Em contato com o blog, Soliney reafirma pré-candidatura a prefeito

Ex-prefeito Soliney Silva: firme com pré-candidatura

Após imediata repercussão da matéria desse blog sobre a figura do ex-prefeito Soliney Silva (MDB) como fiel da balança em 2020 sendo ou não candidato, ele entrou em contato com o blog para reafirmar sua pré-candidatura.

Silva explicou que não possui processo na Justiça Eleitoral e lembrou que suas contas de gestão votadas até aqui foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado – TCE.

Ele antecipou que as contas de 2009/2010 que foram aprovadas pelo TCE e que teriam sido reprovadas pela Câmara em 2018 teve uma liminar favorável pela derrubada da desaprovação feita pela Câmara o que viabilizou inclusive sua candidatura a deputado estadual no ano passado. O ex-prefeito explicou ainda que esse ano o pleno do Tribunal referendou a liminar invalidando o voto de desaprovação feito pela Câmara.

O ex-prefeito disse que sua pré-candidatura nasce do pedido de amigos e correligionários com o objetivo de resgatar Coelho Neto do marasmo político que se encontra atualmente. Ele antecipou que da parte dele manterá o diálogo aberto com todas as lideranças que fazem oposição ao atual prefeito querem o bem da cidade.

Sendo candidato ou não, Soliney será o fiel da balança em 2020…

Soliney Silva: carisma aliado a alta popularidade

Há uma grande dúvida no meio popular em torno das condições jurídicas do ex-prefeito Soliney Silva (MBD), e de sua viabilidade em ser ou não candidato no próximo pleito.

Independente dessa possibilidade, o ex-prefeito detém a posição privilegiada de ser o fiel da balança das eleições do próximo ano por vários motivos.

Com o lastro de três mandatos de deputados e dois de ex-prefeito, o emedebista segue com folga sendo lembrado em todas as enquetes e pesquisas de consumo interno dos quais o blog teve acesso.

Nesse cenário o que pesa sobretudo é o carisma, pois estamos falando de um líder extremamente popular e com presença forte em todas as camadas da sociedade, fato que não é capaz de ser questionado por qualquer dos seus adversários.

Além da popularidade, Soliney é estrategista, afeito a planilhas e leva a disputa eleitoral para a ponta do lápis. Os vários anos lhe deram experiência suficiente para não agir por emoção, mas saber que na política a razão é o que vale.

Em posição estratégica, Silva tem tudo nas mãos pacificar a disputa, agir como um grande articulador, unir a oposição e defender um time que possa enfrentar junto o atual prefeito. É só querer.

Nesse contexto pesa a condição favorável de ser o fiel da balança na próxima disputa.

Sendo ele candidato ou não…

Ex-deputado Bacelar pode lançar pré-candidatura a prefeito de Coelho Neto

Márcia e Bacelar durante participação no encerramento do Festejo de São Raimundo no último sábado (31). Foto: Euclides Filho

Tem sido cada vez mais frequente a presença do casal Bacelar (leia-se Antônio Bacelar e Márcia Bacelar) em Coelho Neto.

Segundo apurou o blog, a presença que já é constante deve se tornar ainda mais frequente tem a ver com a possível pré-candidatura de Bacelar para o cargo de prefeito.

Essa pré-candidatura já havia sido ensaiada no pleito eleitoral passado, mas problemas partidários interferiram no processo e candidatura foi abortada.

Agora Bacelar já começa a namorar com seu partido, com olhar fixo no Podemos – partido do deputado federal Eduardo Braide e que tem tudo para ser sua próxima agremiação partidária. Durante o final de semana, Bacelar foi visto transitando e conversando com lideranças, ao que tudo indica preparando o terreno visando 2020.

É aguardar e conferir!

Por que não se deve falar em pré-candidatura de Luis Serra?

Luis Serra: empresário perdeu o “time”

Uma postagem do Portal Leste Maranhense publicada ontem (08), trouxe ao debate da política de Coelho Neto o nome do empresário Luis Serra como líder na preferência do eleitorado – com folga diga-se de passagem, para a disputa majoritária em 2020.

Primeiro é necessário pontuar que não há qualquer elemento científico para embasar tal afirmação, já que não se tem notícia de qualquer pesquisa eleitoral para medir o cenário político para o próximo ano.

Diferentemente do que foi pontuado na matéria, Serra não é, não foi e não será nunca o nome de consenso das oposições por vários motivos sendo o principal deles: ele próprio.

O término da disputa e a eleição de Américo (PT), só serviu para confirmar que Luis Serra era um candidato artificial e fruto de um projeto de marketing que não deu certo. Subir em telhado, passear de moto e andar na “cacunda” de gente foram cenas que só foram possíveis ver diante das lentes do marqueteiro. Mas ficou apenas nisso!

Nem a passagem tímida do empresário durante a eleição do ano passado serviu para ferver a água da disputa eleitoral. Ausente do debate, das articulações e alheio a realidade da cidade, a pré-candidatura de Serra não deveria sequer ser mencionada.

Se o próprio Serra faz questão de dizer que não quer mais ser candidato, não há há motivos para sustentar algo que não tem futuro.

Até porque a política tem fila e tem tempo, logo quem perde a vez e sai da fila deixa de ser presente.

E ao invés de ser opção de futuro, passa a ser lembrado apenas como um projeto de passado…

Prorrogação de mandatos de prefeitos e vereadores tem parecer favorável na Câmara Federal

Prorrogação de mandatos de prefeitos e vereadores tem parecer favorável na Câmara Federal

O deputado Valternir Pereira (MDB) apresentou à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Federal parecer favorável à prorrogação dos atuais mandatos de prefeitos e vereadores.

A PEC 376/2009 prevê a coincidência das eleições gerais no Brasil, levando para 2022 o mandato de prefeitos e vereadores que ora estão no exercício do cargo.

Há outras propostas parecidas em tramitação no Congresso, mas esta é a mais adiantada.

A proposta precisa agora ser aprovada na CCJ para ser encaminhada ao Plenário. Para suspender as eleições de 2020, é preciso que seja aprovada antes de outubro.

Além da coincidência de mandatos, a PEC acaba com a reeleição para cargos executivos, garante mandato de cinco anos para presidentes, governadores e prefeitos e aumenta de oito para 10 anos o mandato dos senadores.

Não há prazo para votação da proposta na Comissão de Justiça da Câmara…

Do Blog do Marco d´Eça