Sarney transfere título de eleitor para o Maranhão

O ex-presidente José Sarney oficializou na tarde de ontem (19) sua mudança de domicílio eleitoral.

O emedebista esteve na 3ª Zona Eleitoral de São Luís para efetivar a transferência do seu título de eleitor, do Amapá para o Maranhão.

A informação é do blog do Marco D’Eça – e havia sido antecipada pelo blogueiro Robert Lobato.

Com a mudança, Sarney descarta qualquer possibilidade de ser candidato a senador pelo Amapá – mesmo liderando as pesquisas por lá.

Ele também votará pela primeira vez na filha Roseana Sarney (MDB) para o Governo do Estado, e no neto, Adriano (Sarney (PV), para a Assembleia, além de apoiar outro filho, o ministro Sarney Filho (PV) para o Senado.

Do Blog do Gilberto Leda

Foliões morrem após choque em praça de Bom Jesus das Selvas

Pelo menos duas pessoas morreram na noite de domingo durante o Carnaval de Bom Jesus das Selvas, no Maranhão, vítimas de uma forte descarga elétrica.

Eles estavam próximo ao palco principal quando vimos caíram sobre o público.

Há relatos de que alguns foliões brincavam com serpentinas instantes antes do incidente.

DoBlog do Gilberto Leda

Números mostram aumento da violência no Maranhão

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública observou distorções ao cruzar as informações da Segurança com as do sistema de Saúde. Um desses exemplos mostra que no ano de 2015, a Segurança informou que ocorreram 2.007 mortes violentas no Maranhão, enquanto que a Saúde registrou 2.438 óbitos com esse tipo de causa. Esses dados foram revelados pelo 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública no fim do ano passado.

Há informações de que essa distorção de números relacionados a mortes violentas é devido o fato de só entrar na estatística da Segurança os baleados ou esfaqueados que morrem no local do crime. Os casos em que as vítimas são socorridas ainda com vida e morrem no hospital em seguida estão sendo omitidos.

A onda de violência está instalada no interior do Maranhão. Ainda segundo os dados do Anuário Brasileiro de Segurança, enquanto na capital maranhense os casos de homicídios caíram 26,4% nos últimos três anos, nas cidades interioranas ocorreu um aumento de aproximadamente 9%.

O 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostrou, também, um aumento de 61,2% dos casos de latrocínios (roubo seguido de morte) em relação 2014 a 2015 no Maranhão. Em 2014, foram registrados 72 casos, enquanto que no ano posterior, foram 117 ocorrências.

Outro dado alarmante é em relação à intervenção policial. Um total de 60 pessoas foi morto por policiais em 2014, enquanto em 2016, foram 127 casos. Os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2016 revelaram que o Maranhão tem uma das policias que mais mata no país e é o sétimo colocado no Ranking Nacional de Letalidade Policial.

Região Metropolitana

Homicídios estão sendo registrados de forma diária na Região Metropolitana de São Luís. Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) revelam que 11 pessoas já foram assassinadas a tiros ou por arma na branca este mês na Ilha. Uma média de duas mortes violentas por dia. Este ano já ocorreram 58 assassinatos.

Os últimos casos ocorreram nesta sexta-feira de Carnaval, 9, e as vítima foram dois adolescentes de 16 anos e 14 anos. O primeiro na Rua das Hortas, nas proximidades da Praça Gonçalves Dias, no Centro, e o segundo, na Vila Janaína.

Sobre o crime da Rua das Hortas, várias pessoas se aglomeraram na área com o propósito de obter informações, mas a A polícia foi acionada e isolou a área até a chegada dos peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) e ainda controlou o trânsito na via movimentada.

O sargento Cristian, lotado no 9º Batalhão da Polícia Militar, declarou que a vítima era um estudante e estava a caminho da escola, localizada no Centro, onde participaria de um evento. Ele foi abordado por dois homens não identificados que o atingiram com três tiros na cabeça.

Segundo o militar, os tiros teriam sido de uma pistola ponto 40 e os acusados fugiram em direção ao bairro Camboa em uma motocicleta CB 300, vermelha, de placa não identificada. “As cápsulas encontradas no local do crime são de ponto 40”, declarou o sargento.

Ele informou, também, que há possibilidade de esse crime ter tido participação de integrantes de facções criminosas que aterrorizam a Ilha. O caso vai ser investigado pela Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHPP).

O avô da vítima, identificado como José Benedito, idade não revelada, declarou que o seu neto, no momento não estava frequentado regularmente a escola, mas, ontem, ele decidiu comparecer, já que haveria uma festa no estabelecimento colegial. Ultimamente, segundo José Benedito, ela estaria se envolvendo com pessoas de atitudes suspeitas.

O corpo da vítima foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, para ser periciado e logo depois foi liberado para os familiares. O resultado desse exame pericial vai ser encaminhado para a Polícia Civil. O delegado Felipe Freitas, da SHPP, disse que testemunhas desse crime devem ser ouvidas pela polícia nos próximos dias. A polícia deve solicitar as imagens das câmeras de segurança instaladas na área para serem analisadas e uma possível identificação dos criminosos.

De O Estado

Sarney diz que “Maranhão engatou marcha a ré”

Da Coluna do Sarney

O Maranhão vive hoje um drama impressionante: parece que engatou marcha a ré e tudo piorou nos últimos tempos. Isso não é apenas uma percepção generalizada, mas pode ser verificado por números. As estatísticas no Brasil ainda são publicadas com algum atraso, por isso os dados de que dispomos hoje são, na maioria, de até 2016, mas são esclarecedoras: o andar para trás é real.

Os números baixaram, o Maranhão criou 300 mil novos pobres, aumentou impostos liquidando comerciantes e, atrás de dinheiro, taxou automóveis e motocicletas que o Estado, para fazer caixa, tomou de pequenos e pobres empreendedores.

Alguns dados, que explicam muito, raramente são citados. Vejam, por exemplo, a situação dos jovens entre 16 e 29 anos, quando estão começando a vida. O IBGE os divide em quatro categorias: os que só estudam, os que estudam e estão ocupados (trabalham), os que só trabalham e os que não estudam nem estão ocupados. O ideal seria que essa última categoria fosse a menor. Até três anos atrás, o índice dos que não estudam nem trabalham estava melhorando, mas em 2016 piorou 13%. Os que estudam e trabalham caíram 27%, os que só estudam subiram 6% e os que só trabalham caíram 12,5%. O que isso explica? Que os jovens não encontram trabalho – 70% deles (23% maior que a média nacional). Os jovens e os adultos, pois em dois anos o número de pessoas ocupadas caiu em 106 mil. O de pessoas desocupadas, por outro lado, cresceu 58%, passando de melhores que a média nacional para piores. Em São Luís cresceu 61%, chegando a praticamente 1 entre cada 5 maranhenses maiores de 16 anos que têm condição de trabalhar!

Para qualquer lado que se olhe os números são ruins. O PIB – Produto Interno Bruto, que mede o conjunto de riqueza de uma região – maranhense caiu 3,3% em 2015 e 6,9% em 2016.

Somos hoje o único estado em que mais de metade da população vive abaixo da linha de pobreza. O número de pessoas com renda menor ou igual a meio salário mínimo aumentou, em 2016, cerca de 10%, passando a ser o dobro da média nacional.

O que mais se vê é abandono e desânimo. Estradas abandonadas – as estradas estaduais são consideradas pela Confederação Nacional dos Transportes as piores do país -; ruas e avenidas alagadas, como a Avenida dos Africanos e a orla do Araçagi; violência batendo recordes; obras, como a da Barragem do Bacanga, onde em setembro de 2015 afundou uma comporta, com atraso de 1 ano.

Para não ficar só no ruim, temos pelo menos uma boa notícia, a inauguração de uma obra do governo federal importante, que é a duplicação do trecho da BR-135 entre a Estiva e Bacabeira. É conquista de Roseana e da bancada federal do Maranhão, que se empenhou para que esse ponto de estrangulamento fosse superado. A obra foi inaugurada na quinta-feira, com presença de ministros e parlamentares, mostrando que o governo federal está trabalhando para nosso Estado.

Sai lista de classificados do concurso da PM

O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos Universidade de Brasília (Cespe-UNB) divulgou hoje (9) o resultado das provas objetivas do concurso da Polícia Militar do Maranhão (PMMA).

O edital pode ser baixado aqui.

Também foi publicada a convocação para os exames médicos e odontológicos, para o teste de aptidão física, para o exame psicotécnico e para a entrega da documentação para fins de investigação social, bem como para o procedimento de verificação dos candidatos que se autodeclararam negros e para a perícia médica dos candidatos que se declararam com deficiência.

A avaliação médica e o exame odontológico serão realizados entre 13 e 21 de janeiro. O candidato deverá, obrigatoriamente, acessar o endereço eletrônico http://www.cespe.unb.br/concursos/pm_ma_17 para saber o dia e local dos exames.

O teste de aptidão física será feito entre 27 de janeiro de 2018 a 4 de fevereiro de 2018. A consulta para saber o local estará disponível a partir de 22 de janeiro.

O exame psicotécnico será nos dias 17 e 18 de fevereiro de 2018. A consulta pode ser feita a partir de 12 de fevereiro.

Os candidatos convocados para a investigação social terão de entregar a Ficha de Informações Confidenciais entre 15 e 19 de janeiro, das 8 horas às 12 horas e das 13 horas às 17 horas. A ficha pode ser obtida no endereço http://www.cespe.unb.br/concursos/pm_ma_17.

Os candidatos que se autodeclararam negros serão submetidos, no período de 2 a 4 de fevereiro de 2018, ao procedimento de verificação da condição declarada para concorrer às vagas reservadas.

O concurso oferece 1.214 vagas nas carreiras de soldado e tenente, com exigência de níveis médio e superior, respectivamente.

Do Blog do Gilberto Leda

Justiça do Maranhão libera 684 presos para passar o Natal em casa

A 1ª Vara de Execuções Penais da comarca da Ilha de São Luís (VEP) – com jurisdição nos municípios de São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa – divulgou nesta segunda-feira (18) Portaria que dispõe sobre a saída temporária de presos para visita aos familiares durante o período natalino. Segundo a Portaria, assinada pelo juiz titular da 1ª VEP, Márcio Castro Brandão, o benefício tem início às 9h da próxima quinta-feira (21.12.17) e encerra no dia 27.12.17, às 18h. Ao todo, 684 recuperandos do regime semi-aberto estão aptos a receber o benefício, por preencherem os requisitos previstos nos artigos 122 e 123 da Lei de Execução Penal (LEP).

Segundo a LEP, a autorização para saída temporária é concedida por ato motivado do juiz, ouvidos o Ministério Público e a administração penitenciária. Para ter direito ao benefício, o preso do regime semi-aberto precisa ter cumprido, no mínimo, 1/6 (primários) ou 1/4 da pena (reincidentes); apresentar comportamento adequado na unidade prisional; além da compatibilidade entre o benefício e os objetivos da pena.

A Portaria que concede a saída temporária do período natalino determina que os internos contemplados com o benefício deverão recolher-se às suas residências até as 20h e não poderão ausentar-se do Estado do Maranhão; ingerir bebidas alcoólicas; portar armas e não frequentar festas, bares e/ou similares. O juiz também determinou que os dirigentes dos estabelecimentos prisionais devem comunicar sobre o retorno dos internos até as 12h do dia 29 de dezembro.

Sobre a saída de presos, a VEP cientificou a Secretaria de Estado de Segurança Pública, Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, Superintendência da Polícia Federal, Superintendência de Polícia Rodoviária Federal, e diretorias dos estabelecimentos penais de São Luís, para operacionalização das medidas estabelecidas na portaria.

Do Blog do Gilberto Leda

Lançados projetos de geologia e água no Maranhão

O Secretário de Indústria e Comércio Simplício Araújo, o representante do Ministério do Meio Ambiente José Gasparinho e o diretor da CPRM Antônio Bacelar

O Maranhão pode contar, a partir de agora, com um conjunto de dados mais precisos sobre geologia e recursos minerais e hídricos, que vão contribuir para o desenvolvimento sustentável do estado. As informações constam de 12 produtos lançados nesta sexta-feira (15/12), pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA).

A solenidade de lançamento ocorreu na Assembleia Legislativa maranhense e contou com a presença de dirigentes do CPRM, do governo local, parlamentares, prefeitos e empresários. O assessor especial do Ministério do Meio Ambiente José Gasparinho Neto representou o ministro Sarney Filho.

“Os produtos que estão sendo apresentados hoje reúnem dados preciosos para o planejamento urbano, a gestão das águas, os setores de infraestrutura, da construção civil, do turismo. A sua disponibilização para a sociedade permitirá a gestão participativa dos nossos bens naturais, de modo sustentável”, disse Gaparinho.

MINERAIS

Um dos projetos é o Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Estado do Maranhão. O documento contribui para a formulação de políticas de gerenciamento territorial e ambiental que possam atrair investimentos privados para o setor mineral da região. O estudo traz informações geológicas para que o estado possa desencadear um ciclo de geração de jazidas que suportem a expansão industrial, favorecendo o crescimento econômico.

Outro projeto mapeia áreas de risco em 86 municípios no estado. Aponta, ao todo, 245 áreas de risco alto e muito alto a inundações, erosão e deslizamentos e identifica 33.975 residências que podem sofrer desastres naturais, afetando 135.864 pessoas. Os dados vão servir para ações preventivas.

