Coelho Neto e a insegurança de uma “cidade tranquila”…

Mesmo com a onda de violência crescente, ainda somos obrigados a ouvir declarações públicas de que “a cidade é tranquila”.

Policiais recentemente incomodados com as críticas de jovens ao prefeito expressas no asfalto: perda de tempo e bobagem

Editorial

Dias atrás o blogueiro aliado do prefeito de Coelho Neto Américo de Sousa (PT) – que funciona como uma espécie de porta voz do governo – publicou uma matéria voltada a questão da segurança pública em que teve a desfaçatez de afirmar “que a cidade desfruta de uma rotina de tranquilidade”.

Logo em seguifa foi a vez do delegado Sidney Tenório em entrevista a rede de TV local afirmar que o “clima na cidade é de relativa tranquilidade”, segundo matéria veiculada pelo mesmo blog.

Primeiro é bom dizer que ao contrário do que o delegado falou, a sensação de intranquilidade e medo não se mede por número de homicídios. Há muito tempo a cidade não é mais tranquila e a população deixou de andar nas ruas sem receio de ser assaltada a qualquer momento.

Ficar na porta de casa jogando conversa fora com vizinhos se tornou coisa do passado por uma série de fatores, dentre os quais, o aumento no número de assaltos e a deficiência no setor de iluminação pública. Nos últimos dias essa sensação de intranquilidade só aumentou e os relatos de violência nos mais diversos locais começaram a pipocar na rede social.

Questionar segurança nem sempre está relacionado a criticar o trabalho da polícia, o que parece que para alguns inclusive é proibido. Está errado. Ao contrário do que muitos pensam, a polícia não faz favor quando prende o ladrão, muito pelo contrário, é o trabalho da polícia e logicamente, reconhecemos que a corporação tem feito seu papel. Ainda assim, a população tem o direito de cobrar por mais segurança, tem legitimidade de exigir que as autoridades garantam o direito de ir e vir e tanto podem, como devem, usar a rede social para externar suas revoltas contra os desmandos e os abusos.

É inaceitável por exemplo, que a polícia ao invés de garantir a segurança do cidadão perca tempo se incomodando com jovens que pintam o asfalto criticando o prefeito, como se a cidade fosse um feudo onde ninguém pode dizer nada contra o “coronel”. Onde já se viu isso?

Se quiserem dizer que os dados de violência diminuiram tudo bem, mas dizer que Coelho Neto é uma cidade tranquila é o cúmulo do absurdo. Achar que viaturas por si só resolvem a questão da segurança também é uma falácia, porque nunca se distribuiu tanta viatura e ainda assim os dados da violência são alarmantes… São necessárias, mas não resolvem o problema.

Infelizmente quando autoridades abrem a boca para negar o óbvio, logicamente é porque a coisa é mais séria do que se imagina. Para alguns, é mais fácil se iludir jogando a sujeira pra debaixo do tapete, do que admitir o problema e enfrentá-lo.

Coelho Neto segue experimentando roubo a luz do dia e da noite, assalto de forma indiscriminada, mortes no trânsito e homícidios.

Se isso é “tranquilidade”, mudaram o sentido dessa palavra e esqueceram de me avisar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *