A galinha e o trânsito – Por Magno Bacelar

 

Talvez já tenha me referido a parte deste episódio em outa ocasião. Foi lá pelos idos de 1954 quando Duque Bacelar foi assassinado e nós, os filhos em idade escolar, transferidos para o Rio de Janeiro, em busca de melhores escolas, como previsto em seus sonhos. Todos de luto fechado, roupa totalmente preta, padrão dos costumes no Nordeste de então. Não existia a definição “bulling” mas, tal indumentária parecia estranha e chocava os cariocas, fomos alvo de muita gozação e apelidos jocosos. Nada nos atingia ou intimidava, fomos para estudar e o fizemos corajosamente.

Com muita antecedência Duque fizera um seguro de vida destinado à aquisição de imóvel e garantir a educação dos filhos menores nos melhores centros de ensino do país. Nos instalamos em pequeno, mas confortável apartamento no bairro das laranjeiras na capital da República. Capitaneados por Lys e José éramos, inicialmente sete: Lys, Jose, Luis, Bernardo, Magno, Flori e Afonso número posteriormente aumentado com a chegado do sobrinho Artaxerxes.

Matriculados nos melhores colégios, tivemos que nos superar a cada dia para acompanhar o nível das aulas. Professor e línguas entrava e saia da sala falando o idioma da matéria (inglês, francês ou espanhol). De tanto medo o sangue não circulava, era o tempo todo de mãos geladas, coração disparado rezando para não ser chamado. Certa vez o professor de inglês falou alto e claro para que todos ouvissem: “Magno não precisa rezar, procura acompanhar a aula, prometo não te arguir hoje”.

Com dinheiro sempre curto muitas vezes faltava o do transporte, era quando fazíamos longas caminhadas a pé para chegar à escola. Certa feita o meu sapato rasgou, o caixa estava baixo, o resultado é que passei uns dias dividindo o mesmo par com o Bernardo. (os dois com o pé doente só que, coincidentemente, trocados).

José comprou uma moto para se deslocar entre casa trabalho e à ENA (Escola Nacional de Agronomia) situada no KM 47 da estrada Rio-São Paulo, percurso que fazia diariamente para dar conta do trabalho e do estudo. O “veículo” transportava, ainda, alimentos e material de limpeza adquiridos no mercado popular subsidiado pelo Governo, nas proximidades do aeroporto Santos Dumont. Para a missão eram destacados dois José (motoqueiro) e uma das mulheres, munidos de um saco tipo estopa, onde era depositada a mercadoria, e muito barbante para fixa-lo à moto. Coisas mais frágeis eram levadas nas mãos do ajudante garupa.

Um belo dia o dinheiro “sobrou” para comprar uma galinha viva que os feirantes enrolavam em jornal embalagem que a mantinha imóvel. Ocorre que o vento abriu o papel e a galinha saltou da moto, isto em plena avenida que ligava Cinelândia – Zona Sul – Aeroporto. Gerou-se uma cena hilariante e indescritível pois os carrões importados freavam bruscamente “cantando os pneus”, a pobre Flori (ainda menina) correndo atrás do almoço, mais preocupada com o possível prejuízo do que com a própria vida.

Valeram muito todos os sacrifícios e provações que nos ensinaram, como previa Duque, a ser gente. Fomos muito felizes, nos tornamos mais fraternos e humildes, vivemos em busca de honrar os sacrifícios e a memória dos nossos pais e conterrâneos. Doces lembranças, muito a agradecer, inclusive o milagre que, não só salvou a Flori e. ainda, permitiu que uma galinha controlasse o trânsito no Rio de Janeiro.

*Dr. Magno Bacelar é advogado e exerceu os cargos de deputado estadual, deputado federal, senador da república, vice-prefeito de São Luís e prefeito de Coelho Neto.

Deixe uma resposta