Há ainda um estudo sobre 11 áreas de risco a erosão na região costeira de São Luís, nos bairros Vila Nova, Prainha, Sol Nascente, Bonfim, São Francisco, Ponta d’Areia, São Marcos, Calhau e Olho d’Água. A partir da análise quantitativa de variação da linha de costa feita pelos pesquisadores da CPRM, as praias do calhau e caolho foram classificadas como as regiões de maiores taxas de erosão, com variações grandes das marés.

GEOPARQUE

Um dos projetos mais inovadores faz a descrição e diagnóstico do patrimônio geológico da região de Carolina, município no interior do estado. A ideia é divulgar esse potencial como suporte técnico para que o estado possa propor à Unesco a criação de um geoparque no local. O estudo inclui o inventário e quantificação dos geossítios da região que representam parte do patrimônio geológico do país e que possuem ato potencial para o turismo.

“A criação do geoparque em Carolina seria um meio de preservar as riquezas naturais e arqueológicas e, ainda, de desenvolver o turismo, o que significa empregos, geração de renda e desenvolvimento local”, afirmou Gasparinho.

ÁGUAS

Gasparinho destacou ainda, entre os produtos lançados no evento, o Atlas Digital dos Recursos Hídricos do Estado do Maranhão, elaborado pela CPRM e ANA. O levantamento apresenta cadastro com a localização e o diagnóstico de fontes de abastecimento por água subterrânea de 211 municípios.

“Apesar da riqueza hídrica, 97,2% das águas do estado são subterrâneas e, somente, 2,8% são águas superficiais. Nas nossas 12 regiões hidrográficas, existem áreas com escassez de água”, pontuou.

Ele citou o caso da bacia hidrográfica do Rio Parnaíba, que tem 19,5% de sua área e o rio Balsas, um importante afluente, localizados no estado, e apresenta níveis críticos de escassez hídrica.

Segundo Gasparinho, o Ministério do Meio Ambiente, juntamente com a ANA e os governos do Maranhão, Piauí e Ceará, está trabalhando para a constituição do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba. Um diagnóstico está sendo realizado, pela Codevasf, e servirá de base para a elaboração do plano de recursos hídricos da bacia.

A situação das águas do Maranhão, segundo Gasparinho, é complexa, e exige a gestão integrada com a das zonas costeiras. “Além do Mapa da Geodiversidade da Ilha de São Luís, que estamos lançando, estão em execução os estudos hidrogeológicos da região metropolitana da capital, para o uso sustentável dos recursos hídricos, resultante de um acordo entre ANA e CPRM, com a mobilização, conjunta, de R$ 4,8 milhões”, informou.

“Com isso, conheceremos os sistemas aquíferos da Ilha de São Luís, as relações entre eles e com os corpos d’ água superficiais, bem como a avaliação de locais com restrições de uso da água, orientando a definição de estratégias de gestão das águas subterrâneas da região metropolitana, para sua preservação”, finalizou Gasparinho.

Do site do Ministério do Meio Ambiente

Confraternização: cúpula do PMDB reune-se na residência de João Alberto

O deputado federal João Marcelo e o senador João Alberto receberam, ontem (15), líderes e militantes do PMDB maranhense para um almoço de confraternização em sua residência, no Bairro do Calhau.

Além dos prefeitos de Imperatriz, Assis Ramos, de Rosário, Irlahi Moraes, de Vitória do Mearim, Dídima Coelho, de Cachoeira Grande, Tonhão, de Brejo, Zé Farias, estavam presentes também ex-prefeitos, intelectuais, empresários, e os deputados estaduais Roberto Costa e Adriano Sarney.

As lideranças políticas históricas como o ex-presidente José Sarney, a ex-governadora Roseana Sarney, o senador Edison Lobão, o suplente de senador Lobão Filho e o presidente em exercício do Diretório Estadual, Remi Ribeiro, confraternizaram com a militância jovem do partido.

Um dos melhores momentos da confraternização foi a troca de presentes no tradicional “amigo invisível “.

Do Blog do Gilberto Leda

Antônio Bacelar participará de evento da CPRM em São Luís nesta sexta (15)

O Ministério de Minas e Energia e o Ministério do Meio Ambiente realizarão um evento conjunto em São Luís na próxima sexta (15).

Com o tema Geologia, Recursos Minerais e Hídricos para o Desenvolvimento do Maranhão marcará o lançamento dos produtos da CPRM – Serviço Geológico do Brasil e da Ana – Agência Nacional de Águas.

O evento contará com a presença de várias autoridades dentre as quais o Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho e o Diretor de Hidrologia e Gestão Territorial da CPRM, Antônio Bacelar.

Diretor de Hidrologia e Gestão Territorial, Antonio Carlos Bacelar estrá presente no evento

A ação será realizada no auditório Neiva Moreira, na Assembleia Legislativa a partir das 09h.

