Denúncias se avolumam: Será que a Secretaria de Saúde de Coelho Neto passaria ilesa por uma CPI?

Olímpia Delgado: uma denúncia atrás da outra sob o silêncio sepulcral do governo

Desde que tomou posse como secretária de Saúde, a enfermeira Olímpia Delgado tem sido alvo de diversas denúncias sob os olhares complascentes e coniventes do prefeito Américo de Sousa (PT) e do Conselho Municipal de Saúde.

Na última sexta (14), o Portal R10 trouxe mais uma denúncia, dessa vez relacionada aos veículos comprados pelo governo com recursos de emenda parlamentar para ficar à disposição do Programa Saúde da Família. Essa semana já havia sido denunciado o vinculo empregatício da secretária como enfermeira do Grupo João Santos, inconsistência na licitação de sacos de lixo e prisão de carro do PSF, todas sob o silêncio sepulcral do governo.

Na matéria se questiona como a microempresa, R L DE FARIAS, sob o CNPJ 19.426.365.0001-00, tendo como representante, Roberto Lima de Farias, não apresentou propostas na cotação de preço e mesmo assim foi a vencedora do leilão de menor preço. De acordo com os documentos apresentados, apenas as empresas Renault e Alemanha Veículo (piauienses) e Alvema e Duvel (maranhenses) apresentaram a devida cotação com a preço mais alto vencendo a licitação.

Outra inconsistência observada na matéria diz respeito ao modelo dos carros que circulam na cidade. O modelo apresentado na propostas da Renault Parnaíba vencedora da licitação no valor de R$ 45.450,00, preço mais próximo aos R$ 45.000, do termo de contrato, foi para a entregar um renault sandero, todavia o modelo que aqui existe é o renault kwid + rádio, R$ 7.000,00 reais mais barato que o Sandero. A diferença total dos 05 veículos seria de incríveis 34.910,00 reais. Comparem o preço abaixo retirado do próprio site da fabricante sendo que o veículo do meio é o modelo que circula por aqui.

Será que a Secretaria de Saúde de Coelho Neto resistiria a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, na Câmara de Vereadores para investigar essas e outras denúncias que a pasta já foi alvo?

Deixe uma resposta