William W3 e o exemplo que dignifica…

Empresário William W3 e família com membros da APAE de Coelho Neto

Diante do descaso da Prefeitura de Coelho Neto com a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE, o empresário William W3 resolveu colaborar para tentar amenizar a situação.

É que após o corte dos recursos que serviam para pagamento de pessoal, os colaboradores da instituição estão com 10 (dez) meses em receber seus salários.

Para colaborar, o empresário reuniu os integrantes da própria instituição e mais o Rotary estão vendendo camisas no valor de R$ 20,00, para que o recurso arrecadado seja revestido para a Instituição.

É preciso reconhecer que a idéia é louvável, mas reconhecemos que não resolve o problema causado pelo corte do repasse.  O pior de tudo isso é que não se vê uma reação por parte do governo para pelo menos tentar resolver a situação.

A campanha é apenas um remédio para a dor.

Mas a cura mesmo anda longe de se tornar uma realidade.

Infelizmente…

10 meses de salários atrasados: Denúncia sobre situação da APAE de Coelho Neto vai parar no Ministério Público

O ex-vereador Edvaldo Alves – Val e o blogueiro Milton Vieira protocolaram no Ministério Público nesta segunda (20), uma denúncia que apure o descaso da Prefeitura de Coelho Neto com a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE.

O fato já havia sido divulgado por esse blog diversas vezes (relembre AQUI, AQUI e AQUI) e até então nenhuma medida prática havia sido tomada para minimizar os efeitos da medida do governo.

Desde que assumiu o mandato, o atual prefeito de Coelho Neto decidiu punir a entidade cortando o recurso que era repassado para administração e manutenção da Escola Joaquim Aurélio Silva.

A APAE é uma entidade com serviço prestado no município a mais de 20 anos e recebe o repasse para o seu funcionamento desde a gestão da ex-prefeita Márcia Bacelar. O corte feito sem qualquer justificativa tem viés de perseguição político-partidária, comportamento bastante peculiar no cotidiano do gestor para com os adversários.

Acontece que o corte simplesmente comprometeu o funcionamento da escola, cujos funcionários estão há 10 meses sem receber salários. O que causa indignação é que o problema do governo é apenas não pagar os servidores, pois mantém o envio de merenda escolar e a disponibilidade de servidor efetivo para compor o quadro da Instituição.

Com a devida apuração por parte do Ministério Público, espera-se que a situação dos servidores seja resolvida com a maior brevidade possível…

Alô MP! Funcionários da APAE de Coelho Neto seguem com 10 meses sem receber seus salários…

A situação dos servidores da Associação dos Pais e Amigos do Excepcionais – APAE é delicada e alarmante, conforme já denunciado por esse blog (relembre AQUI e AQUI). Desde que assumiu o governo, o prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT), colocou o pé na parede para não fazer o repasse que a Instituição tem direito, já que presta um serviço ao município.

Quem conhece a história sabe que isso é mais um dos casos de perseguição política do atual governo. Para tirar o corpo de banda, o governo usa como desculpa nos bastidores que a instituição não tem documento, o que é uma grande mentira.

Todo mundo sabe que a APAE é uma instituição de atuação nacional. Em Coelho Neto essa parceria da prefeitura com a escola vem desde o governo da ex-prefeita Márcia Bacelar, passando pelos governos Magno e Soliney Silva.

Nos recursos repassados ao FUNDEB, existe um valor destinado a Educação Especial que era repassado a escola, mas que agora não sabe onde está sendo empregado. O mais engraçado de tudo isso, é que mesmo alegando que a instituição não tem documento, a Secretaria de Educação repassa a merenda escolar. Dá para acreditar?