As piores faculdades do Maranhão, segundo o MEC

De O Imparcial

Foi divulgado nesta segunda-feira, 27, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o ciclo de avaliação do ensino superior brasileiro referente ao ano de 2016. Ao todo, foram 2.132 instituições de ensino avaliadas. Deste total, 307 são consideradas insatisfatórias pelo MEC. O Maranhão possui quatro faculdades na lista das piores instituições, das 31 avaliadas no estado.

Para estabelecer o ranking, é levado em consideração o IGC, Índice Geral de Cursos, que vai de 1 a 5. São consideradas insuficientes as instituições que possuem nota menor que 3. Estas podem receber punições, como a proibição de abertura de vestibulares até que se tomem providências para a melhora da nota.

Confira, agora, a lista de instituições maranhenses aprovadas e reprovadas pelo MEC:

Aprovadas

Nota 4

Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
Instituto de Ensino Superior Franciscano (IESF)
Faculdade Brasileira de Estudos Avançados (FABEA)

Nota 3

Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA)
Universidade Ceuma
Faculdade Santa Teresinha (CEST)
Faculdade Pitágoras de São Luís
Faculdade de Educação São Francisco (FAESF)
Faculdade Estácio
Faculdade Santa Fé (CESSF)
Faculdade de Imperatriz (FACIMP)
Faculdade Pitágoras de Imperatriz
Unidade de Ensino Superior Dom Bosco (UNDB)
Faculdade do Vale do Itapecuru (FAI)
Instituto de Estudos Superiores do Maranhão (IESMA)
Faculdade do Maranhão (FACAM-MA)
Faculdade Evangélica do Meio Norte (FAEME)
Faculdade de Educação Santa Terezinha (FEST)
Instituto de Ensino Superior do Sul do Maranhão (IESMA)
Faculdade do Baixo Paraníba (FAP)
Instituto de Ensino Superior Múltiplo (IESM)
Faculdade de Educação de Bacabal (FEBAC)
Instituto Florense de Ensino Superior (IFES)
Faculdade de Balsas (UNIBALSAS)
Faculdade Laboro

Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (FACEMA)

Reprovadas

Nota 2 (insatisfatória)

Faculdade do Estado do Maranhão (FACEM)
Faculdade Maranhense São José dos Cocais (FSJ)
Instituto Maranhense de Ensino e Cultura (IMEC)
Faculdade Maurício de Nassau

Avaliação anterior

Em 2015, o número de faculdades consideradas insatisfatórias era menor: IMEC, FEBAC e FSJ possuíam nota 3. No ciclo de avaliação do ensino superior brasileiro do ano passado, a Faculdade Maranhense São José dos Cocais subiu um ponto na avaliação, enquanto FACEM e Maurício de Nassau caíram no conceito do MEC. Já a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), que possuía nota 3, subiu um ponto.

Método

O cálculo do IGC é feito todos os anos, e leva em conta o Conceito Preliminar de Curso (CPC) do último triênio. O índice é calculado no ano seguinte à realização do Enade. Também são levados em conta, no IGC, outros conceitos de avaliação de programas de pós graduação stricto sensu, e a distribuição dos estudantes entre os níveis de ensino. Foram avaliados, no ano de 2016, as áreas de Saúde e Ciências Agrárias (licenciaturas e bacharelados), e Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança (eixo tecnológico). O resultado da pesquisa está disponível na íntegra no site do Ministério da Educação.

Atualização (10h57): a Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (FACEMA) foi registrada erroneamente na lista de instituições com nota 2. A FACEMA possui, na realidade, nota 3, sendo aprovada pelo MEC.

Atualização (11:35): A Faculdade UNINASSAU emitiu nota sobre a avaliação do MEC. Leia na íntegra:

“A Faculdade UNINASSAU São Luís esclarece que o Índice Geral de Cursos (IGC) da instituição foi atribuído erroneamente e que a correção da nota já foi solicitada ao Ministério da Educação (MEC). A nota 2 atribuída a Instituição foi resultado da avaliação de um único curso, o de Radiologia, quando na realidade a UNINASSAU São Luís possui 29 cursos autorizados, que por serem novos, ainda não foram avaliados e não possuem notas (CPCs). Pela legislação, é necessária a avaliação de, pelo menos, 50% dos cursos da instituição para estabelecer o IGC da instituição, o que torna o resultado divulgado inválido. A Instituição reforça que trabalha para manter altos níveis de qualidade docente e infraestrutural, atingindo assim os melhores níveis de avaliações exigidos pelo MEC, pela sociedade e pelo mercado de trabalho.”