porque agora apoia a pré-candidatura da deputada federal Eliziane Gama (rede) à prefeitura da Capital. “Não vejo outro candidato mais preparado do que a Eliziane Gama”. Na avaliação de Jose Reinaldo Tavares o atual prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior disse que a “gestão dele não é competente”.

Leia os principais trechos da entrevista:

Jornal Pequeno – O senhor está no exercício de seu segundo mandato como deputado federal, é verdade que existe uma ‘bancada do José Reinaldo’ dentro da bancada federal do Maranhão?

José Reinaldo Tavares – Não. Tenho trânsito com todos eles. Não tenho problema com ninguém. Eles me ouvem, são amigos. Agora, eu me ofereci para fazer um trabalho para o Flávio junto à bancada federal. Disse que eu poderia trazê-la toda para ele.

JP – Quando o Flávio Dino se elegeu deputado federal, o senhor era governador. O senhor hoje está na Câmara Federal e o Flávio Dino é o governador, qual é a sua avaliação do governo estadual?

José Reinaldo – Vejo o governo Flávio Dino de duas maneiras. Uma parte administrativa e outra política. A meu ver ele faz um grande governo, para um governador que está no primeiro ano. Ele tem muita realização, a mudança de governo foi muito forte. Isso conta muito ponto para ele.

JP – E na política?

José Reinaldo – Nessa parte o governo tem pecado demais, não tem tido solidariedade com alguns companheiros. Tem privilegiado muito o PCdoB, na ocupação dos cargos no interior. E com isso há uma insatisfação grande em relação ao governo na área política. Ele tem que renovar a articulação política.

JP – Mas há uma insatisfação por conta da articulação dos palanques para a eleição municipal deste ano. O PCdoB, por exemplo, tem ido buscar quadros em outros partidos?

José Reinaldo – Não acho errado irmos buscar uma pessoa, um candidato no PDT, PSB, PSDB, no PT. Não é isso. Acho errado é pegar uma pessoa, que tem um patamar de vereador e coloca-la como uma grande liderança. Em cima de lideranças já consolidadas. Então isso é brincar com fogo.

JP – Como assim, brincar com fogo?

José Reinaldo – Não vejo a política do Maranhão pacificada. Eu acho que o grupo Sarney tem consciência de que não ganha mais uma eleição sozinhos. Mas, eles sabem fazer política. Tem uma estrutura montada para fazer política. Se generalizar essas insatisfações, essas defecções isso cria um campo perigoso. Na área Federal vejo que o governo estadual tem muita dificuldade na bancada. O Flávio se omitiu no debate dos cargos federais. Os cargos federais foram todos indicados pelo Sarney. Então a turma até brinca, nós perdemos a eleição e estamos melhores do que vocês. Perdeu, ganhando. Essa coisa é um problema.

JP – Da base de sustentação do Flávio Dino pode sair um adversário num futuro próximo?

José Reinaldo – Acho que pode. Você tem uma máquina e tem uma porção de gente insatisfeita. Eu não digo que ele vá ajudar. Mas, você tem que ter relações de confiança, de amizade. Eu sei como isso é importante, porque criei isso no meu governo. A eleição municipal é muito importante. O governo não está atento para isso. É como se tivesse a formação de um tsunami e ninguém estivesse olhando. Prefeitos importantes, que querem conversar com o Flávio e não são recebidos. O pessoal do Sarney sabe fazer eleição. Eles têm condições de montar um grupo forte se tiver estrutura. Quando não se não tem nada, chega outra coisa.

JP – O que seria uma vitória do Governo nas eleições municipais?

José Reinaldo – O Flávio Dino deve fazer força para ganhar nos 20 maiores municípios. Ele devia ter um olhar diferenciado para esses municípios. Acho que é correr um risco desnecessário para o governo. O governo ainda não se consolidou. Não definiu os rumos na área política. O governo tem que trabalhar para não ter uma manchete, “O governo perde eleição nas 20 maiores cidades”, para não causar um ambiente de procurar uma opção, outra alternativa. Eu vejo com muita preocupação esse quadro político.

JP – Há riscos da base do Governo perder a eleição nos maiores municípios?

José Reinaldo – Arriscamos perder eleição em Timon e Caxias, por exemplo. Lá as coisas não estão boas. Em Imperatriz se não tiver uma coordenação acaba o Hildon Marques ganhando. Em Timon o Luciano Leitoa é uma boa liderança. Ele está entrando num ano complicado. Terá uma eleição difícil em Timon. O governo está errando muito em relação a Timon. O deputado Alexandre Almeida ainda tem todos os cargos na área da Saúde. Então fica um negócio complicado. Eu tenho muito preocupação com essa eleição municipal.

JP – E a eleição em São Luís?

José Reinaldo – Acho que o governo do Edivaldo Holanda Júnior não é competente.  Eu vejo o prefeito com muita dificuldade. O Flávio Dino tem ajudado muito. Acho que ele cresceu um pouco, mas a rejeição continua muito alta. Vejo a Eliziane Gama com um campo vasto para ganhar a eleição. Se ela tiver projetos e estão sendo construídos. Ela se torna uma candidata muito competitiva. Se eleita, acho que ela pode fazer um governo como nunca antes nós vimos em São Luís.

JP – Em entrevista ao JP, a Eliziane Gama fez muitos elogios ao senhor pela sua contribuição na pré-campanha dela?

José Reinaldo – São Luís está muito ruim. Eu chamei a doutora Ana Lúcia Gazzola, ex-reitora da UFMG, duas vezes secretária de Educação de Minas Gerais, ela fez um trabalho extraordinário, e tivemos com ela uma reunião muito proveitosa. O Antonio Anastasia foi que indicou a Ana Lucia Gazzola. O senador José Serra indicou o ex-secretário de Saúde de São Paulo, Januário Montone, nós já estivemos com ele. Nós estamos estudando. Ouvindo experiências e visões diferentes.

JP – Se não houvesse a pré-candidatura de Eliziane Gama?

José Reinaldo – Não vejo outro candidato preparado. A Eliziane Gama tem sensibilidade, Ela tem uma vida de sofrimento. Ela conhece essa parte social que é fundamental. Não vejo um governo ficar marcado por obras. Vejo governo ficar marcado por melhorar a Educação, por exemplo. A Eliziane tem uma grande vontade de mudar isso. Não vejo isso em outras pessoas. O prefeito Edivaldo Holanda Júnior podia ser essa pessoa, mas não é. Ele não persegue as coisas.

JP – Foi essa sua visão do Edivaldo Holanda Júnior que levou o senhor a apoiar o ex-prefeito João Castelo na última eleição?

José Reinaldo – No começo chamei a atenção do pessoal para esse rapaz. Depois eu vi que nós tínhamos muita dificuldade de conversar com Edivaldo. Aí eu vi o perigo do Castelo ir para o Sarney. Se eu não tivesse ido para o Castelo. Ele teria ido para o grupo Sarney.  Não há dúvida. E poderia ganhar a eleição com a estrutura que eles têm.

JP – O senhor tem focado muito na Educação. Num artigo recente no JP sobre o Ranking da Competividade dos estados, o senhor destacou os índices ruins da Educação no estado.

José Reinaldo – Vemos no ranking da competividade que estamos no final. O Maranhão não é competitivo. Se você não melhorar a educação no Maranhão, nós deixaremos de ser competitivos. Um dado que me chamou a atenção foi a “Educação para seu crescimento pessoal”, nós estamos em último lugar. A educação que é dada aqui no Maranhão não serve nem para você ascender socialmente. Esse é o grande problema.

JP – Em que áreas o Governo do Estado deveria focar?

José Reinaldo – A educação é a chave para melhorar qualquer indicador social. Correr atrás de indicador social, sem um trabalho estruturado na Educação não dará resultado consistente. O outro deveria ser mais forte na área da Saúde. Cobrança, exigir qualidade.

JP – No seu governo, o senhor defendia muito aumentar o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do estado.

José Reinaldo – Você tem que melhorar a educação como um todo. Não adianta ter um colégio bom. Você tem que disseminar um padrão. Aqui 60% dos alunos que terminam o ensino fundamental não sabem interpretar um texto. Não sabem fazem uma conta mais complexa. Parto da premissa que tem dinheiro para a Educação e para a Saúde. O que não há é gestão. Agora, não há uma racionalidade, uma visão de cobrança. Não há uma visão gerencial.

JP – Como senhor vê a situação do país, qual sua avaliação deste ano?