Enquanto isso os servidores trabalham, na esperança de terem seus salários pagos no dia que alguém assim decidir…

Representantes estaduais e municipais discutem contratualização da APAE em Caxias

O prefeito de Caxias Fábio Gentil acompanhado da secretária municipal de Saúde, Socorro Melo, recebeu na sala de reuniões da Prefeitura o presidente do  Conselho Municipal de Secretários de Saúde do Maranhão (COSEMS) , Vinicius Araújo, uma representante da Comissão Estadual da Pessoa com Deficiência e a equipe condutora do Estado que vieram para intermediar o impasse que há entre a  Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Caxias e a Prefeitura com relação a contratualização dos serviços.

O contrato de prestação de serviços de reabilitação encerrou em maio deste ano, sendo que não houve uma nova contratualização por conta de algumas inconsistências, dentre elas, o parentesco de um membro da direção da APAE com um vereador do município. Contudo, mesmo com a renúncia do então presidente da entidade, Uaryni Basto, o problema ainda persiste.

Na reunião, o prefeito Fábio Gentil deixou bem claro que, independente do trabalho da APAE, o município vai continuar oferendo os serviços no Centro de Reabilitação Sinhá Castelo.

O serviço está em pleno funcionamento, e eu garanto que nenhuma pessoa vai ficar desassistida. Nós vamos manter o nosso serviço funcionando tanto para Caxias quanto para a região, e não farei contratualização fora da lei”, enfatizou Fábio Gentil, prefeito de Caxias.

Nelbe Amorim, que estava à frente do grupo condutor estadual da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência destacou o interesse do município em solucionar a questão:“A gente viu a vontade de resolução e, o nosso intuito é oferecer serviços à pessoa com deficiência. Saímos daqui satisfeitos, acreditamos que foi muito produtiva a reunião. Vimos a vontade de resolução dos dois lados que, se comprometeram de tentar resolver para contratualizar e dar seguimento”, destacou.

Vinicius Araújo, presidente do COSEMS, também saiu otimista da reunião.

“Nós somos uma instituição que zela pelos municípios e fomos convidados pela Secretaria de Estado da Saúde para intermediar essa conversa entre APAE e Secretaria de Saúde de Caxias, para entrar em um entendimento no sentido de resolver essa questão. Esta reunião foi muito boa, já saímos daqui satisfeitos pelo entendimento entre as partes, o prefeito determinou que resolvam o problema e, isso certamente vai beneficiar os usuários”, destacou Vinicius Araújo, presidente do COSEMS.

A secretária municipal de Saúde, Dra. Socorro Melo, relatou a reunião como fundamental, pois é de interesse macro dos 52 municípios. Ela destacou ainda que, o Estado provocou a reunião para deliberar sobre essa questão envolvendo a APAE.

“Aqui a APAE não mandou representante, mas veio o seu advogado. A reunião foi positiva e nós nos estruturamos enquanto município assim que a APAE informou que iria suspender seus atendimentos. No que depender do município, as arestas que precisam ser resolvidas, nós resolveremos o mais rápido possível, pois o usuário é a nossa meta, o nosso objetivo maior”, disse Dr. Socorro Melo, secretária municipal de Saúde.

Também estiveram presentes na reunião vereadores, Conselho Municipal de Saúde, a assessoria jurídica da Secretaria de Saúde e o advogado da APAE, além de membros da Comissão Inter Gestores Regionais (CIR) e a Comissão Estadual da Pessoa com Deficiência.

Confira a reportagem:

Da Assessoria

5 meses sem salários: Prefeito de Coelho Neto deixa profissionais da APAE a pão e água…

Américo: “de ombros” para a situação desesperadora de profissionais da APAE

Desde que assumiu o governo em janeiro, o prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT) tem dispensado um tratamento humilhante a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE.

Tão logo assumiu as rédeas do comando do município no início do ano, o petista tem relegado a Instituição a planos inferiores, talvez por pereguição política já que declaradamente seus dirigentes eram ligados a outro grupo político. A partir de então toda sorte de massacre o governo tem praticado desde a retirada do ônibus no ínicio ano, passando pela falta de merenda e agora conforme denúncia recebida pelo blog, com o atraso do salário dos profissionais.

