Sobre o Carnaval de Coelho Neto, o velho mimimi e o pós-festa…

 

Qualquer avaliação da Festa de Momo em Coelho Neto não pode deixar de levar em consideração os investimentos feitos numa programação de qualidade e na prioridade dada ao quesito segurança.

Corredor manteve lotação de público praticamente em todas as noites: acerto do governo

Editorial

O Carnaval de Coelho Neto terminou com os raios de sol na manhã desta quarta (14). Ao entrar na minha rede social me deparei com um questionamento de um leitor: O que você achou do Carnaval? O discurso diário contrário ao governo que ai está, não pode me tornar um irresponsável que faz campanha contra a própria cidade, pelo contrário, evitamos tecer qualquer tipo de crítica sem fundamento apenas para engrossar o coro “dos contras”. Esse velho mimimi precisa ser superado, pois a condição de está na oposição não pode ser confundida com falta de bom senso.

Os carnavais de São Paulo e do Rio de Janeiro foi marcado por protestos pintados de arte. Em Coelho Neto essa prática não é comum, talvez por isso tenhamos perdido a oportunidade de passar um recado sobre as nossas frustrações e reclames quase que diários nas redes sociais.

Sou contra o discurso hipócrita de que o Carnaval não tinha que ser feito para usar o dinheiro com outras coisas. Não existe isso. Alguém cantou que a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte… a população precisa do lazer assim como das demais políticas públicas e uma coisa não deve sobrepor a outra.

Não poderia dizer que o Carnaval foi péssimo apenas para satisfazer o ego de quem deseja criticar por criticar. É necessário ter responsabilidade até quando se critica e não há demérito algum em reconhecer o governo quando este acerta… E desta vez acertou.

A programação foi muito boa se compararmos a realidade de diversos municípios no país afora. Reconhecidamente o prefeito Américo de Sousa (PT) procurou inovar e fazer o seu melhor, mesmo com críticas – já que é impossível agradar a todos – mas o resultado pôde ser visto: uma festa animada e mais uma vez sem qualquer incidente. Aqui para fazer a festa, o prefeito não sacrificou a folha de pagamentos, cenário típico em terras maranhenses nos dias atuais e por isso merece reconhecimento.

A festa acabou. Viramos a página das boas atrações, dos abadás e da latinha de cerveja como brinde. A ressaca vai passar e amanhã os problemas “esquecidos” até então, voltarão a bater em nossas portas.

Prefeito Américo de Sousa gostou de encarnar um perfil mais popular: que o aceno represente uma gestão mais próxima das necessidades dos coelhonetenses

Que a imagem do prefeito no meio da multidão não tenha acabado junto com o Carnaval. E que sua sensibilidade de “ouvir a voz das ruas” seja a tônica da sua gestão esse ano, não apenas pela proximidade do pleito eleitoral, mas pela necessidade urgente pelas quais o povo passa.

Não torcemos pelo quanto pior melhor. Temos esperança de dias melhores e é por isso que continuaremos cobrando.

Com responsabilidade, sobretudo!

3 thoughts on “Sobre o Carnaval de Coelho Neto, o velho mimimi e o pós-festa…

  1. Parabéns, temos que ser assim pessoas juntas se foi bom temos que reconhecer, se for ruim temos que reclamar.
    Bem acabou o carnaval e a gora a educação das crianças ?
    Já estamos chegando praticamente ao fim de fevereiro e não sabemos quando irá iniciar o ano letivo que já vem parado desde novembro.
    E aí como fica o atraso no calendário escolar na educação das nossas crianças?

  2. Sem falar dos pais de família que esperam esse contrato na educação pra trabalhar e voltar a receber novamente pagamento que desde dezembro que não vem mais recebendo pagamento para assim manter a família.
    E aí senhor prefeito e secretaria de educação como fica essa situação?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *