Estação Juventude 2.0 terá ações de prevenção voltadas para a saúde do jovem

Na última quarta-feira (21), o secretário nacional de Juventude Assis Filho se reuniu com a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), Adele Benzaken, no Ministério da Saúde para discutir ações estratégicas conjuntas sobre a saúde do jovem.

Segundo o Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde, no Brasil, a epidemia de HIV/Aids cresce a cada dia entre os jovens. De 1980 até junho de 2017, foram registrados 576.245 (65,3%) casos de Aids em homens e 306.444 (34,7%) em mulheres. As faixas etárias de 20 a 29 anos são as que apresentam a maior tendência de aumento da razão de sexos nos últimos dez anos.

Diante desse cenário, é preciso atuar em várias frentes para que os jovens não se infectem e para os que já contraíram o vírus procurem assistência. A parceria entre a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) e o DIAVH consiste na ampliação do programa Estação Juventude 2.0, inserindo cursos de Formação de Jovens Lideranças e oficinas de Prevenção Combinada – profilaxia pós-exposição (PEP), profilaxia pré-exposição (PrEP), redução de danos, TasP e testagem.

A parceria possibilita ampliação dos benefícios que já são ofertados nas Estações. “Em breve, vamos entregar 27 novas estações da Juventude e queremos que abriguem também estas oficinas de prevenção, é de extrema importância a parceria para aproximar os programas, projetos e ações para pensar em políticas transversais e conjuntas para a juventude”, disse.

ESTAÇÃO JUVENTUDE 2.0

O programa Estação Juventude 2.0 é uma iniciativa do Governo Federal que integra a pasta Brasil Mais Jovem e é coordenado pela SNJ. O objetivo do programa é ampliar o acesso de jovens de 15 a 29 anos a ações que assegurem seus direitos e promovam inclusão e participação social.

As linhas de ação envolvem a disponibilização de espaços públicos espalhados pelo Brasil, equipados com instrumentos e pessoal capacitado para oferecer cursos, oficinas, capacitações e promover a inclusão e participação social.

*Com informações do Ministério da Saúde

SNJ participa da 84ª Assembleia Geral Ordinária Nacional da Conaje, em São Luís (MA)

O maranhense Assis Filho é secretário Nacional de Juventude

 

 

O secretário nacional de Juventude, Assis Filho, participa, nesta quinta e sexta-feira (22 e 23/02), da 84ª Assembleia Geral Ordinária da Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje), em São Luís (MA). O evento vai reunir jovens líderes de todo o Brasil, dos mais diversos setores da economia, que vão debater temas relevantes para o jovem empresariado brasileiro.

Assis Filho vai participar do painel Café Político, iniciativa que promove o diálogo entre jovens empresários e políticos com atuação reconhecida em âmbito nacional ou regional. A fala dele está prevista para o primeiro dia de evento, às 15h. Assis vai falar sobre o Inova Jovem, programa voltado para o empreendedorismo nas comunidades, e sobre o Plano Nacional de Desenvolvimento de Startups.

“Esta é uma pauta muito importante para a Secretaria Nacional de Juventude, que vai lançar o Plano Nacional de Startup para a Juventude em março”, anunciou Assis. O Plano Nacional de Desenvolvimento de Startups foi construído de forma colaborativa e além de visar fortalecer o investimento em Startups, tem como objetivo a construção de políticas públicas que promovam o empreendedorismo, com foco nas demandas da população jovem.

A 84ª Assembleia Geral Ordinária da Conaje será um dos maiores encontros associativistas do país. Serão dois dias de palestras, capacitações, painéis e oportunidades de negócios. Mais de 36 mil empresários e empreendedores do país se relacionam direta ou indiretamente com a instituição.

