Situação caótica de ruas do Bairro Sarney é tema de debate em sessão da Câmara de Coelho Neto

328

A situação caótica de algumas ruas do Bairro Sarney foi tema do discurso do vereador Ricardo Chaves (PPS), durante o Grande Expediente da sessão da última quinta (28).

A sessão fora presidida pelo vice-presidente da Casa Rafael Cruz (MDB), não teve inscritos no pequeno expediente e a eleição do Corregedor que constava na Ordem do Dia não fora apreciada pela falta de quórum para a votação.

Participaram da sessão ainda os vereadores Luiz Ramos, Liza Pires, Camilla Liz, Sillas Alexandre, Reginaldo Janse, Júnior Santos e Wilson Vaz. Ao final o vereador Rafael Cruz fez uma defesa dos parlamentares sobre a ausência na Audiência Pública realizada pela Prefeitura.

Ele esclareceu que os vereadores haviam apreciado a liberação do prédio para um evento em março e não para dois dias depois da sessão. Deixou claro que o erro do governo foi decisivo para a não presença dos parlamentares, pois a nova data não havia sido colocada sob apreciação. Classificou o ocorrido como manobra e disse que por ele, em casos de mudanças de datas de última hora sem a apreciação dos vereadores a autorização de cessão do prédio não deverá ser mais concedida. Ele justificou a ausência do presidente Marcos Tourinho (PDT), que estava em viagem para resolver questões de ordem pessoal.

DEBATE

O vereador Ricardo Chaves foi enfático na situação de abandono de ruas como a D, E, K e N, todas no bairro Sarney. Após visita in loco, o parlamentar destacou que além de não ter nenhuma ação do governo para recuperar as vias, não havia sequer por parte do governo a preocupação com a segurança pois não havia sinalização.

Ele criticou a falta de planejamento do governo, a ausência de recuperação de ruas prometido pela própria gestão e a situação de abandono que vive as ruas da cidade.

APARTES

Em seu discurso o parlamentar foi aparteado pelos colegas Júnior Santos (MDB), Reginaldo Janse (MDB) e Luiz Ramos (PSD). O primeiro corroborou com as cobranças e solicitou a capina da praça Pedro Cialdine Silveira (próxima a De Um Tudo), os dois últimos reconheceram as necessidades, mas pontuaram o cenário de crise e as dificuldades financeiras do município.

Da Ascom/Câmara