José Reinaldo – Acho que a situação tende a se agravar. Melhorar, eu não acredito. Mesmo porque a presidente Dilma Rousseff não reconhece a calamidade que se instalou no país. Ela acredita numa crise temporária, coloca a culpa na situação externa. Ela não reconhece que houve erros enormes no primeiro governo dela, que levaram a essa situação. Houve uma gastança enorme, as pedaladas fiscais são uma prova eloquente disso. Teve bem mais do que isso, que acabou dando um déficit de mais de R$ 120 bilhões. Vejo 2016 como um ano completamente perdido para o desenvolvimento do país.

JP – Nesse cenário de crise qual a expectativa para os estados?

José Reinaldo – Quando eu tive aqueles problemas todos no meu governo, o rompimento com o grupo Sarney e tudo mais.  O presidente Lula me chamou para recompor com o Sarney, não aceitei pela maneira como ele colocou e daí sofremos um bloqueio aqui no estado.

Mas, nós naquela ocasião não tínhamos uma recessão, o Brasil estava crescendo, nós passamos a arrecadação de R$ 62 milhões por mês para R$ 280 milhões e aí me segurei. Respirei, no final tinha mais de R$ 1 bilhão de receita para investimentos. Os estados poderiam se recompor se não houvesse a recessão. Aqui no Maranhão as receitas se equilibraram um pouco porque, houve um aumento nos combustíveis e na energia e são muitos importantes para o equilíbrio financeiro do Estado. São base importante da arrecadação, então isso deu um equilíbrio. Mas, a situação dos estados é muito difícil.

Dos municípios então não se fala.

JP – O aumento da alíquota do ICMS de alguns produtos, como fez o governador Flávio Dino e o de São Paulo, Geraldo Alckmin ajuda a atenuar a crise?

José Reinaldo – Esse é um caminho que os Estados recorrem nas emergências. Eu acho que o governador Flávio Dino tem um secretário muito experiente na área da Fazenda. Ele tem feito um trabalho extraordinário, está tirando leite de pedra. A situação da atividade econômica caiu demais, a empresa Vale que tem aqui uma participação grande na formação do produto interno, está com um déficit gigantesco. A situação dos estados neste momento é de conter muito a despesa, porque senão, começa a atrasar pagamentos, e depois que atrasa vira uma bola de neve.

JP – O senhor é favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff?

José Reinaldo – O Supremo estabeleceu regras que beneficiaram muito aqueles que não querem o impeachment. Vamos supor que o impeachment não passe, a Dilma não tem 200 deputados na Câmara. O que ela vai fazer? Nós vamos sangrar durante três anos, pois ela não conseguirá aprovar nada. Estou muito preocupado com a situação brasileira porque eu acredito que para recompor, para recuperar o país teria que haver uma mudança.

JP – O senhor fica no PSB?

José Reinaldo – Se eu conseguir um partido do tamanho razoável aqui no Maranhão, pra compor uma base maior, desde que seja entregue a mim eu posso sair. O PSB está muito dividido aqui no Maranhão No Maranhão o partido está meio paradão. Tenho conversado muito com Luciano Leitoa, é meu amigo, gosto muito dele.

JP – Qual é o partido que senhor está indo?

José Reinaldo – (risos) Não, é prematuro falar. Eu não sei se dará certo. Vamos aguardar.

JP – O senhor seria de novo candidato a governador do Maranhão?

José Reinaldo – Não tenho mais essa vontade. Não tenho esse projeto mais. Com a experiência que eu tenho, quero ajudar. Posso ajudar muito. Mas, os governadores são muitos ciosos.

Vai entender… Zé Reinaldo defende união com Sarney

josereinaldo

 

O ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) propõe, em artigo surpreendente publicado abaixo no blog, uma união, em prol do interesse comum, com o ex-senador José Sarney, até então seu inimigo político e pessoal. Tavares sugere uma reconciliação com Sarney e afirma que não irá mais criticá-lo. “Isso ficou para trás e tenho que olhar para a frente e não ficar remoendo o passado”, diz.

Para Zé Reinaldo, o ex-presidente Sarney ainda tem muito prestígio pessoal e ainda detém grande força política. “Isso é inegável”, admite o deputado, ao encerrar seu apelo ao pai de Roseana Sarney: “Pronto, falei”.

Abaixo, o comentário de Zé Reinaldo no blog propondo um entendimento com José Sarney.

Pacto pelo Maranhão

José Sarney foi sem dúvidas o político que reteve maior poder e prestígio político no Maranhão, além de ter sido um dos mais fortes do país. E ficou mais poderoso ainda após o exercício na presidência da república. Sarney foi o poderosíssimo ex-presidente, sobretudo no governo de Lula da Silva. Mandava e desmandava à vontade e Lula chegou a dizer, inclusive, que Sarney não era um homem como os outros. Era quase um mito.