SERVIÇO
84. Assembleia Geral Ordinária da Conaje
Data: 22 e 23 de fevereiro de 2018
Horário: 8h ás 18h
Local: Hotel Pestana São Luís – Avenida Avicenia, 1 – Praia do Calhau – São Luís (MA)

SNJ ampliará parceria com programas Força no Esporte e Rondon, da Defesa

Na manhã desta terça-feira (23), o secretário nacional de juventude Assis Filho visitou o Ministério da Defesa para conhecer melhor os programas Força no Esporte (Profesp), realizado em parceria com o Ministério do Esporte e o Ministério do Desenvolvimento Social, e Rondon, que tem apoio do Ministério da Educação. No ano passado, a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) repassou cerca de R$ 6 milhões ao Profesp no Rio de Janeiro e espera ampliar o repasse neste ano, com abrangência nacional. A Secretaria também irá analisar a possibilidade de contribuir com o projeto Rondon.

O Profesp oferece atividades de contraturno para crianças e adolescente, de 7 a 17 anos, principalmente voltados para o esporte. Os beneficiários praticam três esportes coletivos e um individual, no mínimo. Além disso, o programa oferece atividades complementares como aulas de reforço, palestras, atividades de saúde preventiva, artes, cultura e ações ambientais. Para participar, o beneficiário precisa estar matriculado em escola da rede pública e em situação de vulnerabilidade social. O programa, que começou em 2003 com apenas 500 beneficiários em quatro unidades militares, hoje conta com mais de 2500 crianças e adolescentes atendidos em 175 unidades por todo o Brasil.

O secretário geral de pessoas, educação, saúde e esporte da Defesa vice-almirante Paulo Zuccaro ressaltou a importância do programa como estratégia de inclusão social. “O Profesp não só evita que crianças e adolescente fiquem pelas ruas das comunidades onde moram, em contato com drogas, crimes e violência, mas dá a oportunidade deles conhecerem várias modalidades de esporte, como por exemplo a esgrima ou a vela”. Zuccaro citou o exemplo de ex-beneficiários do programa que puderam mudar o rumo de suas vidas. “Nós temos por exemplo a Emily Rosa, atleta de 18 anos que levou a primeira medalha de ouro mundial em levantamento de peso. Ela foi uma beneficiária do programa e, lá, teve a oportunidade de conhecer o esporte e optar por esta carreira”, relata o almirante.

O secretário nacional de juventude Assis Filho assumiu o compromisso de contribuir com o Profesp. “É um programa que tem a perspectiva de resgatar essas crianças e adolescentes carentes através do esporte, além de atividades educacionais, dentro da doutrina militar, que é muito eficaz para a educação em cidadania”, explica Assis.

Já o projeto Rondon, que existe desde 1967, tem o intuito de levar conhecimentos e boas práticas nas áreas de cultura, direitos humanos, comunicação social, tecnologia, entre outros para comunidades do interior. Para isto, o projeto estabelece parcerias com instituições de ensino superior, levando estudantes universitários de várias áreas para missões de 15 dias em municípios de estados como Rondônia, Alagoas e Tocantins. Os principais objetivos do projeto são contribuir para o desenvolvimento e o fortalecimento da cidadania do estudante universitário e contribuir com o desenvolvimento sustentável, o bem-estar social e a qualidade de vida nas comunidades carentes, usando as habilidades universitárias.

O vice-almirante Vitor Cardoso Gomes, coordenador do projeto, ressalta a importância do Rondon para as comunidades e para os estudantes. “Não é um projeto de assistencialismo. É na verdade, uma grande oportunidade de os estudantes universitários realizarem uma atividade de extensão em suas áreas de estudo. Ali, eles têm a chance de por em prática e repassar seus conhecimentos e as comunidades se beneficiam imensamente com essa troca”, afirma.

Participaram da reunião o secretário nacional de juventude Assis Filho, O secretário geral de pessoas, educação, saúde e esporte da Defesa vice-almirante Paulo Zuccaro, O vice-almirante Vitor Cardoso Gomes, coordenador do projeto Rondon, Sérgio Vinícius Cortes, coordenador do Profesp, além de Saulo Spinelly, secretário executivo do Conselho Nacional de Juventude e Ludmila Oliveira e Bruno Araújo de Almeida, assessores técnicos da Coordenação geral de Políticas Setoriais.

Da SNJ

Assis Filho lançará Inova Jovem, de combate à violência contra a juventude negra

O secretário nacional de Juventude, Assis Filho, reuniu-se ontem (22) com o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, para delinear as principais ações e estratégias voltadas para a população jovem em 2018. Entre elas, ganha destaque projeto Inova Jovem, que tem como objetivo o combate à violência cometida contra jovens negros entre 18 e 29 por meio de ações afirmativas voltadas para o empreendedorismo.

