Conjuve e SNJ lançam Campanha Conselhos em Rede

O ConseNalho cional de Juventude (Conjuve) e a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) lançam, em parceria com o Fórum Nacional de Gestores Estaduais e Municipais de Juventude, uma campanha nacional de mapeamento dos conselhos de juventude nos estados e municípios.

A campanha “Conselhos em Rede” irá realizar uma pesquisa, com informações mais aprofundadas sobre os conselhos e sua atuação, o que permitirá a avaliação do desempenho destes. O levantamento será feito através de um formulário disponibilizado no portal Juventude.gov.br. Com isto, o Conjuve espera ampliar os espaços de participação e controle social voltados para as políticas públicas para os jovens. A ideia é fomentar a criação de novos conselhos em estados e municípios e fortalecer os já existentes.

Anderson Pavin, presidente do Conjuve, diz que mapear os conselhos é apenas uma etapa desta campanha. Em seguida, será elaborado um material de formação e distribuído um novo guia de Conselhos de Juventude. “Precisamos saber quantos conselhos estão em funcionamento, se foram criados por lei, por decreto, se a formação abre espaço para a sociedade civil e o mais importante é que eles nos ajudem a identificar os verdadeiros anseios e necessidades da juventude de acordo com a realidade de cada lugar do país”, explica.

Marcus Barão, vice-presidente do Conjuve, diz que esta campanha surge em resposta ao fenômeno que ocorre no Brasil chamado de bônus demográfico. “O país está mais jovem e passa por um momento demograficamente ideal para crescer”, disse. Para ele, o diálogo é necessário. “Precisamos conversar com outras iniciativas, como a Caravana Conjuve, que inicia um processo de descentralização e avança para todas a cinco macro regiões do país”, completa.

O Brasil tem uma série de desafios sociais que afetam diretamente a juventude e a participação e o controle social são relevantes neste contexto. Os conselhos são muito importantes para que as políticas públicas sejam efetivadas e corresponda a necessidade real da população. Em um momento em que contamos com a maior geração de jovens no país, totalizando 51,4 milhões de pessoas, é fundamental que se faça os investimentos certos, para, assim, conseguir levar políticas públicas adequadas a esses jovens.

O presidente do Fórum Nacional de Gestores Municipais de Juventude (Fomjuve) Maicon Nogueira acredita que mapear, criar e fortalecer os conselhos de juventudes em todo país é fazer valer na íntegra o próprio Estatuto da Juventude.  “Estamos unidos, Conjuve e Fomjuve, para que a sociedade civil se una ao poder público e consolidem cada vez mais uma agenda positiva que torne o jovem protagonista em todos os cenários”, disse.

Desire Queiroz, conselheira nacional da juventude e relatora da Comissão de Empreendedorismo e Inovação, lembra que uma política pública de juventude impactante tem que vir de baixo para cima, isto porque os Conselhos Municipais de Juventude têm uma capacidade muito maior de traduzir os conflitos e dificuldades vividas por sua população, justamente por estarem em contato diário com suas especificidades. Para ela, só assim haverá efetividade nas mudanças positivas para jovens de periferia e em situação de vulnerabilidade. “A iniciativa de fortalecer os espaços de participação e controle social voltados para a juventude é de extrema importância para garantir a efetividade das políticas públicas para a juventude”, disse.

Os conselhos são órgãos de participação e controle social que caracterizam um canal de diálogo entre governo e população, aproximando os dois e permitindo aos criadores de políticas públicas um conhecimento maior das necessidades dos jovens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *