Governo traça estratégias de segurança e anuncia criação de mais três superintendências

Foto-1-Divulgação-SSP-traça-estratégias-de-segurança-integrada-e-anuncia-criação-de-mais-três-superintendências-no-estado-1024x673

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) reuniu, na última sexta (12), todos os representantes do sistema de segurança do Maranhão. O objetivo foi traçar estratégias integradas para um efetivo combate à criminalidade, em todo o estado e anunciar a criação de mais três superintendências de investigação especializadas. O encontro aconteceu na Academia de Polícia Civil, no bairro São Raimundo, onde o titular da pasta, Jefferson Portela, convocou os 18 delegados regionais de Polícia Civil, os 35 comandantes de unidades da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

“Pela primeira vez, em nosso estado, todos os chefes de áreas demarcadas pela Segurança Pública se encontram para alinhar suas funções, visando encurralar as ações criminosas, porém, agora, de forma integrada. A troca de informações entre policiais civis e militares é imprescindível para que tenhamos resultados satisfatórios, ou seja, para que o policiamento preventivo aconteça e, para quando não for possível evitar o crime, que a investigação seja conclusiva”, destacou o secretário de Segurança Pública explicando que todo o efetivo da Segurança Pública está empenhado em executar a política de promoção de paz do governo Flávio Dino.

Durante a reunião, Portela aproveitou para anunciar ações já aprovadas pelo Governo do Estado para a ampliação e reaparelhamento da Polícia Civil. A principal delas é o aumento do número de superintendências de investigações criminais especializadas, que passarão de quatro para sete; e ainda serão subdivididas por áreas para melhorar a vigilância policial. A boa notícia foi detalhada pelo delegado-geral de Polícia Civil, Augusto Barros Neto.

“Hoje temos a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic); a Superintendência de Polícia Técnico-Científica (SPTC); e as superintendências de Polícia Civil da Capital (SPCC) e do Interior (SPCI). No início do próximo semestre, porém, deveremos já ter em funcionamento mais três superintendências de combate a Narcóticos, Homicídios, e Corrupção; e cada uma delas terá quatro diretorias de áreas. Isto é, haverá um delegado responsável por cada parte da região metropolitana de São Luís”, explicou o delegado-geral.

O comandante-geral da PM, coronel Marco Antônio Alves, destacou que o aumento das unidades da polícia favorecerá o trabalho de policiamento ostensivo, principalmente nas regiões mais distantes do Centro. “Algumas localidades, tais como a área Itaqui-Bacanga e o próprio Distrito Industrial de São Luís, ainda são carentes de um policiamento mais robusto, e é justamente onde os traficantes estão buscando guarida. Essa integração associada ao aumento da presença policial certamente irá dificultar essa prática criminosa”, lembrou Alves.

Por fim, depois de delegar as ações de combate à criminalidade na capital e no interior do estado, principalmente aquelas voltadas para o policiamento durante o período de festas juninas, o secretário de Segurança falou sobre a importância do reconhecimento visual entre comandantes e comandados. Jefferson Portela acrescentou ainda o dever de comunicação entre as polícias, e também de proteção mútua, uma vez que o objetivo de ambas as institucionais de polícia é vencer juntas a criminalidade.

“Não podemos admitir, por exemplo, que um delegado ou comandante de batalhão receba a informação que bandidos estão seguindo para uma cidade vizinha e não alerte o colega que trabalha naquela região ao lado. Essa reunião serve ainda para diminuir a distância visual entre nós e nossos policiais”, concluiu.

Deixe uma resposta