O Inova Jovem integrará a pasta Brasil Mais Jovem, o maior pacote de ações do Governo Federal voltado para juventude. A iniciativa tem como objetivo reduzir a vulnerabilidade de jovens negros e negras de comunidades carentes que atualmente não têm acesso ao trabalho formal. Nesse sentido, o programa visa abrir 100 turmas de empreendedorismo que atenderão mais de 2 mil jovens em todos os estados brasileiros. Também fazem parte das ações do programa Inova Jovem cursos presenciais, assessoria na incubação de empresas, acompanhamento e apoio com duração de sete meses.

A iniciativa é uma das ações do Plano Juventude Viva, desenvolvido para prevenir a vulnerabilidade dos jovens negros a situações de violência, criando oportunidades de inclusão social e autonomia. O Inova Jovem nasce como uma efetiva política pública levando em consideração o Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência, um levantamento oficial desenvolvido pela SNJ em parceria com a Unesco e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, lançado em dezembro de 2017. O estudo agrega dados considerados determinantes na vulnerabilidade dos jovens à violência, tais como taxa de frequência à escola, escolaridade, mercado de trabalho, taxa de mortalidade por homicídios e por acidentes de trânsito e serve como norteador de políticas públicas de juventude .

“Os jovens são a parcela da população brasileira mais afetada pela violência. O Índice de Vulnerabilidade Juvenil nos deu uma visão muito clara sobre os riscos a que a juventude periférica, com recorte de cor, é submetida diariamente. A partir do conhecimento das consequências do racismo, mostrou-se necessário criar políticas públicas afirmativas que garantem aos jovens em situação de vulnerabilidade a oportunidade de conquistar independência financeira e transformar as comunidades nas quais estão inseridos”, disse Assis Filho, durante a reunião com o ministro da articulação política. Na ocasião, o secretário nacional de juventude também apresentou à Carlos Marun o relatório de atividades da SNJ referente a 2017 e o pré-planejamento de ações de 2018.

*Maranhão*

De acordo com a agenda governamental, o Maranhão será beneficiado pelas ações do programa Inova Jovem ainda este ano. Segundo o Índice de Vulnerabilidade Juvenil, o estado figura no topo do ranking que relaciona desigualdade racial e gênero, perdendo apenas para o Rio Grande do Norte onde as jovens negras têm 8,11 mais chances de serem assassinadas em relação às jovens brancas, seguido do Amazonas (6,97) e da Paraíba (5,65). O IVJ também aponta que, em território maranhense, um jovem negro corre duas vezes mais risco de ser assassinado em relação a um jovem branco.

Audiência pública na região norte fecha ciclo de debates do novo PNJ

Na manhã desta sexta-feira (19), o estado do Amapá recebeu a última audiência pública para o debate do novo Plano Nacional de Juventude, representando a região norte. O evento ocorreu na Universidade Estadual do Amapá, em Macapá e reuniu cerca de 130 jovens estudantes. Além da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), estiveram presentes também o Centro de Integração Empresa Escola e a Secretaria de Assistência Social e Cidadania. Concluído o ciclo de audiências públicas, nas quais a sociedade civil pode contribuir para a reformulação do Plano, a proposta segue para votação na Câmara dos Deputados.

O presidente do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) Anderson Pavin ressaltou que a juventude foi protagonista na reformulação do PNJ, que foi um exemplo de participação social, priorizado pela SNJ. “O Plano vem em uma unidade e estabelecer isto garante a aprovação do Plano. Chegamos na região norte com a melhor versão do plano e, podemos ter certeza que os que participam hoje estão sendo protagonistas de um momento histórico”, afirmou.

O secretário nacional de juventude Assis Filho falou da importância das audiências terem percorrido o Brasil para o debate do Plano. “A SNJ fez questão de conhecer a realidade dos jovens brasileiros, nos 27 estados, com suas especificidades e, quando nós buscamos dialogar e debater o Plano nas cinco regiões do Brasil, é porque o Governo Federal tem essa compreensão de que nós precisamos dialogar com as forças políticas, os movimentos sociais, a juventude LGBT, a rural e os demais seguimentos e também levar em consideração as diferenças regionais do Brasil”, afirmou Assis.

