Toinho reassume a Cultura…

Toinho ao lado do prefeito Américo de Sousa e da primeira dama Iranete: retorno ao comando da Cultura

Embora tenha passado despercebido para os menos atentos, a pasta da Cultura em Coelho Neto passou por modificações. Mesmo que a troca tenha ocorrido de forma discreta e sem os holofotes corriqueiros, sai o agora ex-secretário Adilson Torres e Toinho da Cultura assume o posto novamente.

Toinho chegou no governo para ser mais um. Com desenvoltura e competência conseguiu a façanha de cair na graça do prefeito Américo de Sousa (PT). Logo já estava cuidando do carnaval e a carta branca que lhe foi dada fez com que a festa momesca fosse alvo de elogios dos mais diversos. Era a senha que precisava.

Em conversas com figuras do governo e vereadores, sempre fomos contrários a permanência de Toinho na inexpressiva Secretaria de Indústria e Comércio por entender que era um desperdício de mão de obra. Como o próprio nome já diz, Toinho “é da Cultura” e sua chegada pode dar novo gás para a pasta que era completamente inócua, se limitando apenas a cuidar das grandes festas. Esse blog chegou a cobrar isso algumas vezes.

Apesar de assumir a pasta adjunta de Cultura ligada umbilicalmente a Educação, Américo permanece em dívida com o setor, pois uma das suas promessas de campanha com destaque no seu plano de governo seria a recriação da Secretaria de Cultura.

A primeira missão oficial dada ao novo secretário foi a de justamente comandar a segunda edição do Corredor Junino, do governo petista.

Mas essa é uma outra história..

Toinho da Cultura mostra competência e ganha visibilidade no governo…

Leveza de Toinho da Cultura no comando da festa deixou Américo a vontade para transitar sem receios: acerto na escolha

Roubou a cena. Essa é a expressão que pode ser usada para definir a performance de Toinho da Cultura na organização do Carnaval de Coelho Neto.

Recém chegado ao ninho petista e ainda sob os olhares desconfiados de aliados históricos, Toinho chegou ao governo como quem não quer nada apenas como mais um colaborador. Foi se chegando, chegando e quando alguém se deu conta o homem ja transitava nos corredores da prefeitura com status de “gente grande”.

Quando percebeu que Toinho só precisaria de condições que o resto ele dava conta, o prefeito Américo de Sousa (PT) resolveu arriscar. Deu autonomia – que ele dá para poucos – e o colocou a frente da Comissão Organizadora do Carnaval  – COC, criada esse ano para comandar a festa.

Sob suas mãos a Festa de Momo teve leveza e seu toque pôde ser visto nos mínimos detalhes. Vários eventos segmentados antecederam a folia, houve uma aproximação maior do governo com os blocos, a apresentação de palco sem o puxa-saquismo exagerado do secretário de comunicação e tantas outras invencionices não passaram despecebidas.

Fontes do blog dão conta de que Toinho queria a presença de um paredão na avenida para animar os foliões entre uma banda e outra. A fórmula deu certo, mas Toinho teria comprado uma briga grande com o secretário de Meio Ambiente, Gabriel Delano (inimigo nº 1 dos paredões), para garantir a façanha. Argumentou e teve o aval do prefeito para que a idéia fosse em frente.

Não há o que governo pensar. Toinho é a pessoa certa no lugar certo e isso é indiscutível. Não passou por todos os últimos governos à toa, passou porque é um bom soldado e dar conta de todas as missões que lhe são entregues.

É uma mão de obra das mais qualificadas que o governo dispões hoje. Só não aproveita se não quiser…