O orgão sempre foi mantido com a ajuda da Prefeitura desdes a gestão da ex-prefeita Márcia Bacelar. Foi assim com o ex-prefeito Magno Bacelar e permaneceu na gestão do ex-prefeito Soliney Silva. Será que é a gestão petista a ave de mal agouro da cidade? Será que as ações serão descontinuadas? Será que o dinheiro sumiu e mesmo com a “economia das lagartas” a única escola que cuida das crianças com deficiência vai fechar por falta de ajuda?

Para se ter uma idéia da gravidade da situação, cerca dos 11 profissionais estão sem receber seus proventos desde março, ou seja, estão trabalhando voluntariamente simplesmente porque o prefeito bateu o pé e se recusa a pagar. Segundo o blog apurou, os profissionais estiveram essa semana na Secretaria de Educação e em conversa com Afrânio, que responde por uma das subsecretarias, sairam de lá com muito blá-blá-blá e nenhuma posição definida

Que governo é esse que deixa que presta tão relevantes serviços a mercê de um capricho politiqueiro, privando as pessoas de receber o que é seu por direito? Qual a dificuldade de sentar com a direção da Instituição para dialogar e encontrar caminhos para que essa pendência seja resolvida? Que crueldade é essa deixar trabalhadores sem  seus salários e sem a menor justificativa? É muito descompromisso!

Pois é, lamentavelmente os servidores da APAE sofrem de boca fechada, pois conhecendo o perfil perseguidor do prefeito temem novas retaliações. Ao Ministério Público cabe entrar na questão para tentar resolver esse impasse que já comprometeu sobremaneira o orçamento familiar desses profissionais.

É de chicote na mão, é perseguindo servidores e é atrasando salários dos profissionais que exercem papel tão nobre, que o governo desastroso liderado pelo prefeito Américo de Sousa quer “construir a cuidade que ele quer”…

Américo dificulta convênio com a APAE e crianças seguem sem aulas…

Américo: “de ombros” para a situação da APAE

Ao longo de vários anos, a Prefeitura de Coelho Neto vem mantendo um convênio que possibilita o funcionamento da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE. Foi assim no governo da ex-prefeita Márcia Bacelar, do ex-prefeito Magno Bacelar e nos oito anos do ex-prefeito Soliney Silva.

A entidade tem uma reconhecida prestação de serviço na região, tanto na área da educação com a manutenção de uma escola com excelente quadro de funcionários, quanto na área da saúde, com o funcionamento de um moderno Centro de Reabilitação que atende a diversos pacientes no decorrer da semana.

Ocorre que o com o advento do governo petista e como tem ocorrido em quase todas as áreas, o prefeito Américo de Sousa (PT) resolveu dificultar a renovação do convênio e o funcionamento da escola hoje está ameaçado.

Não se sabe ao certo os motivos alegados pelo governo, mas o que nos foi informado é que até a presente data, a APAE encontra-se com suas atividades paralisadas sem perspectiva alguma de retorno, graças a má vontade do prefeito e do seu governo inerte que não consegue elencar casos prioritários como esse.

Na gestão do ex-prefeito Soliney Silva, a APAE chegou a ganhar ônibus adaptado para alunos

Uma mãe nos informou que a escola disse que as aulas ainda não poderiam começar nesta segunda (27), porque estão tentando falar com o prefeito e ele não atende alegando que não tem obrigação.

Agora me digam que senso de responsabilidade tem um governo que se elegeu pregando mudança e que tem coragem de negar ajuda para uma escola de crianças com deficiência? Será que esse prefeito tem alguma noção do senso de responsabilidade do cargo que ocupa?

Lamentavelmente enquanto as gestões trabalham para garantir políticas públicas para crianças com deficiência, em Coelho Neto a coisa anda na contramão da realidade. Enquanto a “boa vontade” do prefeito não chega, as crianças seguem sem perspectiva para início das aulas…

Situação deprimente e lamentável!