A secretária extraordinária de políticas para a juventude do Amapá Joelma Santos falou sobre a luta da juventude da região norte por políticas públicas que considerem as especificidades locais e sobre a importância do Plano. “O PNJ será um marco para a juventude brasileiro, será o alinhamento das políticas públicas que irão garantir o acesso à educação de qualidade, à saúde preventiva, à garantia do trabalho qualificado, a preparação para o mercado de trabalho. Ele será um instrumento de desenvolvimento, não só econômico, mas também pessoal e social para a juventude”, ressaltou a secretária.

Fizeram parte da mesa diretora a secretária extraordinária de políticas para a juventude do Amapá Joelma Santos, o secretário nacional de juventude Assis Filho, o presidente do Conjuve Anderson Pavin, o consultor da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Joel de Menezes Borges, a representante do Juventude Rural Tábita Vasconcelos, o secretário municipal de juventude Oto Ramos.

Entenda a atualização do Plano Nacional de Juventude

De acordo com a SNJ, o texto do PNJ necessitava de ajustes, por conta de diversas transformações históricas e políticas ao longo dos anos, já que o Plano data de 2004. Para isto, uma consultoria feita em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) produziu uma minuta, alinhada com os 11 eixos temáticos do Estatuto da Juventude (Lei nº 12.852/13), levando em consideração as resoluções das três Conferências Nacionais de Juventude (2008/2011/2015), os dados do Mapa da Violência 2016, entre outros estudos.

O Plano Nacional de Juventude (PNJ) integrará o Sistema Nacional de Juventude e foi proposto a partir da percepção de que é responsabilidade do Estado garantir que os direitos de jovens com idade entre 15 a 29 anos sejam cumpridos. Entre esses direitos, estão a participação política e o acesso às políticas públicas. No processo de construção do texto original do PNJ, a Câmara dos Deputados realizou 27 audiências públicas em todo país por meio da Comissão Especial sobre Juventude. Ao final do processo, foi apresentado ao público o texto do PL 4530, que, apesar dos esforços investidos em sua elaboração, tramita na Câmara há 12 anos.

Com dinamismo, Assis Filho contabiliza saldo positivo em seu primeiro ano à frente da SNJ

O secretário Nacional de Juventude Assis Filho contabiliza nesta terça (16), um ano de gestão à frente da Secretaria Nacional de Juventude – SNJ.

O fato de assumir o órgão em meio a uma crise não intimidou em nada o jovem maranhense, ao contrário, o histórico de militante ativo do qual foi aluno aplicado serviu de base para que as tratativas e articulações de emponderamento da pasta fossem decisivos para o reconhecimento que se tem hoje, vindo dos mais diferentes setores.

Conhecido pelo perfil dinâmico e arrojado, Assis imprimiu um novo ritmo as ações da SNJ, que voltou a ter uma rotina ativa e a visibilidade para contabilizar tantas conquistas em tão curto espaço de tempo.

Diálogo Permanente

A Secretaria Nacional de Juventude mantém diálogo permanente com os três poderes nas três esferas sobre temas de interesse da juventude, além de agenda permanente com prefeitos, vereadores, deputados, governadores e representantes de órgãos e entidades que trabalham com a política de juventude.

Ativação do intercâmbio na política internacional com participação no Seminário Juventude e Inovação Social: um diálogo sobre desenvolvimento social de base realizado no México e Encontro Internacional de Ministros da Juventude no XIX Festival da Juventude na Rússia;

A SNJ também adotou a Consulta Pública como ferramenta de trabalho para ouvir a juventude em debates importantes como as que trataram por exemplo do Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE, Plano Nacional de Desenvolvimento de Startups e Plano Nacional de Juventude – PNJ;

Ações/Projetos

Reativação do Novo Plano Juventude Viva

Inauguração do Estação Juventude em Palmas-TO e Biblioteca de Juventude Digital

Reativação do Conselho Nacional de Juventude, assegurando maior participação da juventude à luz do Estatuto da Juventude;