Mas no Maranhão, em que pese o seu julgamento, ficou devendo muito em relação ao que poderia ter feito, considerando o seu poder pessoal e político incontestáveis.

Mas, enfim, este não é um artigo para criticá-lo. Isso já fiz muitas vezes ao longo de muitos anos e por isso recebi muitas vezes o peso de sua ira. Contudo, isso ficou para trás e tenho que olhar para a frente e não ficar remoendo o passado.

Sarney não tem mais a força que teve, mas ainda tem muito prestígio pessoal e ainda detém grande força política. Isso é inegável.

Hoje se diverte criticando o governo de Flávio Dino, homem que derrotou de maneira muito clara o seu grupo político. Isso são fatos.

Farei aqui um apelo ao ex-presidente e àquele político que fascinou a todos os jovens promissores que com ele trabalharam, quando governador e nele acreditaram, como eu. Vejam bem, não estou pedindo aqui que deixe de fazer oposição, sendo esse o seu desejo. Não, nada disso! Estou propondo é um pacto pelo Maranhão, por esse estado pobre e com grande parte da população vivendo com renda oriunda do Bolsa Família. Estou propondo uma união de importantes forças políticas em torno de projetos fundamentais para o desenvolvimento do estado e para tirar o estado dessa situação. O Ceará fez isso no passado e disparou com uma agenda de consenso que o transformou num dos estados mais importantes do país. E o nosso Maranhão tem muito mais condições naturais para o desenvolvimento que o Ceará, mas hoje estamos bem atrás.

Países só se desenvolveram com pactos como esse, vejam o caso da Espanha, onde as questões eram tão acirradas que chegaram a ir a uma guerra civil sangrenta e terrível. Lá ficou na história o Pacto de Moncloa, fundamental para a busca do desenvolvimento que hoje sustenta a Espanha moderna.

É claro que se isso não acontecer, iremos lutar até conseguirmos, mas se pudermos fazer uma agenda acima da política, juntando as forças de todos que puderem contribuir, será muito mais fácil e mais rápido conseguir mudar o Maranhão.

Parece óbvio que o ex-presidente teria, como tem em qualquer lugar, uma participação muito importante em tudo. Repito: não se trata de pacto político, mas sim de tentar elencar um grupo de projetos estruturantes para que possamos pular etapas e colocar o Maranhão em seu lugar entre os estados mais promissores do país.

Aqui falo por mim. Não falo por mais ninguém. Portanto não se trata de qualquer tipo de barganha. Não se trata da oferta de cargos em troca de apoio. Não é, enfatizo, um pacto político. Não se trata, enfim, de troca de favores.

O que pretendo é unir todos pelo desenvolvimento do Maranhão. É escolher pelo debate alguns projetos realmente fundamentais para alavancar o crescimento do estado e melhorar a vida sofrida de nossa população. Entre nós temos vários políticos de enorme prestígio, a começar pelo governador Flávio Dino e pelo ex-presidente José Sarney, juntando senadores, deputados federais e estaduais. Temos força política para, juntos nesse propósito, conseguirmos grandes avanços, desde que todos puxem numa só direção. O momento é de imensa dificuldade. O país quebrado, o governo federal politicamente paralisado por uma crise que começou política, indo em seguida tomar conta da economia e agora é social, com a inflação e o desemprego batendo à porta.

Não será tarefa fácil. Mas se estivermos unidos e com uma pauta bem estabelecida, creio que seremos fortes, objetivos e com grandes chances de conseguirmos grandes avanços. Só o fato de termos uma agenda em comum será de uma importância extraordinária.

Falo por mim, sem medos de patrulhas e de maus entendidos. Não serei eu a ganhar nada me arriscando assim. Será o povo do Maranhão. Mas sei que muitos entre nós pensam como eu. Não estarei sozinho e nem pregando no deserto. Nossa sociedade não perdoará a nós políticos, se não nos unirmos em torno do projeto maior que é o desenvolvimento do Maranhão. Essa é a finalidade maior de estarmos na política, com ou sem mandatos.

“Pronto, falei” – como dizem os internautas. Peço a reflexão de todos. Não se trata de rendição e nem de submissão. Trata-se do Maranhão!

Pensem nisso e vamos juntos!

Do Blog do John Cutrim