Criação do Comitê Interministerial de Juventude – COIJUV;

Implantação do Programa Estação Juventude 2.0 com R$ 11 milhões em investimentos;

Parceria na execução do Projeto Rondon;

Capacitação de Gestores Estaduais de Juventude sobre o ID Jovem

Realização do Encontro Nacional de Gestores Estaduais de Juventude, Encontro Nacional de Gestores Municipais de Juventude e Mapeamento de Gestores Municipais de Juventude;

Execução da Plataforma Juventude Segura nos Estados;

Lançamento da proposta de criação do Plano Nacional de Startups, do diagnóstico da Juventude LGBT, Programa Brasil Mais Jovem, Meninas da Ciência, Revista Brasil Mais Jovem, Índice de Vulnerabilidade Juvenil – IVJ e Caravana ID Jovem percorrendo os Estados brasileiros beneficiando milhares de jovens;

Articulação

Debate ampliado e permanente sobre para a articulação de ações relacionadas a política de juventude com diversos órgãos de debate tais como: Comitê Partidário de Articulação Políticas de Juventude (CPAPJ), Conselho Nacional de Juventude – Conjuve, Fórum Nacional de Gestores Municipais de Juventude – FOMJUVE, Fórum de Gestores Estaduais de Juventude, Comitê Interministerial de Juventude – COIJUV, Comitê Gestor Federal Juventude Viva, Comitê de Desenvolvimento de Startup para a Juventude.

Parcerias

Dsicussões com a Central Única das Favelas e com órgãos gestores de juventude a nível municipal e estadual

Prorrogação do convênio com o Centro de Referencia da Juventude de Belo Horizonte – MG;

Parceria com a Câmara dos Deputados na realização das audiências públicas sobre o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE,  Políticas Públicas voltadas para a Juventude do Brasil, Plano Nacional de Juventude – PNJ, além da participação da audiência pública que discutiu a Criminalização do Funk no Senado e na discussão sobre a redução da maioridade penal

Apoio em iniciativas como o Mapa da Violência 2016: homicídios por armas de fogo no Brasil, 20ª Feira do Estudante – EXPO CIEE 2017 Seminário de avaliação dos 16 anos da Lei da Aprendizagem; Seminário: Estado, Racismo e Violência, Marcha dos Vereadores e Campanha Vidas Negras.

Ações Conjuntas

O ID Jovem, o  Estação Juventude e o Plano Nacional de Startups vão integrar a Estratégia Nacional de Inclusão Social e Produtiva (Enisp), discussão com a CUFA e outras instituições sobre ações para jovem nas favelas

Com a Unesco foi estabelecido as consultorias para elaboração do Plano Nacional de Juventude, Monitoramento do ID Jovem nos Estados, e escolha dos consultores do Novo Plano Juventude Viva

Comitê Gestor do Projovem será reativado

O secretário nacional de Juventude, Assis Filho, se reuniu com a secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação (MEC), Ivana de Siqueira, para tratar da reativação do comitê gestor do Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem). A reunião contou com a participação do coordenador de Política Educacional para a Juventude, Bruno Alves de Jesus.

O Comitê Gestor do Projovem é coordenado pela SNJ e pela Secadi e deverá ser convocado para tratar da revisão do programa com a sua ampliação para o Ensino Médio. Criado pela Lei no 11.129, de 30 de junho de 2005, o Projovem é destinado a atender as demandas escolares de jovens de baixa renda entre 18 e 29 anos que já saibam ler e escrever, mas ainda não concluíram o Ensino Fundamental. “A intenção é ampliá-lo para levar o Ensino Médio aos jovens, aliado à conclusão do Novo Ensino Médio”, explicou a secretária de Educação Continuada.

Assis afirmou que “o Projovem é uma importante política pública para a juventude brasileira” e por isso a necessidade de retomar os trabalhos do seu comitê gestor. Ivana explicou que o primeiro passo para dar continuidade ao programa foi o pagamento das bolsas que estavam atrasadas desde 2014.
Em setembro do ano passado, a Secadi e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) estabeleceram critérios e normas para os entes federados que dispunham de saldo na conta específica do Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem Urbano, transferidos em edições anteriores, pudessem utilizar esse saldo no custeio das ações de edição especial do Programa, destinada à entrada de estudantes em 2017.

A edição especial contemplou 62 mil jovens de diversos estados e municípios. Os recursos foram destinados ao Projovem Urbano, que teve que priorizar as pessoas com os seguintes perfis: jovens com idade entre 18 e 29 anos que saibam ler e escrever mas não completaram o Ensino Fundamental residentes nos municípios ou regiões com maiores índices de violência contra a juventude negra, integrantes do Plano Juventude Viva; moradores de regiões de abrangência das políticas de enfrentamento à violência; catadores de resíduos sólidos; egressos do Programa Brasil Alfabetizado; residentes nas regiões impactadas pelas grandes obras do governo federal; e mulheres, no caso dos estados em que haja oferta do Projovem Urbano em unidades prisionais.

Ceará – Assis também intermediou uma reunião com o coordenador de políticas de Juventude do Ceará, Davi Barros. O estado pretende ampliar de 680 para 1080 o número de jovens atendidos pelo Projovem Urbano. A ampliação do número de beneficiários ficará por conta do estado.
No Projovem Urbano, as escolas das redes municipal e estadual ofertam aulas presencias onde o aluno frequenta as aulas normalmente, porém a certificação ocorre em menor tempo. Outras escolas oferecem a opção do aluno efetuar sua matrícula e na data informada realizar uma prova. As provas são feitas na própria escola e a nota precisa ser maior que 5 para que o participante seja considerado apto.

As provas são realizadas por área de conhecimento e são feitas em dias diferentes. Após concluída uma etapa, deve ser feita nova inscrição e agendada nova prova até que todas as áreas sejam consideradas aprovadas. O diploma é retirado na unidade escolar onde as provas foram realizadas e garantem a comprovação de conclusão do Ensino Fundamental. Desta forma, o jovem que não teve a oportunidade de concluir seus estudos dentro do período regular pode se beneficiar do processo de formação de forma mais rápida e simplificada. O programa ainda possui as modalidades Projovem Adolescente, destinado a jovens de 15 a 17 anos; Projovem Campo; e Projovem Trabalhador.

UNE e UBES homenageiam Assis Filho pela parceria com os movimentos estudantis

A Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) foi prestigiada, na quarta-feira (6), com a visita de representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), as duas maiores organizações estudantis do país. Pedro Gorki, presidente da UBES e Bruna Brelaz, diretora de relações institucionais da UNE, reuniram-se com o secretário Nacional de Juventude, Francisco de Assis Costa Filho, e com o presidente e vice-presidente do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), Anderson Pavin Neto e Marcos Barão, respectivamente.

O encontro foi motivado pela entrega de uma placa de homenagem à Secretaria e ao Conjuve, em agradecimento pela colaboração com o movimento estudantil na luta pelo cumprimento dos direitos assegurados pelo Estatuto da Juventude e pelo apoio na realização do 42º Congresso da UBES (CONUBES), que tomou palco em Goiânia de 29 de novembro a 02 de dezembro.

“É importante termos um canal de comunicação com o governo que preze pelo comprometimento com as causas estudantis. Só assim conseguiremos construir políticas públicas de juventude que contemplem as demandas dos estudantes brasileiros”, disse Bruna Brelaz, a respeito da colaboração com a SNJ. A diretora de relações institucionais da UNE também lembrou que o apoio da Secretaria Nacional de Juventude foi fundamental para a realização do 42º CONUBES e que é do interesse da União Nacional dos Estudantes manter o diálogo.

Pedro Gorki, por sua vez, apontou que o apoio da SNJ demonstrou o interesse do governo federal de colaborar com as causas estudantis: “O movimento estudantil é marcado, acima de tudo, pela pluralidade. São milhares de jovens vindos de fundos diferentes e, para construirmos um canal de comunicação saudável com todas essas pessoas, precisamos estar integrados na agenda de políticas públicas”. Com apenas 16 anos, Gorki é o presidente mais jovem já eleito na história da UBES. Aluno do Instituto Federal do Rio Grande do Norte e nascido na periferia da capital potiguar, ele foi escolhido por milhares de estudantes do ensino fundamental, médio, técnico e preparatório para comandar a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas pelos próximos dois anos.

“É com muita alegria que recebemos essa homenagem. A importância das trajetórias da UNE e da UBES na construção do movimento estudantil e na luta por direitos na educação pública brasileira é inegável. Além de compor o Conselho Nacional de Juventude com força representativa, esses movimentos exercem um papel fundamental na política nacional de juventude e o governo se manterá à disposição para o diálogo com todas as forças políticas e movimentos representativos da juventude brasileira. Ficamos muito gratos pelo gesto e esperamos que possamos dialogar cada vez mais em nome do avanço das políticas públicas em juventude no Brasil”, disse Assis Filho, em agradecimento à homenagem.

Pesquisa confirmará que jovens negros são mais vulneráveis à violência, diz SNJ

O programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, entrevistou o secretário nacional de Juventude, Francisco de Assis Costa Filho José Cruz/Agência Brasil

O secretário nacional de Juventude, Francisco de Assis Costa Filho, disse hoje (4) que a nova versão do Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ) – Violência e Desigualdade Racial vai trazer dados semelhantes à atual, que revelou que os jovens negros são as principais vítimas e estão em situação de maior vulnerabilidade à violência no Brasil.

A atualização do IVJ deve ser divulgada na próxima segunda-feira (11) e trará informações do indicador em 304 municípios com mais de 100 mil habitantes.

“O governo não quer esconder nenhum dado, por mais que esses dados sejam ora positivos, ora negativos. Precisamos conhecer de perto cada realidade, cada vulnerabilidade, para combatê-la. Não há como remediar o paciente se o médico não sabe o que ele tem”, disse o secretário em entrevista ao programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Costa Filho reconheceu que a violência ainda é um dos maiores problemas do Brasil e que flagela, sobretudo, a parcela jovem da população. De acordo com o Mapa da Violência, os jovens representam 26% da população, mas somam 58% das vítimas por arma de fogo no período de 1980 a 2014.

 Criado em 2014, o IVJ com viés da desigualdade racial é calculado por meio de metodologia criada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, com a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil.

ID Jovem

Durante a entrevista, o secretário também anunciou que o programa Identidade Jovem, mais conhecido com ID Jovem, poderá chegar a 16 milhões de beneficiários.

 O programa permite que jovens com renda familiar de até dois salários-mínimos, estudantes ou não, tenham direito à meia-entrada em eventos culturais e gratuidade ou desconto no sistema de transporte coletivo interestadual. Além disso, o cadastro no programa também garante isenção na taxa de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Ele já nasce como o maior programa social do governo para a juventude, com capacidade de atender diretamente até 16 milhões de jovens de 15 a 29 anos”, disse Costa Filho.

De acordo com o secretário, com um ano de funcionamento comemorado este mês, o número de cadastros no ID Jovem já chega a 500 mil. A inscrição no programa pode ser feita por um aplicativo de celular ou pelo site www.caixa.gov.br/idjovem. Para emitir o cartão, é necessário informar o Número de Identificação Social (NIS), vinculado à inscrição do Cadastro Único para Programas Sociais do governo.

Da IstoÉ

Assis Filho segue em ritmo acelerado na SNJ

A SNJ não para! E o Secretário Nacional de Juventude, o jovem maranhense Assis Filho, mantém seu ritmo acelerado de trabalho em todo país com o compromisso de prestar contas do seu trabalho semanalmente no quadro “Resumo da Semana” que nesta edição traz como destaque a mobilização em todas as regiões do país para discutir o novo Plano Nacional de Juventude (PNJ), na última quarta-feira, Assis Filho se reuniu com o Presidente da Câmara, Deputado Rodrigo Maia, acompanhado de movimentos sociais e vários Deputados, dentre eles, o deputado Vitor Mendes (PSD/MA).

RodrigoMaia assegurou ao Secretário Assis Filho que a Câmara vai discutir o novo PNJ no dia 15/12, no Plenário da Casa para em seguida ser colocado em votação. O PNJ tramita na Câmara há 12 anos. Confira: